Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Método Novo que revolucionará a busca para genes

Os pesquisadores Médicos sabem que a maioria de doenças humanas comuns, tais como a hipertensão e o diabetes, têm um grande componente genético. Muitos genes, interagindo com o ambiente, contribuem a estas doenças. Para pesquisadores, um desafio principal está encontrando todos os genes envolvidos com uma doença particular.

Os Pesquisadores da Faculdade de Medicina Ocidental da Universidade da Reserva do Caso, o Whitehead Institute para a Pesquisa Biomedicável, e a Faculdade de Baylor da Medicina desenvolveram um método novo que acreditassem revolucionassem a busca para estes genes. Em um artigo de investigação novo, relatam que trocando um cromossoma de cada vez nos ratos, podem mais simplesmente, contudo completamente, para detectar os lugar dos genes envolvidos com os problemas médicos complexos. Seu estudo aparece na introdução do 16 de abril da Ciência do jornal.

Com a criação de animais duas tensões do rato, chamadas AJ e B6, substituíram cada cromossoma no B6 com o um de AJ. Seguiram as substituições através das etiquetas moleculars que marcam as extremidades de cada cromossoma. As tensões resultantes são chamadas Tensões de Cromossoma Substituição (CCSs). Desenvolveram 22 CSSs dos ratos, um para cada um dos 21 cromossomas (que incluem os dois cromossomas de sexo), mais uma tensão com mitocôndria substituídas.

Puseram a teoria na prática procurarando os ratos pelos factores genéticos envolvidos com os 53 traços complexos, relativos aos níveis do colesterol/lipido, à obesidade dieta-induzida, à ansiedade e aos ácidos aminados. Mantendo tudo constante exceto um cromossoma, os pesquisadores poderiam então perguntar se havia qualquer coisa nesse cromossoma que causa uma mudança no rato. Se algo mudou, permitiu que os pesquisadores soubessem que pelo menos um gene relativo à doença estêve ficado situado nesse cromossoma.

Para a obesidade dieta-induzida, encontraram 17 lugar comparados com os estudos do passado por outro que identificam somente dois a quatro genes. Nos lipidos (sitosterol e campesterol, ligados com a doença cardíaca), identificaram 20 lugar para genes, comparados com o estudo do passado da por outro encontrando somente três lugar genéticos. Com colesterol, o estudo actual encontrou oito lugar para os genes comparados com os um a quatro lugar em três estudos precedentes por outro.

O CSS permite que estes e outros pesquisadores saibam com que cromossoma para começar sua busca para genes específicos. “Nós tratamos a complexidade com a simplicidade,” diz Joseph Nadeau, Ph.D., um dos autores do papel e presidente do Departamento da Genética nos Hospitais da Faculdade de Medicina e da Universidade do Caso de Cleveland.

Uma Vez Que o lugar do gene é encontrado, os pesquisadores podem olhar nos mapas genéticos criados por Celera, Inc., para encontrar as seqüências do gene, e com a pesquisa precedente de Nadeau, podem encontrar os genes humanos que correspondem aos genes do rato.

“Mais genes que nós conhecemos aproximadamente, mais potenciais os candidatos lá são para que os alvos da droga tratem a doença,” Nadeau diz.

Eric Topol, M.D., presidente do departamento cardiovascular da medicina na Fundação da Clínica de Cleveland e não um autor no papel, diz, “Este é o trabalho fenomenal que terá indubitàvelmente um impacto principal em compreender a fronteira seguinte de traços complexos das doenças- humanas, tais como a obesidade, a síndrome metabólica, ou a doença cardíaca coronária. Com substituição inteira do cromossoma, o Dr. Nadeau e os colegas ajustaram um padrão novo para o uso dos modelos dissecar inteiramente traços e a doença humanos. Este é um do corpo de trabalho o mais importante e o mais impressionante para ter sido feito até agora para desembaraçar os genes que sustenta a doença complexa.”

O laboratório de Nadeau está fazendo os ratos disponíveis a outros laboratórios para a pesquisa como um serviço comunitário. O estudo ocorreu sobre sete anos usando 17.000 ratos. Com o conhecimento ganhado, o tempo pode ser cortado em três anos para produzir as tensões novas, que Nadeau acredita é um intervalo melhor do que outros métodos para descobrir genes complexos da doença. O estudo foi financiado pelos Institutos de Saúde Nacionais.