Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Prolongado-liberação de Venlafaxine eficaz para pacientes com depressão principal

A desordem depressiva Principal (MDD) é a doença mental principal a mais comum, afligindo quase um em cinco indivíduos.

Mais de 75% dos povos que recuperam de um episódio de MDD terá pelo menos um retorno, com a maioria que tem retornos múltiplos. MDD é a causa principal da inabilidade de todas as doenças médicas, com prejuízo, morbosidade, e mortalidade funcionais substanciais. Poucos estudos avaliaram a eficácia de medicamentações de antidepressivo além de 1 ano de tratamento da manutenção para a prevenção da depressão periódica. Contudo, um estudo novo que está sendo publicado na próximo introdução do 15 de dezembro do Psiquiatria Biológico fez apenas aquele.

O estudo do IMPEDIMENTO, um acrônimo para o título do estudo que “A Prevenção de Episódios Periódicos da Depressão com o Venlafaxine por Dois Anos estuda,” é, de acordo com um dos autores superiores no papel, Dr. Martin B. Keller, “um ensaio clínico multiphase, dobro-cego, randomized projetado investigar a eficácia da liberação estendida venlafaxine (SNRI) do inibidor do reuptake do serotonina-norepinephrine na prevenção do retorno depressivo sobre 2 anos nos pacientes com uma história de MDD periódicos que responderam ao tratamento agudo e da continuação.” Os investigador atribuíram aleatòria pacientes com depressão periódica para receber o tratamento com prolongado-liberação do venlafaxine (ER) ou fluoxetine, eficaz já estabelecido do antidepressivo um tão quanto uma medicamentação comparativa. Embora o estudo do IMPEDIMENTO seguisse pacientes por mais de dois anos, relatórios deste artigo somente nas fases agudas e da continuação, que tinham 10 semanas e 6 meses de comprimento respectivamente.

O Dr. Keller nota que este estudo “tem diversos aspectos novos a seus projecto e métodos,” incluir seu muito grande tamanho da amostra, e longo período do tratamento cegado, onde nem os médicos nem os pacientes souberam que medicamentação o paciente recebia. Os autores encontraram que quase 80% dos pacientes conseguiu pelo menos uma resposta terapêutica adequada ao tratamento agudo da fase com venlafaxine ER ou fluoxetine, e quase nenhuns dos que respondes que continuaram no tratamento por 6 meses tiveram uma recaída.

Husseini K. Manji, M.D., FRCP (C), o Deputado Editor do Psiquiatria Biológico e o Director do Humor e do Programa das Perturbações da Ansiedade no Instituto Nacional da Saúde Mental, comentam nos resultados do estudo:

“A depressão Principal é uma séria, debilitando, a doença da vida-gordura que afecta milhões de povos no mundo inteiro. Este é assim um estudo importante que mostre taxas surpreendentemente altas da resposta e da remissão. Para muitos pacientes, a depressão principal é uma doença crônica caracterizada por episódios múltiplos da exacerbação do sintoma, por sintomas residuais entre episódios, e pelo prejuízo funcional. Assim, a capacidade para manter pacientes na remissão é crítica a reduzir a inabilidade a longo prazo.”

Além do que as taxas de resposta altas pelos pacientes neste estudo, as taxas de eventos adversos (efeitos secundários) eram similares entre os dois grupos do tratamento. O Dr. Manji emite um cuidado embora no que diz respeito a generalizar os resultados, notando aquele “que os investigador estudaram um grupo de pacientes cujo o curso da doença não era crônico. Além Disso, excluíram pacientes com uma história da resistência do tratamento ou de doenças significativas do comorbid.” Contudo, adicionou aquele “se replicated, os resultados sugerem que possa haver um subgrupo de pacientes deprimidos para quem cedo e o tratamento sustentado pode manter a resposta e para impedir tem uma recaída.” O Dr. Keller observa que estes resultados são “críticos à prática clínica e devem ser considerados ao escolher um tratamento para pacientes com MDD periódico.”

http://www.sobp.org/journal