Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Os pacientes da parada cardíaca melhoram quando tratado de acordo com directrizes, mas doutores demais ainda não prescrevem os melhores tratamentos

Os pacientes da parada cardíaca que são tratados de acordo com directrizes européias estabelecidas melhoram do que os pacientes que não são, contudo os muitos doutores ainda não estão aderindo às directrizes, de acordo com a abertura de caminhos da pesquisa publicada em jornal principal da cardiologia de Europa, o jornal europeu do coração.

No primeiro grande estudo europeu olhar o efeito da prescrição pratica no resultado em pacientes não hospitalizados da parada cardíaca fora de um trial1 clínico, o professor Michel Komajda e colegas investigou a maneira que 1.410 pacientes com o suave para moderar a parada cardíaca foram tratados por 150 cardiologistas ou departamentos de cardiologia aleatòria selecionados em seis países europeus (França, Alemanha, Itália, os Países Baixos, Espanha e o Reino Unido). Mediram como pròxima o tratamento dos pacientes' aderiu às directrizes emitidas pela sociedade européia da cardiologia (ESC).

O prof. Komajda, professor da cardiologia no hospital de Pitie-Salpetriere, Paris, França, e um especialista na parada cardíaca, disse: “Nós encontramos que onde os doutores tinham tratado seus pacientes de acordo com as directrizes do ESC, menos pacientes tiveram que ser referidos o hospital devido à deterioração de sua parada cardíaca ou para sintomas cardiovasculares, e houve uma estadia mais longa antes que os pacientes tiveram que ser readmitidos ao hospital devido a seus sintomas.

“Contudo, o estudo mostrou que somente 60% dos pacientes estiveram tratados de acordo com as directrizes com o ACE-inhibitors2, betablocantes do ESC ou spironolactone3 - as três drogas cardíacas para que há a evidência a mais forte do benefício - e somente 63% dos pacientes foram tratados de acordo com as directrizes para estas três drogas mais as duas outras drogas de uso geral, os heterósido cardíacos e os diuréticos.

“Isto significa que há uma elevada percentagem dos pacientes que não estão recebendo o tratamento melhor possível para sua condição, e que sofrem agravando sintomas e mesmo morte em conseqüência.”

Os pacientes no MAHLER study4 foram envelhecidos 40 ou sobre, com uma idade média de quase 69. Foram continuados por seis meses. Os pesquisadores basearam sua avaliação da aderência às directrizes do ESC em como pròxima os médicos dos pacientes' colaram às recomendações do ESC para o uso das cinco drogas cardíacas as mais de uso geral: Ace-inibidores, betablocantes, spironolactone, diuréticos e heterósido cardíacos.

Encontraram que quando a aderência às directrizes do diagnóstico era alta em 74%, a aderência às directrizes do tratamento era muito mais baixa, com grandes variações entre os cinco tratamentos diferentes; 85% dos pacientes que necessário eram Ace-inibidores prescritos, 58% foram dados betablocantes, 83% um agente diurético, 52% um heterósido cardíaco, e spironolactone de somente 36%.

Quando os pesquisadores olharam o impacto no resultado “das três” drogas grandes (Ace-inibidores, betablocantes e spironolactone) encontraram que entre os pacientes que foram tratados com a aderência perfeita às directrizes 6,7% e 11,2% foram admitidos ao hospital com parada cardíaca crônica (CHF) ou um agravamento de seus sintomas (CV) respectivamente; isto comparou com as figuras de 9,7% e 15,9% respectivamente para a aderência moderado e 14,7% e 20,6% para a baixa aderência. Estes resultados eram independente da severidade da doença, hospitalizações precedentes para o CHF, ou a presença de hipertensão ou de diabetes.

“Nós encontramos que a aderência às directrizes do tratamento estêve correlacionada independente e fortemente ao resultado medido na taxa de hospitalização do CHF ou do CV e o tempo à hospitalização do CV,” dissemos o prof. Komajda.

“Nós esperamos que estes resultados incentivarão cardiologistas se assegurar de que sejam familiares com, e aderir a, directrizes do tratamento. As aproximações integradas, incluindo enfermeiras, dietistas, não especialistas e cardiologistas, são necessários a fim melhorar a gestão da parada cardíaca crônica na prática clínica.”

Os pesquisadores encontrados lá eram abundância do espaço para melhoramentos no tratamento dos pacientes com parada cardíaca. A “prescrição dos betablocantes foi observada ao somente meio dos pacientes que devem os receber, de acordo com directrizes do ESC. Ao contrário, uma proporção substancial de nossos pacientes recebeu heterósido cardíacos apesar do facto de que este tratamento está recomendado somente para a melhoria sintomático. Totais, nós encontramos um nível elevado de conformidade às directrizes para Ace-inibidores ou de diuréticos, mas um um pouco de baixo nível para betablocantes, sugerindo que houvesse ainda uma sala para melhorar a prática em Europa e que há uma necessidade de desenvolver programas de treinamento para melhorar a qualidade do cuidado para pacientes cardíacos,” dissemos o prof. Komajda.

Um segundo paper5 publicou no EHJ sublinha hoje a dificuldade de persuadir doutores seguir directrizes para o tratamento um pouco do que confiando em suas próprias impressões do que pôde ser o melhor. Em alguns casos pacientes que a maioria de necessidade o melhor tratamento recebe o mais ruim, de acordo com os autores.

O professor Jean-Pierre Bassand, cabeça do departamento da cardiologia no hospital Jean Minjoz da universidade, Besançon, França, disse: “É óbvio que as directrizes melhoram o resultado, assim que é duro compreender porque são adotados tão deficientemente. As avaliações mostraram que um número limitado de doutores sabe realmente sobre a existência das directrizes, e mesmo quando sabem, não as põem necessariamente na prática médica. Às vezes os médicos sentem que estão inundados por demasiada informação e por uma pletora de directrizes.”

Disse que pôde haver diversas razões pelas quais os doutores não seguem directrizes: limitações econômicas, falta da opinião nas directrizes e “niilismo”. “Isto significa-o que os tratamentos com potencial do salvamento sob-estão prescritos para uma grande variedade de razões, válida ou de outra maneira,” disse.

“Além, apareceria mesmo isso em síndromes coronárias agudas, há uma relação inversa entre a severidade dos sintomas do paciente quando são primeiros vista por um doutor e pelo nível de conformidade com as directrizes; ou seja mais severos os sintomas iniciais, menos provável o paciente é receber o tratamento o mais eficaz.”

O prof. Bassand e seus co-autores disse que as directrizes emitidas por organizações profissionais tais como o ESC devem ser consideradas como as ferramentas educacionais giratórias que são usadas em continuar os programas de educação médicos, a que todos os doutores devem atender de modo que possam actualizar e estender seu conhecimento.

Os “doutores no nível nacional, nas autoridades de saúde e na indústria precisam de trabalhar junto para certificar-se de que estas directrizes estão executadas, com incentivos para as práticas centrais que aplicam a medicina evidência-baseada em seu tratamento planejam. Se não, muitos pacientes continuarão a sofrer desnecessariamente,” disse o prof. Bassand.