Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Efeitos de uma dieta sem glúten no intestino Microbiota

Faixa clara a:

Sem glúten. Crédito de imagem: Baibaz/Shutterstock
Sem glúten. Crédito de imagem: Baibaz/Shutterstock

Por que uma dieta sem glúten?

O glúten é uma proteína encontrada nas grões tais como o trigo, a cevada, e o centeio, e é compreendido das gliadina. Para alguns povos, comendo os alimentos que contêm o glúten pode causar os problemas digestivos devido às desordens glúten-relacionadas.

as desordens Glúten-relacionadas podem variar de suave a severo nos sintomas, e incluem a doença celíaca e a sensibilidade de glúten não-celíaca.

Para os pacientes que sofrem com desordens glúten-relacionadas, é necessário colar a uma dieta sem glúten. Mais recentemente, os povos que não sofrem das desordens glúten-relacionadas começaram adotar uma dieta sem glúten como parte de uma escolha do estilo de vida.

A popularidade de aumentação de dietas sem glúten como uma escolha do estilo de vida significa que ultrapassam os povos do número que devem comer uma dieta sem glúten para sua desordem glúten-relacionada.

Como uma dieta sem glúten afecta o Microbiota?

O microbiota do intestino consiste nos micro-organismos numerosos que vivem em nosso intestino. Mostrou-se que o microbiota do intestino é chave a proteger nosso intestino contra os micróbios patogénicos, e que tem a capacidade para fazer e regular as moléculas que vão no sangue.

Microbiome intestinal, ilustração 3D mostrando a anatomia do sistema digestivo humano e das bactérias entéricos Escherichia Coli, Escherichia Coli, jejunum de colonização, íleo, outras peças do intestino. Flora normal do intestino - crédito da ilustração: Kateryna Kon/Shutterstock
Microbiome intestinal, ilustração 3D mostrando a anatomia do sistema digestivo humano e das bactérias entéricos Escherichia Coli, Escherichia Coli, jejunum de colonização, íleo, outras peças do intestino. Flora normal do intestino - crédito da ilustração: Kateryna Kon/Shutterstock

Também, o microbiota tem a capacidade para processar moléculas que o anfitrião não tem a capacidade processar. Por exemplo, o microbiota pode metabolizar os hidratos de carbono que o anfitrião não pode digerir, e produz as vitaminas que o anfitrião não pode.

É influenciado pesadamente pela dieta, conseqüentemente houve uns vários estudos feitos para investigar como uma dieta sem glúten afecta o microbiota do intestino.

Bonder e co. investigou o efeito de uma dieta sem glúten a curto prazo no microbiota. Para este estudo, os autores recrutaram 21 voluntários adultos que não sofreram das desordens glúten-relacionadas sintomáticos, e seguido lhes com 4 semanas em uma dieta sem glúten, 5 semanas em um “esmaecimento” dieta e umas 4 semanas mais adicionais dieta habitual nos indivíduos'.

As amostras fecais estiveram recolhidas dos voluntários antes que a dieta sem glúten, a seguir semanalmente durante a dieta sem glúten e a dieta habitual. O ADN foi extraído então das amostras de tamborete, e a seqüência do rRNA 16S foi determinada considerar a composição bacteriana no microbiome.

Os autores encontraram que quando não havia nenhuma diferença na diversidade total do microbiome de voluntários individuais, determinada espécie mudou em abundância em uma dieta sem glúten. Isto incluiu reduções na família de Veillonellaceae, o bromii de Ruminococcus e os faecis de Roseburia, e os aumentos em famílias de Victivallaceae, de Clostridiaceae e de Coriobacteriaceae. A maioria destas espécies são sabidas para jogar um papel no metabolismo do amido.

Em um outro estudo, por de Palma e por co., 10 voluntários sem desordens glúten-relacionadas sintomáticos foram recrutados, e sobre um mês sua dieta foi mudada a sem glúten. Quando o microbiota fecal foi analisado por uma combinação das técnicas, mostrou que o número de bactérias benéficas (Bifidobacterium, lactobacilo) diminuiu quando os números de bactérias potencial patogénicos (Enterobaceriaceae, Escherichia Coli) aumentaram.

No caso dos pacientes com doença celíaca, mostrou-se que seu microbiota está alterado: há uma diminuição na espécie protectora e em um aumento na espécie que poderia se tornar patogénico.

Os estudos da inicial mostraram que o desequilíbrio no microbiota de pacientes celíacos estêve desequilibrado ainda um tanto após 2 anos em uma dieta sem glúten. Isto foi observado no número reduzido de bactérias potencial patogénicos, tais como a espécie de Escherichia Coli e de estafilococo, quando o número de espécie protectora tal como Bifidobacterium e lactobacilo foi reduzido ainda.

Isto foi apoiado por outros estudos, que mostraram uma redução na outra espécie protectora tal como o enterococus, e por um aumento na outra espécie potencial patogénico tal como a família do bacteróide, das salmonelas, do Shigella, do Klebsiella e dos Enterobacteriaceae. Estas mudanças podiam igualmente influenciar a inflamação no intestino.

Totais, estes estudos mostram que o dysbiosis do microbiota do intestino visto em pacientes da doença celíaca não está invertido inteiramente pela adopção de uma dieta sem glúten.

Em conclusão, estes estudos mostram que uma dieta sem glúten pode causar mudanças no microbiota do intestino, e que esta poderia potencial ser prejudicial.

Que são as dificuldades em estudar o Microbiota?

Quando houver uns resultados consistentes destes estudos, há algumas limitações. Uma limitação é que há muitas maneiras de estudar o microbiota, variando dos métodos cultura-baseados aos métodos arranjar em seqüência-baseados ADN.

Cada técnica tem suas próprias vantagens e desvantagens, e é difícil saber se as diferenças entre estas técnicas podem ser esclarecidas.

Uma outra limitação é a classificação da espécie no microbiota: pensa-se tradicional que as bactérias que pertencem à mesma espécie têm seqüências altamente similares do ADN, mas este não é sempre o caso.

Também, as seqüências similares do rRNA 16S do grupo de alguns estudos “em unidades taxonomic operacionais” (OTUs) basearam na similaridade, mas nas estas saídas podem ser compo das espécies que não são relacionadas de todo.

Deve-se igualmente notar que os genes podem passar facilmente entre as bactérias, conseqüentemente este poderia criar as espécies que são difíceis classificar devido à presença de genes que originam da outra espécie.

Fontes

Further Reading

Last Updated: Sep 25, 2019

Dr. Maho Yokoyama

Written by

Dr. Maho Yokoyama

Dr. Maho Yokoyama is a researcher and science writer. She was awarded her Ph.D. from the University of Bath, UK, following a thesis in the field of Microbiology, where she applied functional genomics to Staphylococcus aureus . During her doctoral studies, Maho collaborated with other academics on several papers and even published some of her own work in peer-reviewed scientific journals. She also presented her work at academic conferences around the world.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Yokoyama, Maho. (2019, September 25). Efeitos de uma dieta sem glúten no intestino Microbiota. News-Medical. Retrieved on March 04, 2021 from https://www.news-medical.net/health/Effects-of-a-Gluten-Free-Diet-on-the-Gut-Microbiota.aspx.

  • MLA

    Yokoyama, Maho. "Efeitos de uma dieta sem glúten no intestino Microbiota". News-Medical. 04 March 2021. <https://www.news-medical.net/health/Effects-of-a-Gluten-Free-Diet-on-the-Gut-Microbiota.aspx>.

  • Chicago

    Yokoyama, Maho. "Efeitos de uma dieta sem glúten no intestino Microbiota". News-Medical. https://www.news-medical.net/health/Effects-of-a-Gluten-Free-Diet-on-the-Gut-Microbiota.aspx. (accessed March 04, 2021).

  • Harvard

    Yokoyama, Maho. 2019. Efeitos de uma dieta sem glúten no intestino Microbiota. News-Medical, viewed 04 March 2021, https://www.news-medical.net/health/Effects-of-a-Gluten-Free-Diet-on-the-Gut-Microbiota.aspx.

Comments

  1. Yvonne Weeks Yvonne Weeks United States says:

    The studies cited prove more that gluten free diet foods cause dysbiosis then they prove gluten free diets do. Not to mention the small sample sizes are hardly conclusive.
    How about some studies where the participants eat real food and not processed GF junk food, which by the way isn't even wholly GF as per the FDA allowing 9PPM and Spain allows 20PPM of gluten in GF foods.
    How about a study that looks at replacing the PREbiotic fiber that is given up when patients go GF since gluten containing foods are the primary source of prebiotics in the Standard American Diet.  Or gluten free diets that focus on nutrient density instead of replacing processed junk with processed junk.
    The right kinds of studies matter, and these are not focusing on the right questions if you want to prove that gluten free is the actually problem versus the Gluten free diet choices most people adopt. I propose that a study that compares GF diets that have a focus on healthy, nutrient dense,  and foods with proper prebiotics against a diet of GF substitution foods would come up with vastly different results to the microbiome. I don't think the same species would be lacking in a healthy diet that focuses on replacing the prebiotics that gluten containing foods provide.

The opinions expressed here are the views of the writer and do not necessarily reflect the views and opinions of News Medical.