Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Os Esteróides provocam a agressão duradouro nos adolescentes

De acordo com um estudo dos E.U. os esteróides podem ter um efeito durável nos cérebros dos adolescentes, e poderiam mesmo lançar o interruptor do cérebro adolescente para a agressão que pode durar no mínimo dois anos.

Os pesquisadores dos E.U. igualmente sugerem que os esteróides anabólicos possam causar mudanças permanentes do cérebro.

O estudo contudo foi baseado nos resultados considerados nos hamster e alguns peritos dizem nessa base que é impossível calcular o comprimento do efeito nos seres humanos.

Os Neurocientistas são referidos profundamente sobre o abuso adolescente de aumentação de esteróides anabólico-androgénicos (AASs), dado o Instituto Nacional na avaliação do Abuso de Drogas que quase meio milhão 8o aos estudantes 10th-grade abusa AASs todos os anos.

Não somente os esteróides configuram cabritos para um uso mais pesado dos esteróides e outras drogas mais atrasadas na vida, sabe-se que o uso esteróide a longo prazo pode causar balanços de humor, alucinação e paranóia, dano de fígado e hipertensão, assim como risco aumentado de doença cardíaca, de curso e de alguns tipos de cancro.

Vir fora esteróides pode igualmente conduzir à depressão.

Os pesquisadores na Universidade Do Nordeste, Boston, examinaram o comportamento de hamster adolescentes quando um outro hamster foi posto em sua gaiola.

Parece que os hamster defendem naturalmente seu território pela jogo-luta, a luta romana e mordiscar, mas os hamster injetados com esteróides de uso geral, que foram suspendidos no petróleo, tornaram-se extremamente agressivos.

De acordo com os pesquisadores mesmo depois a droga foi retirado, os hamster recentemente viciosos atacados, mordidos e foram perseguidos os intrusos, e o nível de agressividade era 10 vezes maior do que aquele de outros hamster que foram injectados somente com petróleo.

Aparentemente os efeitos duraram por quase duas semanas, que é o equivalente da metade da sua adolescência.

Após este período, os animais revertidos a sua capacidade para a defesa brincalhão normal, mas os postmortems nos hamster encontrados lá tinham sido sidos igualmente mudanças em sua actividade de cérebro.

Quando eram dados esteróides, uma parte de seus cérebros chamou o hipotálamo anterior, que regula a agressão e o comportamento social, bombeou para fora mais de um neurotransmissor chamado vasopressin.

Sua agressão desenvolvida que droga-foi induzida claramente durou por quase duas semanas da retirada.

Três semanas após a retirada, os níveis do vasopressin tinham-se abrandado na linha do comportamento agressivo.

O Dr. Richard Melloni, que conduziu a pesquisa, disse que porque a parte do cérebro que sua equipe estudada é similar nos roedores e nos seres humanos, seus resultados é provavelmente aplicável aos povos.

O Dr. Melloni diz porque o cérebro se tornando é mais adaptável e flexível, esteróides poderia mudar a trajectória se administrado durante a revelação.

Acredita que povos considerando que o uso de tais drogas deve considerar os riscos para a saúde a longo prazo e o potencial sério para a agressão e a violência.

Espera que os adolescentes não tomam a recuperação final do sistema do vasopressin para significar que é APROVADO usar as drogas.

Em conseqüência, Melloni e seus colegas especulam que os esteróides anabólicos podem dramàtica encurtar os fusíveis adolescentes (nao conhecidos para o comprimento sob o melhor das circunstâncias) e fazer jovens “estalar fora” pelos anos, um perigo a se e a outro.

A esperança dos pesquisadores os resultados poderia potencial acelerar a revelação dos tratamentos para o comportamento agressivo, mesmo se estêve causada pelo abuso esteróide.

O estudo é publicado na edição actual da Neurociência Comportável, Vol. 120, No. 1.