O Prémio Nobel israelita recebe a concessão da pesquisa do Humboldt de AvH

A instituição de anfitrião é o centro máximo de Delbruck

O Prémio Nobel israelita Aaron Ciechanover foi nomeado um dos receptores da concessão da pesquisa de Humboldt da fundação de Alexander von Humboldt (AvH). Sua instituição de anfitrião em Alemanha será as Delbr-CK máximas centra-se para a medicina molecular (CDM) Berlim-Buch, um membro da associação de Helmholtz. O professor Ciechanover é um médico e um biólogo e conduz a pesquisa na faculdade de medicina do Instituto de Tecnologia de Technion - de Israel em Haifa. A concessão da pesquisa de Humboldt é concedida pela fundação de Alexander von Humboldt em Alemanha aos cientistas de renome internacional e aos eruditos no reconhecimento de suas realizações inteiras até agora, e cujas descobertas, teorias, ou as introspecções fundamentais tiveram um impacto significativo em sua disciplina. A concessão é avaliada em 60.000 euro.

No professor do CDM Ciechanover cooperará em particular com o grupo de investigação conduzido pelo professor Thomas Sommer. Lá trabalhará em projectos comum na eliminação de proteínas misfolded. Esta cooperação permitirá o CDM de intensificar seus contactos com cientistas israelitas e em particular com o Technion.

O professor Ciechanover é um dos descobridores do sistema ubiquitin-proteasome para a degradação regulada da proteína. Uma das funções principais do sistema é eliminação de resíduos. Em 2004 compartilhou do prémio nobel na química para esta descoberta com o Avram Hershko e o Irwin Rosa. Este sistema de manutenção do controle da qualidade dispor selectivamente proteínas misfolded/desnaturadas/inactivas que, se acumulado, podem causar dano celular. Assim, somente as proteínas que são identificadas por meio de ubiquitin são reconhecidas e entram no proteasome, a retalhadora molecular da pilha. Lá são desbastados em partes e degradados. Ubiquitin, como o nome (ubíquo) implica, esta presente em pilhas (nucleated) toda eucarióticas.

As aberrações nesta maquinaria celular da eliminação de resíduos podem conduzir a um vasto leque das doenças, variando do cancro às desordens neurodegenerative tais como a doença de Alzheimer e de Parkinson, doenças genéticas tais como a fibrose cística, e desordens do sistema imunitário. A pesquisa sobre o sistema ubiquitin-proteasome e a identificação dos componentes envolvidos na degradação das proteínas chaves tem conduzido já à revelação de uma droga de cancro nova. Aaron Ciechanover é convencido que esta pesquisa conduzirá à revelação de muitas drogas adicionais que visarão selectivamente somente as proteínas que são envolvidas em um processo específico da doença.