Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

O estudo de New York revela que os bebês no ventre são mais sensíveis do que suas matrizes a dano do ADN da poluição

Um estudo novo dos efeitos de poluentes de ar combustão-relacionados em New York City revela que os bebês no ventre são mais sensíveis do que suas matrizes a dano do ADN de tal poluição.

Apesar da protecção fornecida pela placenta, que reduz a dose fetal a um um décimo calculado da dose da matriz, os níveis de dano do ADN eram similares nos neonatos e em suas matrizes. Isto que encontra é especialmente notável, desde que a evidência dos estudos precedentes de roedores de laboratório sugere que o feto seja mais sensível aos efeitos carcinogénicos dos mesmos poluentes do que o adulto.

O estudo -- o primeiro de seu tipo em New York City -- foi liberado hoje pelo Centro de Colômbia para a Saúde Ambiental das Crianças, parte da Escola do Carteiro da Saúde Pública na Universidade de Columbia. Será publicada na introdução de Junho de Perspectivas da Saúde Ambiental, um jornal científico par-revisto, que seja acessível em linha em http://ehp.niehs.nih.gov/.

O estudo envolveu 265 pares de matrizes e de neonatos em New York City. As matrizes não-fumavam mulheres do Afro-Americano ou do Latina em Washington Heights, em Harlem Central e no Bronx Sul.

O estudo examinou o efeito da exposição pré-natal aos poluentes combustão-relacionados, conhecido como hidrocarbonetos aromáticos polycyclic (PAH), em dano do ADN. Os PAH são os poluentes de ar carcinogénicos que cruzam a placenta. Incorporam o ambiente quando a combustão ocorre -- como do carro, o camião, ou os motores do barramento, aquecimento residencial, produção de electricidade, ou fumo de tabaco.

Os pesquisadores recolheram amostras de sangue das matrizes e dos cabos de cordão umbilical dos neonatos e examinaram a presença de dois biomarkers chaves: Adutores carcinogéneo-ADN (associados previamente com o risco de cancro aumentado) e cotinine (uma medida da exposição do fumo de tabaco -- neste caso, fumo de tabaco de segunda mão, desde que as matrizes eram todos os não fumadores). Apesar do calculado 10 vezes dose mais baixo ao feto comparado à matriz, os níveis de dano do ADN eram comparáveis nos neonatos e nas matrizes; e os níveis do cotinine eram mais altos nos neonatos do que matrizes.

Os resultados do estudo são consistentes com os resultados de um estudo prévio, conduzidos pelo Centro em Krakow, Polônia. Contudo, porque os níveis do poluente são muito mais altos em Krakow do que em New York e em outras cidades Americanas, era importante determinar níveis de dano poluente-relacionado do ADN nas matrizes e nos neonatos nas concentrações mais baixas vistas nos Estados Unidos.

“Estes resultados levantam a preocupação séria,” disse o Dr. Frederica P. Perera, Director do Centro e líder da equipa do estudo. “A susceptibilidade Fetal a dano do ADN da poluição do ar, incluindo emissões do veículo motorizado e o fumo de segunda mão, tem implicações importantes para o risco de cancro e problemas desenvolventes. E ele relevos a importância de reduzir níveis de poluição do ar em nossa cidade.”

Um estudo precedente pelo Centro, liberado em janeiro de 2004, encontrado que a combinação de dano alto de PAH-DNA e de fumo de segunda mão, a níveis encontrados em New York City, reduz o peso ao nascimento e a circunferência principal dos neonatos.

O estudo actual foi tornado possível por subsídios de investigação do Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental, da Agência de Protecção Ambiental dos E.U., assim como de um número de fundações privadas generosas (http://www.ccceh.org/funders.html). Outros co-autores do estudo incluem Deliang Tang, Yi-Hsuan a Turquia, Linda Ali Cruz, Mejico Borjas, e Pisco de peito vermelho M. Whyatt do Centro, e Tom Bernert dos Centros para o Controlo e Prevenção de Enfermidades.

A pesquisa é parte de um mais largo, um projecto de investigação de multi-ano, “As Matrizes & as Crianças Estudam Em New York City,” começado em 1998, que examina os efeitos sanitários da exposição das mulheres gravidas e dos bebês aos poluentes de ar da exaustão do veículo, o burning comercial dos combustíveis, e o fumo de tabaco, assim como do uso residencial dos insecticidas e dos alérgenos.

http://www.cumc.columbia.edu