Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

O estudo indica que as mudanças no apetite e no gosto são muito comuns após a cirurgia gástrica do desvio

Muda no apetite, o gosto e cheiro é paridade para o curso para os povos que se submeteram à cirurgia gástrica do desvio Massa-en-y durante qual o estômago é feito menor e os intestinos delgados encurtados. Estas mudanças sensoriais não são toda negativas, e poderiam conduzir a mais perda de peso entre pacientes, dizem Lisa Graham, autor principal de um estudo por pesquisadores da enfermaria real de Leicester no Reino Unido. Seus resultados, publicados na cirurgia da obesidade do jornal de Springer mostraram aquele depois que gástrica contorneiam a cirurgia, os pacientes relatam freqüentemente mudanças sensoriais.

Graham e seus colegas dizem que sua experiência do dia a dia com pacientes que se submeteram a cirurgia gástrica do desvio sugeriu estas mudanças, mas pouco esteja escrito surpreendentemente ainda sobre ele na literatura científica. Com tal fim, os questionários foram mandados aos pacientes que se tinham submetido ao procedimento nos hospitais da universidade de Leicester entre 2000 e 2011. No total, 103 pacientes responderam às 33 perguntas sobre o apetite, o gosto e o cheiro ajustados a eles.

Dos respondentes, quase todas as (97 por cento) mudanças relatadas a seu apetite em seguida que tem a cirurgia. Suas experiências variadas, com os assuntos que relatam que seu sentido de cheiro e o gosto eram um ou outro inalterados, aumentado ou reduzido. Quarenta e dois por cento dos respondentes disseram seu sentido de cheiro mudado. Seventy-three por cento dos pacientes notáveis mudam no alimento da maneira provado, e especialmente em seu palato do agridoce. Os respondentes notaram especialmente uma mudança no gosto da galinha, carne, carne de porco, carne do assado, cordeiro ou salsichas, quando os peixes, os alimentos rápidos, o chocolate, os alimentos gordurosos, a massa e o arroz eram igualmente de grande importância na lista.

Três de cada quatro (pacientes de 73 por cento) notaram que tinham desenvolvido uma aversão aos alimentos específicos após a cirurgia. Os produtos de carne cobriram a lista, com uma em cada três pacientes que dirigem longe da galinha, da carne triturada, do bife, das salsichas, do cordeiro, do presunto ou do bacon. Os amidos tais como a massa, o arroz, o pão e a pastelaria e os produtos lácteos tais como o creme, o gelado, o queijo e os ovos eram uns nenhum-nenhuns para quase 12 por cento dos respondentes. Somente 4 por cento dos respondentes relataram ter uma aversão para vegetais, 3 por cento para o fruto, e 1 por cento para peixes estanhados.

Interessante, pacientes que as aversões experientes do alimento apreciaram uma perda e uma redução de peso significativamente mais pós-operatório em seu índice de massa corporal (BMI) comparado a suas contrapartes sem tais desagrados. Experimentaram tipicamente a perda de peso de ao redor 8 quilogramas e uma perda de BMI de 3 kg/m2 maiores do que suas contrapartes.

É ainda obscuro o que o papel é que as mudanças perceptual no gosto e no cheiro do alimento jogam para influenciar a entrada da caloria, a composição da refeição e a perda de peso subseqüente seguindo a cirurgia bariatric. Contudo, Graham acredita que as mudanças sensoriais são devido a uma combinação de efeitos da hormona do intestino e de sistema nervoso central.

“Este estudo indica que as mudanças subjetivas no apetite, no gosto e no cheiro são muito comuns depois que o desvio Massa-en-y gástrica,” Graham resume os resultados do estudo, que são na linha daquele de outros feitos. Os pacientes são aconselhados rotineiramente sobre a perda potencial de gosto e o cheiro no consentimento para a cirurgia.

Source: