Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Provocação pode ser uma experiência positiva para as crianças

Provocação pode ser uma experiência positiva para as crianças, uma vez que os ensina a mostrar afeto e lidar com conflitos.

Provocação requer uma compreensão do equilíbrio e que leva dois participantes dispostos para que ela seja bem feita, de acordo com uma nova pesquisa aparecendo em correntes da comunicação, uma publicação online da Comunicação Associação Nacional. A forma de jogar nas famílias, provocando também pode ajudar a fortalecer os laços entre empregados no local de trabalho, e casais ajudar a expressar afeto nas relações românticas.

"A pesquisa nos mostra que mesmo crianças muito jovens podem reconhecer que provocações nem sempre é mau, que às vezes pode ser uma maneira divertida de jogar com amigos e família", disse Carol Bishop Mills, um dos autores do estudo.

Muitas vezes considerado o gêmeo de bullying, provocação tem um lado positivo, que o bullying não. Bullying é considerado uma demonstração de agressão e intenção de prejudicar, enquanto provocando permite que as pessoas apresentam desafios uns aos outros de uma forma mais lúdica. Provocando requer jogo, se a vítima não estava vendo nenhuma 'play' na interação, então torna-se bullying.

Mills juntamente com Amy Carwile, o segundo autor do estudo, têm fornecido um modelo chamado de Teasing Totter. Este modelo ajuda a pais e educadores procurar pistas que ajudam a identificar se arrelia devem ser encorajadas, desencorajada, ou imediatamente interrompido. Por exemplo, quando as crianças são claramente os amigos que se envolvem em provocações, ambas as partes estão rindo e sorrindo e os comentários não oferecem mais do que irritação, então a brincadeira pode continuar. Se é claro que as crianças não gostam uns dos outros, ou estão provocando uns aos outros sobre temas inaceitáveis, mostrando nenhuma pista jogo, então a provocação deve ser interrompido.

"Em vez de eliminar todas as provocações, os professores e os pais podem ajudar as crianças a aprender as diferenças entre teases que podem promover o jogo e amizade, do teases que infligem dor e de mágoa", disse Mills.

Mills é um professor assistente no Departamento de Estudos da Comunicação da Universidade do Alabama. Carwile é um estudante da Universidade de Alabama. Este ensaio está na edição de abril de Correntes, Comunicação e originalmente aparece em Educação Comunicação, ambos são publicações da Associação Nacional de Comunicação.

Correntes de comunicação é uma revista on-line web da Comunicação Associação Nacional. Correntes de comunicação faz bolsa disponível em uma forma compreensível e utilizável para grandes audiências, incluindo especialistas em comunicação que trabalham com leigos audiências, instrutores e estudantes, imprensa e outros membros interessados ​​do público. Ensaios em Correntes Comunicação destacar a relevância dos estudos de comunicação; demonstra a maneira em que a comunicação impactos nosso mundo, e demonstra a liderança do ANC no estudo da comunicação.

Sobre o National Communication Association

NCA é a maior organização nacional dedicada à comunicação. Pesquisadores, educadores e profissionais, o trabalho para entender e melhor todas as formas de comunicação humana. Através de publicações, recursos, conferências, convenções e serviços, NCA contribui para o bem maior da educação e da sociedade.

NCA é uma organização sem fins lucrativos de mais de 7.700 membros que trabalham e residem em todos os estados e mais de 20 países estrangeiros.

http://www.natcom.org/