Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Anomalias congenitais do útero

As anomalias congenitais do útero são os defeitos da revelação uterina e da forma que ocorrem durante a vida intra-uterino. Sua predominância é calculada para incumbir menos de 5%, mas um quarto das mulheres que tiveram aborto ou entregas prematuras ter tais defeitos.

Crédito: sciencepics/Shutterstock.com

Revelação do útero

Os órgãos fêmeas tornam-se dos canais de Mullerian, que são uns pares de órgãos encontrados cedo na vida intra-uterino. Cada um causa a metade do útero e de uma câmara de ar de Falopio, que fusível mais atrasado junto para formar um órgão com as câmaras de ar de Falopio emparelhadas. A interrupção deste curso de eventos normal conduz à revelação e aos defeitos uterinas anormais no útero maduro.

Tipos

Os defeitos da revelação uterina podem incluir:

  • Útero septado: o útero olha completamente normal na parte externa mas é separado aqui no interior em duas metades diferentes, por um septo do tamanho e da espessura de variação. Assim há duas cavidades endometrial. É por muito o mais comum de anomalias diagnosticadas, compo 45% das caixas.
  • Bicorne: neste tipo, o útero tem um recorte ou um sulco externo que marcam sua divisão internamente em duas cavidades endometrial. As duas metades do útero podem parecer separadas quase completamente exceto na divisória mais baixa. Compo aproximadamente 25% de tais anomalias.
  • Útero arqueado: aqui, o normal dos olhares do útero mas a superfície interna da única cavidade endometrial mostra um sulco raso de 1 cm ou de menos - 7% de tais anomalias
  • Unicornuate: aqui somente a metade do útero torna-se, de um único canal de Mullerian (15%)
  • Didelphys do útero: este é um tipo de anomalia em que as duas metades do útero desenvolvem completamente separado (7,5%)
  • Agenesia uterina: o útero não forma de todo em aproximadamente 10% das mulheres com anomalias uterinas

Entre estes, as anomalias uterinas septadas e bicornes são as mais comuns. O útero arqueado não tem um impacto clínico significativo e é considerado para ser uma variação do normal.

Ovarian Abnormalities Followed With Serial Transvaginal Ultrasonography

Causas

A maioria de anomalias uterinas ocorrem devido às razões desconhecidas. Em mais de 90% dos casos, do karyotype ou do teste padrão do cromossoma é normal. Historicamente, o uso do diethylstilbestrol (DES), um analogue da hormona estrogénica, foi prescrito a muitas mulheres nas décadas entre 1940 e 1971, como uma medida preventiva para o aborto e a entrega prematura.

Contudo, encontrou-se para conduzir a uma geração de mulheres que estavam no risco aumentado para anomalias uterinas, devido a sua exposição ao DES, quando ainda no ventre. A não ser isto, contudo, nenhum factor de risco estabelecido tem sido identificado até agora, nem todas as medidas preventivas.

Características clínicas

A maioria de mulheres com anomalias uterinas não estão cientes de nenhum defeito porque sua fisiologia fêmea é tipicamente não afectada. Na maioria dos casos, a fertilidade é não enfraquecida. Em alguns casos, o dysmenorrhea ou os períodos dolorosos podem ser um sintoma, embora este é muito não específico.

Em mulheres inférteis, estas anomalias são pegaradas durante o workup rotineiro. Em algumas mulheres os defeitos renais estão igualmente actuais, com a agenesia renal (ausência de um rim) que é a anomalia associada a mais comum, seguida pela ectopia renal fundida cruzada e pelo rim frente e verso.

Diagnóstico e tratamento

Quando uma história do aborto ou da infertilidade repetida puder causar uma suspeita de anomalias uterinas congenitais, estão confirmados somente por estudos da imagem lactente, tais como um hysterosalpingogram ou uma exploração com ultra-som ou MRI. a imagem lactente 3D transvaginal coronal é os meios os mais exactos do diagnóstico do ultra-som, quando executada ao meio secretory ou segundo do ciclo mensal. MRI pode ser preferido como não invasor e exacto.

O reparo ou a reconstrução cirúrgica são o único formulário do tratamento para tais mulheres, desde que o defeito é severo bastante causar a obstrução do intervalo reprodutivo, associada em muitos casos com a infertilidade ou os aborto.

Os úteros septados são reparados o mais geralmente para melhorar as possibilidades de ter um bebê, mas os outros tipos são deixados geralmente sozinhos. Em alguns casos, quando a obstrução do intervalo genital fêmea esta presente, a correcção cirúrgica pode conduzir à infertilidade permanente, e assim que a mulher deve ser dita o que a esperar de antemão.

Fontes

  1. https://www.columbiadoctors.org/condition/uterine-anomaly
  2. https://www.northwell.edu/find-care/services-we-offer/obstetrics-and-gynecology/conditions/congenital-anomalies
  3. http://www.brighamandwomens.org/Departments_and_Services/obgyn/services/infertility-reproductive-surgery/congenital-anomalies/uterine-anomalies.aspx
  4. https://radiopaedia.org/articles/mullerian-duct-anomalies

Further Reading

Last Updated: May 23, 2019

Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2019, May 23). Anomalias congenitais do útero. News-Medical. Retrieved on September 21, 2021 from https://www.news-medical.net/health/Congenital-anomalies-of-the-uterus.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "Anomalias congenitais do útero". News-Medical. 21 September 2021. <https://www.news-medical.net/health/Congenital-anomalies-of-the-uterus.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "Anomalias congenitais do útero". News-Medical. https://www.news-medical.net/health/Congenital-anomalies-of-the-uterus.aspx. (accessed September 21, 2021).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2019. Anomalias congenitais do útero. News-Medical, viewed 21 September 2021, https://www.news-medical.net/health/Congenital-anomalies-of-the-uterus.aspx.

Comments

  1. DES Daughter DES Daughter United Kingdom says:

    On top of what you said:
    - DES exposure also had detrimental effects on males (sons) in regards to higher cancer risk, decrease fertility, gender identity, psychological health, and more.
    - Regarding females (daughters), DES did more damage than "uterine anomalies"... the list of side effects in endless and include auto-immunity deficiency, bones issues, cardiac, etc. etc.
    - Important to realise DES also affects today's generations (3rd generation of victims). Sometimes less (DES grandaughters risk for breast cancer seems to be much lower than compared to DES daughters), sometimes more (DES grandsons risk for hyspospadias is doubled - 8% - compared to DES sons).
    - Oh, and DES was never effective for what it was marketed as such ; it did not prevent miscarriage. Actually it was the opposite, some studies showed DES increased the risk for early deliveries, preterm birth. Guess what : it became used as an abortion pill... and is still used for that purpose in some remote countries... Looks like pharma will not miss any opportunity to sell their products...

    Many thanks for mentioning DES in your article. It is important for doctors and the general public to realise DES is not a tragedy of the past, but still affecting young people today.

The opinions expressed here are the views of the writer and do not necessarily reflect the views and opinions of News Medical.