Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Incontinência urinária nas mulheres

As mulheres são muito mais prováveis ser afectadas pela incontinência urinária do que homens, que é o resultado de vários factores. A anatomia do sistema urinário fêmea, por exemplo, fá-los mais suscetíveis aos problemas com a excreção da urina, além do que os eventos de vida particulares que afectam somente mulheres, tais como o parto.

Crédito de imagem: GBALLGIGGSPHOTO/Shutterstock.com

Os tipos os mais comuns de incontinência para mulheres são esforço e incitam a incontinência, em conseqüência dos factores causais que são relevantes para mulheres.

Epidemiologia

A incontinência urinária tende a ser uma circunstância que sob-seja relatada, porque é uma condição potencial embaraçoso para procurar a ajuda para. Além disso, muitas mulheres experimentam os sintomas suaves que não inibem sua qualidade de vida significativamente. Em conseqüência, os dados epidemiológicos na circunstância variam consideravelmente, e é, conseqüentemente, difícil determinar a predominância real.

Contudo, as avaliações da corrente indicam que aquela entre 15% e 50% das mulheres de todas as idades está pensada para experimentar sintomas da incontinência urinária. Uns sintomas mais severos, tais como a perda de uma grande quantidade de urina ou em uma base mais freqüente, afectam aproximadamente 1 em 10 de todas as mulheres.

Enquanto as mulheres envelhecem, a predominância da circunstância aumenta e mais mulheres relatam sintomas da incontinência. Isto é provável resultar de diversos factores, como após o parto e o envelhecimento geral do corpo e do sistema urinário.

O sistema urinário fêmea

Uma das razões predominantes que as fêmeas são mais suscetíveis à incontinência urinária é o posicionamento anatômico dos órgãos da urina. Da nota particular, os uréter, que levam a urina da bexiga ao uréter a ser excretado, são muito mais curtos de comprimento do que os uréter masculinos. Em conseqüência, há menos oportunidade para os músculos na área de contratar e parar o fluxo da urina.

Mulheres e incontinência de esforço

A incontinência de esforço envolve o escapamento involuntário da urina em conseqüência das actividades que põem o esforço sobre a bexiga. O riso repentino ou tossir, assim como exercício intenso ou levantamento pesado, podem conduzir ao escapamento inesperado da urina em quantidades de variação.

Isto é frequentemente devido ao enfraquecimento do esfíncter ou dos músculos pélvicos do assoalho que são necessários controlar o fluxo da urina. As mulheres são mais suscetíveis a este tipo de incontinência devido à anatomia de seus sistema urinário e eventos de vida particulares, tais como o parto, que conduzem ao enfraquecimento dos músculos.

Mulheres e incontinência do impuso

A incontinência do impuso envolve a necessidade repentina e imparável de urinar. Frequentemente, as mulheres afetadas pela circunstância não têm bastante tempo para alcançar um banheiro para urinar.

Mais mulheres são afectadas pela continência do impuso do que homens, que é provavelmente devido às circunstâncias específicas que são prováveis causar a incontinência do impuso, incluindo uma bexiga overactive e uma infecção de aparelho urinário (UTI) que possam causar a circunstância. UTIs, em particular, ocorre muito mais comumente nas mulheres do que nos homens e esclarece provavelmente a predominância mais alta da incontinência do impuso.

Gravidez e parto

A gravidez é uma condição que seja original ao género fêmea, com o processo de parto conhecido para ter um efeito adverso na capacidade para passar a urina. Isto é devido à tensão nos músculos do assoalho pélvico durante o parto, que pode se enfraquecer significativamente durante o período após o parto.

Os músculos pélvicos do assoalho jogam um papel importante no controle do fluxo da urina e podem parar o fluxo ou a urina a meio da micção. Se estes músculos são enfraquecidos, como durante o parto, os efeitos podem ser evidentes com sintomas da deficiência orgânica sexual e da incontinência urinária.

Referências

Further Reading

Last Updated: Apr 21, 2021

Yolanda Smith

Written by

Yolanda Smith

Yolanda graduated with a Bachelor of Pharmacy at the University of South Australia and has experience working in both Australia and Italy. She is passionate about how medicine, diet and lifestyle affect our health and enjoys helping people understand this. In her spare time she loves to explore the world and learn about new cultures and languages.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Smith, Yolanda. (2021, April 21). Incontinência urinária nas mulheres. News-Medical. Retrieved on July 24, 2021 from https://www.news-medical.net/health/Urinary-Incontinence-in-Women.aspx.

  • MLA

    Smith, Yolanda. "Incontinência urinária nas mulheres". News-Medical. 24 July 2021. <https://www.news-medical.net/health/Urinary-Incontinence-in-Women.aspx>.

  • Chicago

    Smith, Yolanda. "Incontinência urinária nas mulheres". News-Medical. https://www.news-medical.net/health/Urinary-Incontinence-in-Women.aspx. (accessed July 24, 2021).

  • Harvard

    Smith, Yolanda. 2021. Incontinência urinária nas mulheres. News-Medical, viewed 24 July 2021, https://www.news-medical.net/health/Urinary-Incontinence-in-Women.aspx.

Comments

The opinions expressed here are the views of the writer and do not necessarily reflect the views and opinions of News Medical.