Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A aptidão aeróbia alta na adolescência atrasada pode reduzir o risco do cardíaco de ataque mais tarde na vida

Os pesquisadores na Suécia encontraram uma associação entre a aptidão de uma pessoa como um adolescente e o seu risco de cardíaco de ataque em uma vida mais atrasada. Em um estudo de quase 750.000 homens, encontraram que os homens mais aeròbia cabidos eram na adolescência atrasada, menos prováveis eram ter um cardíaco de ataque 30 ou 40 anos mais tarde.

O estudo, publicado hoje em linha (quarta-feira) no jornal europeu do coração, encontrado que o relacionamento entre a aptidão e o cardíaco de ataque aeróbios ocorreu apesar do índice de massa corporal dos homens (BMI) quando eram adolescentes. Contudo, caiba mas os homens excessos de peso ou obesos tiveram um risco significativamente mais alto de um cardíaco de ataque do que homens inadequados, magros.

O professor Peter Nordström, da universidade de Umeå, Umeå, a Suécia, que conduziu a pesquisa, disse: “Nossos resultados sugerem que a aptidão aeróbia alta na adolescência atrasada possa reduzir o risco de cardíaco de ataque mais tarde na vida. Contudo, muito sendo cabido não parece compensar inteiramente ser excesso de peso ou obeso com respeito a este risco. Nosso estudo sugere que seja mais importante não ser excesso de peso ou obeso do que para ser cabido, mas que é mesmo melhor ser ambo ajuste e um peso normal.”

O prof. Nordström e seus colegas analisou dados de 743.498 homens suecos que se submeteram a exames médicos na idade de 18 quando conscripted nas forças armadas suecos entre 1969-1984. A aptidão aeróbia foi medida por um teste de ciclo onde a resistência fosse aumentada gradualmente até que estiveram esgotados demasiado para continuar.

Os pesquisadores encontraram que cada aumento de 15% na aptidão aeróbia estêve ligado a um risco reduzido aproximadamente 18% de um cardíaco de ataque (enfarte do miocárdio ou MI) 30 anos mais tarde após o ajuste para os vários factores da confusão que incluem o fundo sócio-económico e o BMI. Os resultados igualmente sugeriram que o treinamento cardiovascular regular na adolescência atrasada estivesse associado independente com um risco reduzido aproximadamente 35% de um cardíaco de ataque adiantado em uma vida mais atrasada.

“Havia 7.575 enfartes do miocárdio em 620.089 homens durante o tempo total da continuação onde a aptidão aeróbia foi medida, que significa que a incidência cumulativa era aproximadamente 1222 por 100.000 homens,” prof. explicado Nordström. “Havia 271.005 homens (43,7%) que eram peso ou carne sem gordura normal, e que tiveram uma aptidão aeróbia que fosse melhor do que a média. Entre estes homens magros, aptos havia 2176 MIs, tendo por resultado uma incidência cumulativa de aproximadamente 803 MIs por 100.000 homens. Assim, a incidência cumulativa do MIs foi reduzida por aproximadamente 35% neste grupo.”

Contudo, advertiu que o estudo mostrou somente que havia uma associação entre a aptidão e uma redução em cardíaco de ataque, e não poderia mostrar que aeròbia sendo cabido causado o risco reduzido de cardíaco de ataque.

“O relacionamento entre a aptidão e a doença cardíaca aeróbias é complexo e pode bem ser influenciado confundindo os factores que não foram investigados neste estudo. Por exemplo, alguns povos podem ter uma predisposição genética à aptidão física alta e a um de baixo-risco da doença cardíaca. Em um estudo recente dos gêmeos, nós encontramos que 78% da variação na aptidão aeróbia na altura do recrutamento está relacionado aos factores genéticos.”

Na altura do recrutamento dos homens tiveram um exame médico completo, que incluísse a verificação da pressão sanguínea, do peso, da altura e da força de músculo, assim como a aptidão aeróbia. Durante o teste de ciclo para a aptidão aeróbia, a resistência foi aumentada gradualmente na taxa de 25 watts um a acta até que os homens estiveram esgotados demasiado para continuar. A taxa de trabalho final (watts máximos) foi usada para a análise. A taxa de trabalho média para os homens era 250 watts.

Os homens foram seguidos para uma média de 34 anos (que variam de 5-41 anos) até a tâmara de um enfarte do miocárdio, de uma morte ou de um 1º de janeiro de 2011, qualquer veio primeiramente. Para investigar a relação entre a aptidão e o risco aeróbios de um cardíaco de ataque mais atrasado, os resultados dos homens foram divididos em cinco grupos. Comparado com os homens no quintos o mais alto para a aptidão aeróbia, os homens no mais baixo quinto tiveram o risco aumentado 2,1 dobras de um cardíaco de ataque durante o período da continuação, após o ajuste por BMI, idade, lugar e ano de recrutamento.

Para investigar o efeito comum de BMI e de aptidão no que diz respeito ao risco de cardíaco de ataque, BMI foram divididos em quatro grupos que combinaram as definições do BMI da Organização Mundial de Saúde: de pouco peso/carne sem gordura (BMI menos de 18,5 kg/m2), peso (BMI entre 18,5 e 25 kg/m2), excessos de peso normal (BMI entre 25-30 kg/m2) e obesos (BMI mais de 30 kg/m2). Em todos os quatro grupos de BMI, o risco de um cardíaco de ataque mais atrasado foi aumentado significativamente ao comparar cabido o mais menos com o mais cabido. Contudo, os homens obesos os mais aptos tiveram quase o dobro (71%) o risco de um cardíaco de ataque do que fez o mais inadequado, mas de homens da carne sem gordura, e mais do que o risco aumentado quatro-dobra comparado aos homens magros os mais aptos. Um teste padrão similar foi considerado para homens excessos de peso quando comparado com os homens normais do peso.

Há algumas limitações à pesquisa. Estes incluem o facto de que o BMI dos homens, a aptidão e a pressão sanguínea estiveram medidos somente na altura do recrutamento assim que não se sabe se e como estes factores puderam ter mudado em uns anos mais atrasados; a pesquisa foi realizada em homens novos e não pode aplicar-se às mulheres ou às pessoas idosas; e o efeito do fumo podia ser avaliado somente em um subgrupo de 23.000 homens.

O prof. Nordström disse: “Tanto quanto nós sabemos, este é o primeiro estudo para investigar as relações entre uma medida objetiva da aptidão física nos adolescentes e o risco de cardíaco de ataque na população geral. Uns estudos mais adicionais são necessários investigar a importância clínica destes resultados, mas dado a associação forte que nós encontramos, o baixo custo e a acessibilidade fácil do treinamento cardiovascular, e o papel da doença cardíaca como uma causa principal da doença e da morte mundiais, estes resultados são importantes no que diz respeito à saúde pública.”