Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A visão Extremamente deficiente pode ser causada pelo estrabismo na primeira infância

A visão Extremamente deficiente pode ser causada pelo estrabismo na primeira infância ou por uma linha central óptica deslocada. A Ambliopia é causada não por dano orgânico aos olhos mas pelo cérebro que cabe incorrectamente junto as imagens os olhos fornecem. Em conseqüência, a capacidade para considerar um objeto no foco afiado é severamente limitada. Isto ocorre mais de um em 20 da população Alemão, como a mostra de Heike M. Elflein em e outros em um artigo original recente no International de Deutsches Ärzteblatt (Dtsch Arztebl Int 2015; 112(19): 338-44). O estudo dos autores analisou a acuidade visual sobre de 3200 indivíduos envelhecidos entre 35 e 44 anos e determinou a freqüência e as causas da ambliopia.

Os participantes do Estudo foram examinados por oftalmologista; sobre 180 participantes apresentados a evidência da ambliopia. Ao meio daqueles afetados, a falta da acuidade visual foi causada por diferenças na refracção entre os dois olhos (anisometropia); em quase um em quatro foi causada pelo estrabismo. Porque os olhos são realmente intactos, os exames de olho padrão não detectam esta doença. Na vida quotidiana também, os sintomas são detectados quase nunca nas crianças. Isto tem conseqüências profundas, porque os problemas da visão causados pela ambliopia têm que ser tratados cedo: mais idosa a criança, mais baixa a possibilidade do tratamento bem sucedido. Os autores indicam conseqüentemente que os médicos e os pediatras da atenção primária, assim como os oftalmologista, devem ser vigilantes para a ambliopia.

Source: International de Deutsches Aerzteblatt