Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Os clientes regulares de trabalhadores de sexo frequentemente desenvolvem sentimentos do romance e amam-nos

Quando se acreditar geralmente que os homens que pagam pelo sexo estão tentando evitar o comprometimento emocional, um estudo novo encontra que os homens que se transformam clientes regulares de trabalhadores de sexo desenvolvem frequentemente sentimentos do romance e ame. Este estudo é publicado em uma edição recente dos homens e das masculinidades, um jornal PRUDENTE.

“Nos últimos anos, nós viemos ver uma normalização gradual da prostituição independente da escolta, aonde os encontros sexuais vieram se assemelhar a quase-datar relacionamentos,” estudo indicado Christine Milrod autor. “Nosso estudo mostra que os clientes regulares de um fornecedor particular do sexo vêm frequentemente experimentar os sentimentos da afeição profunda, que podem progredir em uma história de amor autêntica.”

Neste estudo novo, Milrod e o co-autor Ronald Weitzer analisaram 2.442 afixações em uma placa em linha da discussão de um local da revisão do fornecedor do sexo onde mais do que milhão clientes dos trabalhadores de sexo lidos e do cargo sobre suas experiências. Aproximadamente um terço incluíram uma discussão sobre a intimidade emocional entre os trabalhadores de sexo e os seus clientes, muitos de quem expressou um desejo crescer seus relacionamentos além do nível físico sob a forma de compartilhar sentimentos privados e o amor mútuo.

“Estes relacionamentos seguem um script convencionalmente romântico que normalize a ligação e destigmatizes o fornecedor e o cliente,” Milrod indicado. “O estudo mostra que este tipo da normalização pode se manifestar em uma fusão das finanças, famílias e parcerias finalmente monógamos - o fornecedor é já não apenas um fornecedor da experiência da amiga, mas um sócio romântico da real-vida.”