Predominância da infertilidade

A infertilidade é o termo usado para descrever a falha de um par conceber, apesar do contrato na ligação regular e desprotegida por um ano. As influências do problema em torno de uma em sete pares no Reino Unido, que traduz como aproximadamente 3,5 milhões de pessoas.

Para cada 100 pares que tentam obter naturalmente grávidos, 84 terão conseguido a concepção dentro de um ano, 92 dentro de dois anos e 93 dentro de três anos. Algumas mulheres concebem rapidamente, quando outro puderem tomar mais por muito tempo mas geralmente, uma visita ao GP são recomendadas se uma mulher não conseguiu a gravidez após um ano de tentativa. As mulheres mais idosas de 36 ou aqueles com razão acreditar podem ter edições da fertilidade podem querer visitar mais logo seu GP do que este.

A infertilidade pode ser causada por vários problemas diferentes e às vezes não é possível estabelecer a causa. Pode haver uma única causa no sócio ou em uma combinação de problemas que podem impedir a concepção que ocorre ou em uma continuação da gravidez. Os homens e as mulheres podem ter um problema com sua fertilidade, que é o caso em aproximadamente 20% de pares inférteis. Em ao redor 15% dos casos, nenhuma causa da infertilidade é identificada em um ou outro sócio e esta é referida como a infertilidade “inexplicado”.

Contudo, quando as causas são identificadas entre mulheres, incluem o mais geralmente a ovulação irregular, endometriose e as câmaras de ar de Falopio obstruídas, quando entre homens, a causa a mais comum forem desordens do esperma.

A infertilidade é um problema comum. Nos E.U., 10 a 15% dos pares são inférteis. Contudo, a infertilidade não é a mesma que a esterilidade, onde não há nenhuma possibilidade de concepção. Até 15% dos pares pode ser inférteis, mas somente 1 a 2% daqueles é estéreis e 50% dos pares inférteis que procuram a ajuda, concebem eventualmente, naturalmente ou com auxílio médico.

Estão abaixo as avaliações calculadas da avaliação nacional do crescimento da família, que usou os dados recolhidos desde 2006 até 2010 para calcular a predominância da infertilidade nos E.U.

  • O número de mulheres envelhecidas 15 a 44 anos com uma capacidade danificada para conceber ou levar um bebê para denominar (fecundidade) é 6,7 milhões, que traduza como 10,9%.
  • O número de mulheres casadas envelheceu 15 a 44 anos que é infértil é 1,5 milhões, ou 6,0%.
  • O número de mulheres envelheceu 15 a 55 anos que usou serviços da infertilidade a dada altura de suas vidas é 7,4 milhões.

Uma análise conduzida pela Organização Mundial de Saúde (WHO) que olhou 277 avaliações demográficas da saúde em 190 países, mostrou que os níveis e as tendências calculados da infertilidade carregam permaneceram similares entre 1990 e 2010. Para o estudo, a infertilidade foi definida como nenhum nascimento após cinco anos de tentativa obter grávida, que difere da definição clínica da falha conceber após um ano. Esta definição foi escolhida de modo que a predominância da infertilidade pudesse ser calculada das centenas de avaliações, que informação incluída no estado dos pares, nos nascimentos, no uso contraceptivo e nas preferências da fertilidade.

Os cálculos mostraram aquele em 2010, 48,5 milhão pares eram global incapazes de ter uma criança. Das mulheres envelhecidas entre 20 e 44 quem quiseram uma criança, 1,9% não tinham podido ter sua primeira criança após cinco anos de tentativa e 10,5% das mulheres que tinham dado previamente nascimento não tinham podido ter um outro bebê após a mesma duração. Isto diminuições representadas de apenas 0,1% e de 0,4%, desde 1990, respectivamente, que os pesquisadores disseram mostras pouca evidência das mudanças na fertilidade sobre as duas décadas.

Uma exceção a esta tendência total foi observada em África subsariana, aonde as taxas de infertilidade deixaram cair significativamente. Autor principal do papel Gretchen Stevens, sugerido que isto possa ter sido devido a uma diminuição nas taxas de doenças de transmissão sexual que podem conduzir à infertilidade, assim como de melhorias no cuidado obstétrico.

Fontes

Further Reading

Last Updated: Aug 23, 2018

Sally Robertson

Written by

Sally Robertson

Sally has a Bachelor's Degree in Biomedical Sciences (B.Sc.). She is a specialist in reviewing and summarising the latest findings across all areas of medicine covered in major, high-impact, world-leading international medical journals, international press conferences and bulletins from governmental agencies and regulatory bodies. At News-Medical, Sally generates daily news features, life science articles and interview coverage.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Robertson, Sally. (2018, August 23). Predominância da infertilidade. News-Medical. Retrieved on November 22, 2019 from https://www.news-medical.net/health/Infertility-Prevalence.aspx.

  • MLA

    Robertson, Sally. "Predominância da infertilidade". News-Medical. 22 November 2019. <https://www.news-medical.net/health/Infertility-Prevalence.aspx>.

  • Chicago

    Robertson, Sally. "Predominância da infertilidade". News-Medical. https://www.news-medical.net/health/Infertility-Prevalence.aspx. (accessed November 22, 2019).

  • Harvard

    Robertson, Sally. 2018. Predominância da infertilidade. News-Medical, viewed 22 November 2019, https://www.news-medical.net/health/Infertility-Prevalence.aspx.

Comments

The opinions expressed here are the views of the writer and do not necessarily reflect the views and opinions of News-Medical.Net.
Post a new comment
Post