Sanger que arranjam em seqüência e arranjar em seqüência da próxima geração comparado

Actualmente, os dois métodos os mais populares de arranjar em seqüência do ADN são Sanger que arranja em seqüência e arranjar em seqüência da próxima geração (NGS). Enquanto NGS alcançou pela maior parte Sanger que arranja em seqüência, está usado ainda pelos pesquisadores hoje devido a suas simplicidade e acessibilidade.

Crédito: ktsdesign/Shutterstock

Arranjar em seqüência de Sanger foi desenvolvido nos anos 70 por Frederick Sanger e era o ADN original que arranja em seqüência o método.

Em arranjar em seqüência de Sanger, corrente-terminando o nucleoside as bases são incorporadas na reacção da réplica do ADN. Isto conduz a uma série de correntes do ADN truncadas em cada par baixo na seqüência. A seqüência é lida então separando estas correntes em um gel de polyacrylamide.

A próxima geração é um método mais novo que possa ser usado para arranjar em seqüência partes muito maiores de ADN, ou mesmo genomas inteiros. É baseada em arranjar em seqüência durante a reacção da síntese do ADN. A reacção é realizada em uma superfície fixa. Cada vez que uma base é adicionada, a informação nova da seqüência está lida. Os milhares de reacções podem ser arranjados em seqüência simultaneamente.

Illumina

A próxima geração dominante que arranja em seqüência a plataforma é Illumina. Foi desenvolvida originalmente pela empresa Solexa baseado em uma tecnologia da disposição, amplificação da ponte, de Pascal Meyer e outro, antes de ser melhorado por cientistas de Solexa. Esta tecnologia foi adquirida por Illumina em 2007.

O método de Illumina tem um conceito similar a arranjar em seqüência de Sanger. Em arranjar em seqüência de Sanger, corrente-terminando os di-deoxynucleosidetriphosphates (ddNTPs) são incorporados em correntes do ADN durante a réplica do ADN usando o ADN do molde e uma primeira demão para começar a reacção.

Em Illumina que arranja em seqüência, os terminais reversíveis são anexados aos deoxynucleosidetriphosphates regulares (dNTPs). O terminal obstrui a extensão da corrente do ADN.

Contudo, os terminais são reversíveis, assim que após o readout, o terminal é removido e uma outra base é adicionada à corrente. O ciclo é repetido então para o comprimento lido completo do fragmento.

Detecção

Em Sanger que arranja em seqüência, as correntes terminadas são separadas em um gel de polyacrylamide. As primeiras demão (dNTPs) são etiquetadas com um isótopo radioactivo, ou, mais comumente, uma etiqueta fluorescente. A seqüência é lida então para fora de uma vez. Com detecção da fluorescência, quatro cores fluorescentes diferentes são usadas para distinguir as bases diferentes.

Para Illumina que arranja em seqüência, a detecção é realizada usando uma etiqueta fluorescente ligou o dNTP. Uma única tintura fluorescente é usada para todas as bases, e cada dNTP é adicionado separada para distingui-las de um outro.

Rendimento da seqüência do ADN

A diferença prática preliminar entre Sanger que arranja em seqüência e arranjar em seqüência da próxima geração é o rendimento de dados da seqüência.

A máquina arranjando em seqüência de Illumina pode produzir até 20 bases mega (Mb) pela hora com um comprimento lido de 100 bases de ambas as extremidades do molde. Arranjar em seqüência de Sanger do gel da laje produz 0,0672 Mb/hr com um comprimento lido de 700 bp.

Custo

O custo relativo de arranjar em seqüência de Sanger é mais alto do que NGS. Arranjar em seqüência de Sanger é calculado aproximadamente $500 por 1000 bases, comparadas a menos de $0,50 por 1000 bases para NGS, de acordo com um estudo 2011.

Quando usar arranjar em seqüência de Sanger

A próxima geração que arranja em seqüência a tecnologia é agora com certeza trabalhos preferidos. Aqueles incluem:

  • arranjando em seqüência mais de 100 genes simultaneamente
  • expandindo o número de alvos para encontrar variações novas
  • amostras com baixas quantidades da entrada de material começar
  • genomas microbianos para o micróbio patogénico que subtyping em situações críticas da manifestação

Arranjar em seqüência de Sanger é ainda uma boa escolha quando:

  • arranjando em seqüência únicos genes
  • Arranjar em seqüência o amplicon visa até 100 pares baixos
  • arranjando em seqüência 96 amostras ou menos
  • identificação dos micróbios
  • analisando fragmentos
  • analisando repetições em tandem curtos (STRs)

Fontes

Further Reading

Last Updated: Feb 26, 2019

Dr. Catherine Shaffer

Written by

Dr. Catherine Shaffer

Catherine Shaffer is a freelance science and health writer from Michigan. She has written for a wide variety of trade and consumer publications on life sciences topics, particularly in the area of drug discovery and development. She holds a Ph.D. in Biological Chemistry and began her career as a laboratory researcher before transitioning to science writing. She also writes and publishes fiction, and in her free time enjoys yoga, biking, and taking care of her pets.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Shaffer, Catherine. (2019, February 26). Sanger que arranjam em seqüência e arranjar em seqüência da próxima geração comparado. News-Medical. Retrieved on November 17, 2019 from https://www.news-medical.net/life-sciences/Sanger-and-next-generation-compared.aspx.

  • MLA

    Shaffer, Catherine. "Sanger que arranjam em seqüência e arranjar em seqüência da próxima geração comparado". News-Medical. 17 November 2019. <https://www.news-medical.net/life-sciences/Sanger-and-next-generation-compared.aspx>.

  • Chicago

    Shaffer, Catherine. "Sanger que arranjam em seqüência e arranjar em seqüência da próxima geração comparado". News-Medical. https://www.news-medical.net/life-sciences/Sanger-and-next-generation-compared.aspx. (accessed November 17, 2019).

  • Harvard

    Shaffer, Catherine. 2019. Sanger que arranjam em seqüência e arranjar em seqüência da próxima geração comparado. News-Medical, viewed 17 November 2019, https://www.news-medical.net/life-sciences/Sanger-and-next-generation-compared.aspx.

Comments

  1. Nick McCooke Nick McCooke United Kingdom says:

    You are incorrect in saying that ‘Illumina NGS’ was developed by David Klenerman at the University of Cambridge. The technology was developed by the company Solexa based on the initial ideas of David Klenerman and Shankar Balasubramanian and others. David and Shankar were founding scientists of Solexa. However the technology actually developed at U. Cambridge, Single Molecule Arrays, did not work and did not find its way into the commercial platform. Instead an array technology, bridge amplification, developed by Pascal Meyer and others in Geneva, with no connection to Cambridge University, and acquired by Solexa, was used in the commercial platform. The sequencing chemistry was invented and developed by Solexa, by Solexa scientists, and not at the University of Cambridge. Implying otherwise is a disservice to the Solexa team.
    Nick McCooke
    Former CEO, Solexa

The opinions expressed here are the views of the writer and do not necessarily reflect the views and opinions of News-Medical.Net.
Post a new comment
Post