o ribavirin Peso-Baseado undertreats pacientes Afro-americanos de HCV

Published on November 12, 2012 at 5:15 PM · No Comments

Por Kirsty Oswald, Repórter dos medwireNews

Os afro-americanos com infecções do genótipo 1 (HCV) do vírus da hepatite C têm umas mais baixas exposições do plasma do ribavirin do que Americanos Caucasianos quando tratados com o ribavirin peso-baseado mais o peginterferon.

Contudo, quando alcançam pontos iniciais da exposição do plasma, os pacientes Afro-americanos são apenas tão prováveis conseguir respostas virais quanto Caucasians.

“Estes resultados fornecem introspecções novas importantes na base para a disparidade racial nas respostas do tratamento ao peginterferon e tratamento do ribavirin para o genótipo 1 de HCV,” diga Charles Horwell (Universidade de Maryland, Baltimore, EUA) e colegas.

O estudo incluiu 71 Afro-americanos e 74 Caucasians que estavam sobre o aderente de 90% a sua terapia durante 48 a semana VIRAHEP-C (resistência viral à terapia antivirosa para a experimentação crônica da hepatite C). Os Pacientes receberam o µg do peginterferon alfa-2a 180 pela semana mais o ribavirin em magnésio 1000 para aqueles que pesam sob 75 quilogramas, ou o magnésio 1200 para aqueles que pesam 75 quilogramas e sobre.

Comparado com os pacientes Caucasianos, os pacientes Afro-americanos tiveram umas concentrações significativamente mais baixas do plasma de ribavirin nas semanas 1,2, e uns 4, e abaixam significativamente a exposição cumulativa do ribavirin (AUC) durante as primeiras 12 semanas. Eram significativamente menos prováveis alcançar um nível de exposição do ponto inicial durante os primeiros 7 dias.

Totais, 57,8% de pacientes Afro-americanos tiveram uma resposta na semana 24 que era significativamente menos comparados com os 78,1% de pacientes Caucasianos. Similarmente, na semana 72, somente 36,6% mostraram uma resposta viral sustentada comparada com os 54,8% de pacientes Caucasianos.

Interessante, contudo, quando os pacientes encontraram níveis de ponto inicial do ribavirin durante os primeiros 7 dias, não havia nenhuma diferença significativa nas respostas em 24 semanas ou em 72 semanas entre pacientes Afro-americanos e Caucasianos (semana 24: 77 contra 84%; semana 72: 52 contra 60%).

Ao Redor 50% da disparidade racial vista nas respostas ao ribavirin é provavelmente devido a um único polimorfismo do nucleotide perto do locus do gene de IL28B, explicam os autores.

“O estudo actual mostra-os que a variabilidade no ribavirin AUC0-7 [AUC durante dias 0-7] pode explicar muita da diferença restante entre Afro-Americanos e Americanos Caucasianos no peginterferon e a eficácia peso-baseada do tratamento do ribavirin,” diz.

Horwell e os colegas dizem que seu estudo teve um número maior de Afro-americanos do que estudos precedentes e teve a vantagem somente de incluir os pacientes que eram altamente aderentes a sua terapia.

“Os estudos Futuros devem determinar a importância da variabilidade farmacocinético do ribavirin às disparidades raciais em respostas do tratamento aos inibidores de protease HCVNS3 e outros tratamentos antivirosos a acção directa para HCV,” concluem no Jornal Americano da Gastroenterologia.

Licensed from medwireNews with permission from Springer Healthcare Ltd. ©Springer Healthcare Ltd. All rights reserved. Neither of these parties endorse or recommend any commercial products, services, or equipment.

Read in | English | Español | Français | Deutsch | Português | Italiano | 日本語 | 한국어 | 简体中文 | 繁體中文 | Nederlands | Русский | Svenska | Polski