Os cientistas Japoneses capturam a distribuição viva da melanina dentro da pele

Com pouca ajuda das galinhas e das câmaras de vídeo, os cientistas capturaram vivo o momento em que a pele obtem mais escura. Em um estudo que aparece em Relatórios Científicos, uma equipe Japonesa filmou e desmistificou o processo por que melanina -- moléculas que dão a pele sua cor -- são levados à epiderme.

“Nosso estudo estabelece um debate de longa data sobre como a melanina é transportada dos melanocytes, as pilhas onde é sintetizado, aos keratinocytes, as pilhas que protege no corpo real,” diz Ryosuke Tadokoro da Escola da Universidade de Kyoto da Ciência, que conduziu o estudo.

Os pigmentos da Melanina protegem a pele de dano do ADN cercando -- e assim guardando -- os núcleos dos keratinocytes.

“O processo de produção da melanina foi estudado extensivamente, mas desde que precisa de viajar de algum modo, é igualmente crucial compreender o processo de transporte a fim desenvolver tratamentos dermatological eficazes,” explica o Yoshiko Takahashi da Universidade de Kyoto, autor superior do estudo.

“Em nossas experiências, nós imitamos em 3D como as pilhas são organizadas realmente. Nós igualmente usamos o tecido da galinha, que é similar a nossos em termos de como os melanocytes são distribuídos durante todo a pele.”

Usando uma técnica de imagem lactente nova da fluorescência da em-casa, a equipe encontrou esse formulário “bolhas” das membranas do melanocyte, que se transformam veículos para melanosomes levando. Uma Vez Que a carga é carregada, estas estruturas comprimem fora, migram, e “estão comidas” por keratinocytes. Os melanosomes então incorporam as pilhas e cercam seus núcleos, protegendo os de dano.

“A pigmentação de Controlo da pele é crucial para proteger nossa pele de dano UV,” continua Takahashi, indicando essa formação da vesícula e as proteínas necessárias para ela são análogas a como as células cancerosas espalham às partes diferentes do corpo.

“Este encontrar, quando apenas uma primeira etapa, poderia ter implicações significativas em contextos cosméticos e nos estudos de síndromes do depigmentation e de cancro de pele.”

Source: Universidade de Kyoto

Source:

Kyoto University