Os Cientistas encontram a associação forte entre linfócitos de MAIT e deficiências orgânicas metabólicas

Cientistas em Institut Cochin (CNRS/Inserm/Université Paris Descartes) e ICAN - Instituto de Cardiometabolism E NutritionInserm/UPMC/AP-HP) descobriram que uma classe das pilhas inflamatórios, MAIT lymphocytes1, está desregularizada nos pacientes que sofrem do tipo - 2 diabetes e obesidade. Nestes pacientes, a cirurgia bariatric (ou um desvio gástrica) 2, que alivia a inflamação, podem restaurar o funcionamento normal de pilhas de MAIT. Já sabido para ser activado por determinadas populações bacterianas e para favorecer a inflamação, estas pilhas podem explicar a relação entre as alterações que afectam a flora intestinal (microbiota) e a natureza inflamatório destas doenças. Estes resultados são publicados o 9 de março de 2015 no Jornal da Investigação Clínica.

tipo - 2 diabetes3 e obesidade são as circunstâncias patológicas severas e intimately relativas cuja a incidência está aumentando em France4 e no mundo inteiro. Estas doenças com causas múltiplas (mudanças dietéticas, estilo de vida sedentariamente, combinados com as predisposição genéticas) são associadas com a inflamação crônica, induzida pelo sistema imunitário, que é activado anormalmente. Esta inflamação esta presente não somente no sangue mas igualmente nos órgãos envolvidos no controle metabólico do corpo, tal como o fígado e o tecido adiposo. Igualmente contribui a uma perda de controle glycemic. Além Disso, os estudos recentes mostraram que a flora do intestino do diabético e de pacientes obesos está alterada a um grau significativo.

Contudo, a relação entre as alterações da flora do intestino e a inflamação crônica observada nestas patologias é compreendida deficientemente. Mas algumas pilhas inflamatórios - T-Linfócitos específicos chamados MAIT - são activadas por determinadas bactérias. As Equipas de investigação coordenaram por Karine Clément e Agnès Lehuen tentou assim determinar se estas pilhas estiveram alteradas nos pacientes com tipo - 2 diabetes ou obesidade.

Seus resultados revelaram uma alteração clara destes linfócitos de MAIT: seus níveis foram reduzidos muito marcada em amostras de sangue, e eram mesmo indetectáveis em um quarto de pacientes obesos. Contudo, o tecido adiposo do diabético e dos pacientes obesos conteve quantidades muito maiores destes linfócitos do que aquelas encontradas em assuntos saudáveis. Certamente, sua activação foi aumentada, produzindo grandes quantidades de cytokines (moléculas inflamatórios).

Além, após a cirurgia bariatric (desvio gástrica), que é sabida para melhorar o diabetes e a inflamação, a freqüência de circular linfócitos de MAIT aumentou, retornando aos níveis observados em assuntos não-obesos e do não-diabético. Similarmente, a produção de cytokines por linfócitos de MAIT foi reduzida marcada após este procedimento cirúrgico.

Estes resultados destacam uma correlação forte entre linfócitos de MAIT e deficiências orgânicas metabólicas. Sugerem que estas pilhas participem na revelação do tipo - 2 diabetes e obesidade. Os cientistas propor que possam ser activados por uma alteração da flora do intestino (microbiota) em tais pacientes, a inflamação assim crescente. O passo seguinte será verificar a relação entre estas pilhas de MAIT e o microbiota. Por exemplo, fazem os pacientes que já não indique pilhas de circulação de MAIT para ter um microbiota diferente daquela vista nos assuntos cujo no sangue tais pilhas podem ainda ser detectadas? Para responder a estas perguntas, os pesquisadores estão planeando agora arranjar em seqüência o microbiota de pacientes obesos, antes e depois da cirurgia bariatric.

Source: CNRS