Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A pesquisa trata as edições importantes no campo do urolithiasi

Um balanço entre a activação dos macrófagos inflamatórios e a supressão dos macrófagos anti-inflamatórios no rim pode jogar um papel essencial na formação da pedra de rim. Estes mediadores macrófago-derivados podem ter o potencial porque biomarkers reflectir o risco de pedra urinário, de acordo com um estudo novo de Japão, que recentemente foi apresentado na ?a reunião recente da secção do EAU de Urolithiasis e recebeu a concessão clínica da pesquisa.

Comparado a isso de assuntos do controle, a urina dos indivíduos com uma história da formação da pedra de rim mostrada significativamente aumentou níveis dos chemokines inflamatórios GRO e CXCL1, e diminuiu significativamente níveis de IL-4, um cytokine anti-inflamatório envolvido na migração do macrófago.

De acordo com o Dr. Dr. Atsushi Okada, da universidade municipal de Nagoya em Japão, esta pesquisa trata algumas edições muito importantes no campo do urolithiasis.

“Até agora, a avaliação de risco e o deslocamento predeterminado preventivo da formação da pedra de rim foram dependentes da matéria inorgánica urinária tal como o cálcio, o fósforo, o magnésio, o ácido úrico, o oxalate e o citrato. Contudo, os formers de pedra não mostram frequentemente tal anomalia,” ele explicaram.

“Em uma série de estudos de precedência, nós examinamos a substância orgânica em pedras de rim, tais como a proteína do tecido do rim, e revelamos que a matriz da pedra e o ambiente genético de pilhas tubulares renais são tão importantes quanto a condição inorgánica urinária para a formação da pedra de rim.”

“No passado nós igualmente mostramos que nos ratos, determinados mecanismos reguladores protegem contra a formação urinária da pedra do oxalate do cálcio, e que estes mecanismos podem ser negociados pelo tipo anti-inflamatório - 2 macrófagos (M2s). Contudo, os papéis reguladores de macrófagos do M2 na formação de pedra urinária nos seres humanos não foram estudados.”

Isto o estudo o mais atrasado apontou identificar marcadores macrófago-associados urinários do M2, executando a urinálise multiplex em pedras de rim tornando-se inclinadas do oxalate do cálcio dos indivíduos. Os autores podiam observar que os pedra-formers tiveram os marcadores um M1 urinários de mais alto nível, visto que os formers da não-pedra tiveram um de mais alto nível de marcadores do M2.

O Dr. Okada acredita que este estudo pode ter pronunciado implicações para a prática clínica.

“Se a utilidade destes marcadores do macrófago é estabelecida, será possível avaliar o risco da pedra de rim não somente através de inorgánico mas igualmente de algumas substâncias orgânicas. Além disso, estes resultados podem conduzir à revelação de drogas terapêuticas novas para a formação da pedra de rim à função do macrófago do controle.

Source:

European Association of Urology