Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Os cientistas usam a radiação óptica para tratar o cancro a nível celular

A ideia é resolver o problema a nível celular para executar o diagnóstico adiantado e a terapia.

Querendo conseguir a detecção de cancro adiantada, um grupo de cientistas do centro para a pesquisa no sistema ótico (CIO) de Guadalajara, em México, procura endereçar o problema da pilha com radiação óptica.

“A ideia é encontrar diagnóstico e as soluções terapêuticas aos problemas de saúde como o cancro a nível celular,” especificam Gabriel Ramos Ortiz, PhD em ciências ópticas.

O desafio é gerar os nanostructures capazes de identificar a presença de pilhas cancerígenos em um organismo ou em um tecido biológico obtendo uma imagem disso. Os nanostructures têm que ser selectivos e para indicar somente a área danificada, diz o cientista.

É conseqüentemente necessário desenvolver nanoparticles orgânicos com propriedades ópticas (luminescência e absorção do fotão), que quando expor à radiação infravermelha se emitem a luz intensa que pode ajudar a encontrar as áreas específicas onde o problema é encontrado.

O pesquisador indica que diferente da quimioterapia ou da cirurgia, que são agressivas e afectam outros órgãos, a radiação óptica infravermelha pode ser usada para criar uma imagem do diagnóstico ou para fornecer a terapia a nível celular que visa somente as áreas danificadas.

“Muito diagnóstico é feito pela biópsia. O ideal para nós é detectar o problema no escritório ou a nível clínico simples, com uma técnica que sinalize a edição quando apenas está começando. Além, o biophotonics oferece soluções não invasoras, porque pode ser aplicado selectivamente na área onde o cancro é encontrado, quando a quimioterapia gerar os danos colaterais durante todo o corpo, “diz Gabriel Ramos.

Também, os cientistas no CIO estão estudando a radiação óptica para a aplicação na microscopia a fim obter imagens específicas da célula cancerosa.

A radiação óptica, ao contrário da microscopia tradicional, trabalha de acordo com excita a amostra pelo laser. “Estimulando um espécime biológico com radiação de laser infravermelha, a luz fluorescente é obtida que pode então ser recolhida e obtem uma imagem clara. Com o acima, nós podemos reconhecer a estrutura biológica da pilha, sua dinâmica e fisiologia, “adiciona o perito.

Autenticação e controle da qualidade das bebidas

Além disso, o centro para a pesquisa no sistema ótico está desenvolvendo uma técnica baseada no photonics para servir no controle da qualidade e da autenticidade de bebidas alcoólicas tais como o tequila. A técnica consiste fazer a radiação óptica (luz) interage com o tequila, e analisa a informação obtida a fim saber se tem cem por cento autêntica e se um controle adequado da qualidade estêve seguido.

Gabriel Ramos explica que o reposado do tequila está envelhecido nos tambores que dão à bebida uma cor característica “que seja fácil de falsificar com tintura ou doces; contudo, o tambor contem uma “impressão digital original”, que seja revelada focalizando a luz no tequila, que fornece a informação diferente segundo se é autêntica ou se a cor vem de uma molécula do caramelo “e assim a pureza do produto é determinada.

Este sistema pode reduzir o tempo e o custo no controle da qualidade, porque as autoridades são lentas aplicar testes analíticos para determinar a autenticidade.

Source:

Center for Research in Optics (CIO)