Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

CRISPR não pode ser tão à prova de idiotas como acreditado mais cedo - o gene que edita a tecnologia conduz às mutações indesejáveis

CRISPR-Cas9 é uma tecnologia deedição nova revolucionária que seja chamada “tesouras moleculars” e seja uma das ferramentas as mais acessíveis para coordenadores genéticos nos tempos recentes. Faz cortarando-col seqüências do gene quase tão fácil quanto soa. CRISPR foi saudado como uma descoberta na genética.

Esta nova tecnologia foi usada para batê-los no ponto principal da mutação de alguns cancros com a capacidade à emenda e para fazer mudanças. Touted para ser um benefício em tratar a cegueira genética e outras doenças genéticas em animais vivos. Poderia igualmente ser usada na alteração de embriões humanos no tratamento do aborto e da infertilidade. Os usos potenciais foram muitos como eram as expectativas.

Contudo um estudo que seja publicado nos métodos da natureza do jornal agora mostra que esta nova tecnologia não pode ser tão à prova de idiotas como se acreditou mais cedo para ser. Pode ainda ter que ser lustrado e afiado para poder cortarar-col perfeitamente o ADN humano. Estas senões que foram relatadas no estudo incluem as mutações indesejáveis que podem ser causadas pela tecnologia.

Os pesquisadores na Universidade de Columbia executavam um estudo para tentar a cegueira correcta nos ratos. Notaram que CRISPR era bem sucedido em editar um gene particular responsável para a cegueira. Contudo igualmente conduziu a um número alarming de mutações em outros mil genes sem intenção e untargeted. Tem-se sabido mais cedo que CRISPR não pode ser absolutamente exacto em seus genes do alvo mas a extensão dela era desconhecida e não-relatado até agora. Este estudo agora pode ajudar pesquisadores a compreender o problema em uma maneira mais extensiva.

Presentemente há dois ensaios clínicos relatados que usam CRISPR nos seres humanos em China. A experimentação nos Estados Unidos foi indicada para começar algum dia no ano seguinte. Para estas experimentações, os algoritmos com carácter de previsão seriam usados para identificar as áreas que poderiam ser afetadas além das áreas do gene do alvo. Assim a tecnologia podia muito bem ser ajustada e alterado para aumentar sua precisão. Mas apesar destas protecções no lugar, os cientistas são agitados sobre a utilização desta tecnologia nos seres humanos demasiado prematuramente.

Gene CRISPR-CAS9 que edita o complexo do estreptococo - pyogenes. A proteína da nuclease Cas9 usa uma seqüência do RNA do guia para cortar o ADN em um local complementar. Proteína Cas9: modelo de superfície da cerceta. Crédito de imagem: olekuul_be/Shutterstock

Gene CRISPR-CAS9 que edita o complexo do estreptococo - pyogenes. A proteína da nuclease Cas9 usa uma seqüência do RNA do guia para cortar o ADN em um local complementar. Proteína Cas9: modelo de superfície da cerceta. Crédito de imagem: olekuul_be/Shutterstock

Estes algoritmos com carácter de previsão que usado para identificar com sucesso as áreas que a técnica poderia afectar além das áreas de alvo nos ajustes do laboratório. Mas quando os mesmos algoritmos foram aplicados aos ratos que foram usados para a pesquisa da cura da cegueira, os algoritmos não trabalharam. Após a experiência, CRISPR corrigiu com sucesso o gene desejado que conduz à restauração da visão nos ratos. Mas dois ratos sofreram mais de 1.500 mutações sem intenção e sobre 100 supressões e inserções dos genes. Estes foram faltados completamente pelo algoritmo. Contudo nada foi encontrado imediatamente ser errado nos ratos que desenvolveram estas mutações. Por exemplo não desenvolveram nenhuns tumores ou cancros que poderiam ser localizados às mutações. Mas o impacto de grande envergadura destas mutações ainda permanece desconhecido e um motivo de preocupação especialmente se devem ser tentada nos seres humanos.

Não é que os pesquisadores não têm trabalhado na precisão de CRISPR ao longo dos últimos anos depois que foi desenvolvida. Tem sequestrado com sucesso o sistema imunitário bacteriano para alterar seqüências específicas do ADN. Mas sem segurança necessária muda na técnica, é improvável que esta tecnologia encontrará muitos compradores além do laboratório de pesquisa e no campo. Mais trabalham nos cartões para que esta tecnologia emergente seja eficazes e seguros nos seres humanos.

What you need to know about CRISPR | Ellen Jorgensen
Dr. Ananya Mandal

Written by

Dr. Ananya Mandal

Dr. Ananya Mandal is a doctor by profession, lecturer by vocation and a medical writer by passion. She specialized in Clinical Pharmacology after her bachelor's (MBBS). For her, health communication is not just writing complicated reviews for professionals but making medical knowledge understandable and available to the general public as well.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Mandal, Ananya. (2018, August 23). CRISPR não pode ser tão à prova de idiotas como acreditado mais cedo - o gene que edita a tecnologia conduz às mutações indesejáveis. News-Medical. Retrieved on January 24, 2022 from https://www.news-medical.net/news/20170530/CRISPR-may-not-be-as-foolproof-as-earlier-believed-gene-editing-tech-leads-to-unwanted-mutations.aspx.

  • MLA

    Mandal, Ananya. "CRISPR não pode ser tão à prova de idiotas como acreditado mais cedo - o gene que edita a tecnologia conduz às mutações indesejáveis". News-Medical. 24 January 2022. <https://www.news-medical.net/news/20170530/CRISPR-may-not-be-as-foolproof-as-earlier-believed-gene-editing-tech-leads-to-unwanted-mutations.aspx>.

  • Chicago

    Mandal, Ananya. "CRISPR não pode ser tão à prova de idiotas como acreditado mais cedo - o gene que edita a tecnologia conduz às mutações indesejáveis". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20170530/CRISPR-may-not-be-as-foolproof-as-earlier-believed-gene-editing-tech-leads-to-unwanted-mutations.aspx. (accessed January 24, 2022).

  • Harvard

    Mandal, Ananya. 2018. CRISPR não pode ser tão à prova de idiotas como acreditado mais cedo - o gene que edita a tecnologia conduz às mutações indesejáveis. News-Medical, viewed 24 January 2022, https://www.news-medical.net/news/20170530/CRISPR-may-not-be-as-foolproof-as-earlier-believed-gene-editing-tech-leads-to-unwanted-mutations.aspx.