ADN do autismo e da sucata

A desordem do espectro do autismo (ASD) é um conjunto de doenças neurodevelopmental em que as mudanças genéticas jogam uma grande divisória. Afecta aproximadamente 1 em 160 povos e manifesta tipicamente entre um e três anos de idade, com uma comunicação complexa e deficits interpessoais da interacção que conduzem às dificuldades dentro em relação ao mundo.

O autismo é categorizado em dois subgrupos aqueles que têm a não outra desordem associada e aqueles que fazem. Está chamado autismo essencial quando não é associado com nenhuma outra desordem, que estiver encontrada em 75% dos casos e os pacientes restantes têm o tipo syndromic autismo.

Crédito de imagem: Profissional/Shutterstock do ESB
Crédito de imagem: Profissional/Shutterstock do ESB

Diversidade de mutações do ADN

Uma grande variedade de alterações do ADN foi detectada nos pacientes de ASD, que são diferentes do paciente ao paciente. Incluem o aneuploidy ou rearranjos estruturais dos cromossomas detectados por mutações genéticas karyotyping, únicas e por desordens genomic. As únicas mutações genéticas incluem as únicas variações do nucleotide (SNV) e os únicos polimorfismo do nucleotide (SNPS), que são mutações de genes raros e de variações comuns, respectivamente. São detectados pelo gene que arranja em seqüência técnicas. As desordens Genomic incluem as variações do número de cópia (CNVs) e as variações estruturais (SVs) que exigem perfilamento genomic avançado tal como arranjar em seqüência e microarrays da próxima geração. Estas são as desordens genéticas as mais comuns associadas com o autismo, encontraram em 10-35% dos casos. As variações genéticas de Syndromic esclarecem aproximadamente 10%.

Nenhuma desordem do gene associada com o ASD foi encontrada dentro sobre 1% de indivíduos afetados, assim que significa que isso em qualquer lugar 300 a 1000 genes estiveram ligados a esta desordem. Sobre um terço de ASD é devido às mutações de novo, mas o risco restante é explicado agora pelo menos parcialmente pela ocorrência de variações herdadas raras em noncoding seqüências do ADN.

Variações do ADN de Noncoding

Um encontrar de intriga da pesquisa actual é que a parte noncoding do ADN, conhecida como o ADN da sucata, contribui à doença pelas mutações que alteram o regulamento da transcrição de segmentos de codificação. Já sabe-se que as mudanças epigenéticas tais como o methylation do ADN ocorrem com alterações ambientais e transferem assim a influência do ambiente de uma pessoa à prole em uma maneira hereditária, conhecida como o epigenetics do transgenerational. Todo o estas podem bem ser parte do processo da doença no autismo.
Além do que mutações dos genes, a herança das mudanças em noncoding o ADN ou o ADN da sucata é igualmente um actor importante neste jogo. Quase 98% do ADN nos seres humanos noncoding aparentemente, mas é longe de inútil porque compreende dos elementos reguladores que comutam os genes de ligar/desligar, regula a transcrição e pode ter numeroso outros papéis também.

Estas variações noncoding do ADN podem ser sob a forma das duplicações ou dos supressões. Não alteram a função dos genes nem não fazem elas mudam a estrutura do gene. O que resulta dentro é um rompimento dos vários elementos de controle que são responsáveis para o regulamento da transcrição do gene, igualmente chamado elementos cis-reguladores ou CREs. São ainda mais interessantes porque ao contrário das mutações de novo responsáveis para um terço do autismo, e que ocorrem nos genes da codificação que compreendem 2% do genoma, estes são herdados dos pais e ocorrem no 98% permanecendo do ADN.

Importância de genes da Pai--Origem

Uma descoberta nova nesta área é que as mutações em noncoding as seqüências do ADN que aumentam o risco de autismo estiveram herdadas dos pais, quando as mutações genéticas que o risco do autismo está encontrado confer em seqüências materna herdadas. Assim o pai e a matriz contribuem em maneiras diferentes à revelação do autismo na prole.

Estes resultados são derivados da análise genomic em mais de 9000 assuntos seleccionados de 2600 famílias. Muitas equipes foram envolvidas, incluindo a universidade de San Diego, laboratórios privados em San Diego, e outros projectos arranjando em seqüência genomic. Arranjar em seqüência e análise do ADN são feitas agora usando os super-computadores, seguidos pela análise do SVs que interrompem CREs (CRE-SVs).

Comparando genomas dentro das famílias, estas o CRE-SVs passado para baixo dos pais é encontrado para ser envolvido na patogénese de ASD. Surpreendentemente, estão herdados na maior parte dos pais, quando as mutações genéticas que estão envolvidas na etiologia do autismo envolverem genes da origem materna. Isto podia possivelmente ser explicado se codificando variações é diferente em seus efeitos das variações noncoding. A natureza mais fraca das mudanças em variações noncoding podia conduzir a sua melhor tolerância do que os efeitos mais fortes devido a codificar variações. Além disso, a biologia masculina e fêmea pode ser alinhada diferentemente, conduzindo para melhorar a tolerância destas variações em homens ou em fêmeas. Esta pôde ser uma razão pela qual as mutações do ADN da sucata são sensíveis ao pai da origem em induzir o autismo.

Conclusão

Embora a pesquisa fosse desafiada pela complexidade das caros variações genéticas associadas com o ASD, com as variações somente que estão sendo compartilhadas em uma proporção muito pequena de pacientes, umas revelações mais recentes mostraram a promessa de mais continuidade entre sofredores de ASD. Isto inclui as mutações de novo, que são comuns em um terço de casos de ASD e mais recentemente na descoberta da associação das mutações e de variações herdáveis no ADN da sucata.

Fontes

Further Reading

Last Updated: Oct 22, 2018

Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2018, October 22). ADN do autismo e da sucata. News-Medical. Retrieved on December 13, 2019 from https://www.news-medical.net/health/Autism-and-Junk-DNA.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "ADN do autismo e da sucata". News-Medical. 13 December 2019. <https://www.news-medical.net/health/Autism-and-Junk-DNA.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "ADN do autismo e da sucata". News-Medical. https://www.news-medical.net/health/Autism-and-Junk-DNA.aspx. (accessed December 13, 2019).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2018. ADN do autismo e da sucata. News-Medical, viewed 13 December 2019, https://www.news-medical.net/health/Autism-and-Junk-DNA.aspx.

Comments

The opinions expressed here are the views of the writer and do not necessarily reflect the views and opinions of News-Medical.Net.
Post a new comment
Post