Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A terapia da Hormona Estrogénica pode ajudar a densidade do osso, a massa do músculo, a função sexual, a memória, e o bem estar psicológico em mulheres pós-menopáusicos

A Pesquisa nos macacos sugere que o uso a longo prazo da terapia da hormona estrogénica possa reduzir níveis de andrógenos - hormonas envolvidas na densidade de manutenção do osso, na massa do músculo, na função sexual, na memória, e no bem estar psicológico em mulheres pós-menopáusicos.

“Nossos resultados sugerem que possa ser importante para as mulheres que tomam a hormona estrogénica depois que menopausa para tomar igualmente os suplementos ao andrógeno - que podem incluir a testosterona,” diga Charles E. Madeira, D.V.M., pesquisador do chumbo, do Centro Médico Baptista da Universidade da Floresta da Vigília. A pesquisa é relatada na introdução actual Do Jornal da Endocrinologia & do Metabolismo Clínicos.

As glândulas ad-renais são a fonte primária de hormonas do andrógeno nas mulheres. Ao envelhecer é associado com uma diminuição marcada nos andrógenos, outro fatoram involvido na produção ad-renal do andrógeno não são conhecidos. O Regulamento de níveis do andrógeno pode ser particularmente importante em mulheres pós-menopáusicos porque os estudos observacionais mostraram que umas mulheres mais idosas que mandem uns níveis mais altos tender a ser mais saudáveis.

“Recentemente, houve um interesse aumentado em suplementar andrógenos em umas mulheres mais idosas e a pesquisa é corrente compreender mais sobre estas hormonas,” disse a Madeira. “Nosso estudo faz o ponto que a hormona estrogénica reduz a produção de glândula ad-renal de andrógenos.”

A Madeira e os colegas estudaram o tratamento premenopausal e pós-menopáusico da hormona estrogénica e os efeitos em níveis do andrógeno em um grande grupo de macacos fêmeas do cynomolgus. A Metade dos macacos foi dada os contraceptivos orais, que contêm a hormona estrogénica, em suas dietas por 26 meses. Todos Os animais tiveram então seus ovário removidos para os fazer menopáusicos.

Por os próximos três anos, os animais foram divididos em três grupos baseados na dieta. Um grupo comeu a soja que não conteve os isoflavones, que são hormonas estrogénicas naturais da planta; um grupo comeu a soja com os isoflavones intactos, e a uma dieta do grupo era soja sem isoflavones e Premarin, ou terapia da hormona estrogénica, adicionada.

As amostras de Sangue dos macacos mostraram que as concentrações do andrógeno - ambas antes e depois de que menopausa - eram comparáveis àquelas encontradas nas mulheres. Igualmente mostraram que os macacos dados suplementos à hormona estrogénica tiveram marcada níveis inferiores dos andrógenos.

“Parece que a terapia da hormona estrogénica pode suprimir a produção ad-renal do andrógeno,” disse a Madeira.

Os pesquisadores mediram níveis dos andrógenos principais, que incluem o sulfato do dehydroepiandrosterone (DHEA-S), o androstenedione (A4), e a testosterona. Os Macacos que tomaram os contraceptivos orais antes da menopausa tiveram os níveis de DHEA-S que eram 27 por cento mais baixos do que os macacos que não tomaram contraceptivos. Os Níveis do A4 eram 53 por cento mais baixos, e os níveis de testosterona eram 50 por cento mais baixos. Estes efeitos não continuaram na menopausa.

Na fase pós-menopáusico do estudo, o tratamento com soja mais Premarin conduziu aos níveis de DHEA-S que eram 29 por cento mais baixos do que os macacos que comeram a soja sem isoflavones (grupo de controle) e 35 por cento mais baixo do que o grupo que come a soja com isoflavones. Os níveis Totais de testosterona eram 52 por cento mais baixos do que o grupo de controle e 41 por cento mais baixos do que o grupo que come a soja com isoflavones.

Os pesquisadores tinham suspeitado que as hormonas estrogénicas da planta igualmente suprimiriam a produção do andrógeno. Quando isto não provou verdadeiro, encontraram que estes macacos tiveram as glândulas ad-renais menores do que os macacos que não consumiram os isoflavones.

A glândula ad-renal, posicionada perto dos rins, usa o colesterol para fazer as hormonas do andrógeno e para fazer o cortisol, uma hormona associada com os níveis elevados de esforço. Os pesquisadores encontraram que quando o tratamento da hormona estrogénica abaixou níveis de hormonas do andrógeno, os níveis de cortisol aumentaram.

“Isto pode explicar o mecanismo para como a hormona estrogénica suprime a produção do andrógeno,” disse a Madeira.

Outros pesquisadores no estudo incluíram J. Marcação Cline, Mary S. Anthony, Thomas C. Registrar-se e Gaio R. Kaplan, tudo do Baptista da Floresta da Vigília. A pesquisa foi financiada por concessões dos Institutos de Saúde Nacionais. http://www.wfubmc.edu/