Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Os Pesquisadores descobrem que as pilhas imunes controlam células estaminais de sangue na medula

Os Pesquisadores em Berna descobriram aquele, durante uma infecção viral, pilhas imunes controlam as células estaminais de sangue defesas da medula e conseqüentemente também do corpo em próprias. Os resultados podiam permitir formulários novos da terapia, como para doenças da medula como a leucemia.

Durante uma infecção viral, o corpo precisa vários mecanismos de defesa - entre outras coisas, um grande número glóbulos brancos (leucócito) devem ser produzidos na medula dentro de um curto período de tempo. Na medula, as células estaminais são responsáveis para esta tarefa: as células estaminais do sangue. Além do que os glóbulos brancos, as células estaminais do sangue igualmente produzem glóbulos e plaqueta vermelhos.

As células estaminais de sangue são ficadas situadas em ameias especializadas na medula e cercadas por pilhas especializadas da ameia. Durante uma infecção, as células estaminais do sangue devem terminar duas tarefas: devem primeiramente reconhecer que mais glóbulos têm que ser produzidos e, em segundo lugar, devem reconhecer que tipo.

Agora, pela primeira vez, os pesquisadores no Departamento da Oncologia Médica na Universidade do Hospital de Berna e de Universidade de Berna dirigido pelo Prof. Adrian Ochsenbein investigaram como as células estaminais de sangue na medula são reguladas pelas pilhas assim chamadas do assassino do T do sistema imunitário durante uma infecção viral. Porque este mecanismo regulamentar negociado pelo sistema imunitário igualmente joga um papel importante em outras doenças tais como a leucemia, estes resultados poderiam conduzir às aproximações terapêuticas novas. O estudo está sendo publicado no jornal par-revisto da “Célula Estaminal Pilha” hoje.

As pilhas do Assassino de T provocam defesas

Uma função de pilhas do assassino de T é “patrulhar” no sangue e remover as pilhas micróbio-contaminadas. Contudo, igualmente interagem com as células estaminais do sangue na medula. Os oncologistas em Berna podiam mostrar que as substâncias do mensageiro segregadas pelas pilhas do assassino de T modulam as pilhas da ameia. Por sua vez, as pilhas da ameia controlam a produção e igualmente a diferenciação das células estaminais de sangue.

Este mecanismo é importante a fim lutar os micróbios patogénicos tais como vírus ou bactérias. Contudo, os vários formulários da leucemia da doença da medula são causados por uma transformação maligno exactamente destas células estaminais do sangue. Isto conduz à formação de células estaminais assim chamadas da leucemia. Em ambos os casos, os mecanismos são similares: o “bom” mecanismo regula células estaminais saudáveis do sangue durante uma infecção, enquanto o “mau” um conduz à multiplicação de células estaminais da leucemia. Isto conduz por sua vez a uma progressão da leucemia.

Esta similaridade tem sido investigada já em um projecto precedente pelo mesmo grupo de pesquisadores. “Nós esperamos que este nos permitirá de compreender e lutar melhor doenças das doenças infecciosas assim como da medula tais como a leucemia,” dizemos Carsten Riether do Departamento da Pesquisa Clínica na Universidade de Berna e do Departamento da Oncologia Médica no Hospital da Universidade de Berna e na Universidade de Berna.

Source: Universidade de Berna