Classificação internacional da maré baixa Vesicoureteral

A maré baixa Vesicoureteral (VUR), a patologia a mais comum do aparelho urinário nas crianças, é um termo que denote o fluxo inverso da urina da bexiga aos uréter. Pode ser preliminar ou secundária, segundo se a circunstância ocorre na presença de um aparelho urinário normal ou disfuncional, respectivamente.

Os sinais e os sintomas podem variar baseado na idade da criança, mas incluem a falha prosperar, a irritabilidade aumentada, a anorexia, a letargia, o vômito, a diarreia, a febre, a dor abdominal vaga e os sintomas da infecção de aparelho urinário (UTIs).

As considerações da gestão incluem a fiscalização, a terapia médica e a cirurgia. Ou destes aproxima-se, ou uma combinação dos três, pode ser optada para, mas a circunstância deve primeiramente ser diagnosticada usando testes de diagnóstico adequados de antemão. O diagnóstico envolve o emprego das análises laboratoriais, que incluem a análise de urina para identificar os micro-organismos responsáveis para o UTI. Isto é ajudado mais por estudos da imagem lactente para detectar anomalias estruturais sendo a base, e por investigações urodynamic para verificar a funcionalidade do sistema urinário. O tratamento varia segundo a severidade do VUR, que é classificado em 5 categorias distintas com a ajuda de um cystourethrogram de anulação (VCUG).

Anulando Cystourethrogram

VCUG é a modalidade diagnóstica padrão usada para a classificação de VUR, porque permite que um obtenha um esboço anatômico fino do sistema urinário. É um procedimento não invasor que empregue o uso de raios X fluoroscopic junto com o material do contraste produzir uma imagem da bexiga e do aparelho urinário. Os raios X fluoroscopic tornam possível considerar a bexiga no movimento no tempo real. O exame inteiro toma até meias horas, pode ser executado em uma clínica de paciente não hospitalizado e é mais ou menos indolor. Contudo, algumas crianças podem compreensìvel ser assustado do processo e precisar a confiança restabelecida.

A bexiga catheterized e o contraste é introduzido através do mesmo cateter. Uma vez que a bexiga está completa, o paciente, quando posicionado sobre a plataforma do raio X, urinará em um recipiente colocado convenientemente próximo. A selecção Fluoroscopic é usada para monitorar o enchimento da bexiga e o esvaziamento, que é por meio dos raios X tomados durante todo este processo. A atenção particular é pagada a mesmo se há um fluxo retrógrado do material do contraste da bexiga aos uréter.

Classificação de VUR

VUR é classificado numa escala de 1 - 5, com os 5 que são o mais severo.

  • Em VCUG, os pacientes estão classificados como tendo a categoria 1 VUR se há uns vários graus de dilatação dos uréter, mas a maré baixa não alcançou nem não afecta a pelve renal.
  • Os pacientes com categoria 2 VUR têm a maré baixa que afecta a pelve renal, mas não há nenhuma dilatação dentro do sistema de coleta e os fórnices são normais.
  • Presentes da categoria 3 VUR com o suave para moderar a dilatação do sistema de coleta com normal ou os fórnices mìnima blunted.
  • Dilatação moderado do sistema de coleta das exibições da categoria 4 VUR e tortuosity ureteric com fórnices sem corte, mas impressões papillary visíveis.
  • Com categoria 5 VUR, há uma dilatação severa do sistema de coleta junto com o desaparecimento de impressões e da maré baixa papillary no tecido intraparenchymal. Além disso, há um grande tortuosity ureteric.

Referências

Further Reading

Last Updated: Feb 27, 2019

Dr. Damien Jonas Wilson

Written by

Dr. Damien Jonas Wilson

Dr. Damien Jonas Wilson is a medical doctor from St. Martin in the Carribean. He was awarded his Medical Degree (MD) from the University of Zagreb Teaching Hospital. His training in general medicine and surgery compliments his degree in biomolecular engineering (BASc.Eng.) from Utrecht, the Netherlands. During this degree, he completed a dissertation in the field of oncology at the Harvard Medical School/ Massachusetts General Hospital. Dr. Wilson currently works in the UK as a medical practitioner.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Wilson, Damien Jonas. (2019, February 27). Classificação internacional da maré baixa Vesicoureteral. News-Medical. Retrieved on November 15, 2019 from https://www.news-medical.net/health/International-Classification-of-Vesicoureteral-Reflux.aspx.

  • MLA

    Wilson, Damien Jonas. "Classificação internacional da maré baixa Vesicoureteral". News-Medical. 15 November 2019. <https://www.news-medical.net/health/International-Classification-of-Vesicoureteral-Reflux.aspx>.

  • Chicago

    Wilson, Damien Jonas. "Classificação internacional da maré baixa Vesicoureteral". News-Medical. https://www.news-medical.net/health/International-Classification-of-Vesicoureteral-Reflux.aspx. (accessed November 15, 2019).

  • Harvard

    Wilson, Damien Jonas. 2019. Classificação internacional da maré baixa Vesicoureteral. News-Medical, viewed 15 November 2019, https://www.news-medical.net/health/International-Classification-of-Vesicoureteral-Reflux.aspx.

Comments

The opinions expressed here are the views of the writer and do not necessarily reflect the views and opinions of News-Medical.Net.
Post a new comment
Post