O Pesquisador desenvolve modelos da medula para estudar doenças hematológicas e osteomusculares

Para sua pesquisa sobre a revelação de desordens hematológicas e osteomusculares, o Dr. Cornelia Lee-Thedieck, cientista no Instituto de Tecnologia de Karlsruhe (JOGO), é concedido um ERC que Começa Grant: O Conselho de Pesquisa Europeu decidiu financiar seu projecto “bloodANDbone” com EUR 1,5 milhões por cinco anos. No Instituto do JOGO das Relações Funcionais (IFG), o Lee-Thedieck desenvolve modelos da medula humana para estudar a regeneração do sangue e o osso por células estaminais e como esta regeneração é perturbada nas doenças como metástases da leucemia ou do osso.

Ambos, o sangue e o osso os seres humanos têm o potencial regenerar. Esta capacidade é devida às células estaminais multipotent que podem se diferenciar em vários tipos da pilha: As células estaminais Hematopoietic (HSCs) são precursores de todos os tipos da pilha do sangue; as células estaminais mesenchymal (MSCs) são pilhas do precursor do tecido conjuntivo e podem diferenciar-se para desossar, cartilagem, e pilhas de músculo. Naturalmente, HSCs e os CAM são encontrados na medula humana. Em caso dos muitos o sangue e as desordens osteomusculares, o potencial regenerative do sangue e o osso são perturbados. Reparar este potencial com a ajuda das células estaminais pôde ser a chave ao tratamento regenerative destas doenças.

É conhecido que as células estaminais do sangue estão influenciadas por seu ambiente local natural, sua ameia na medula. Contudo, pouco é sabido no sentido oposto desta interferência - a influência de HSCs na medula e no sistema deformação. Esta diferença será agora fechado pelo Dr. Cornelia Lee-Thedieck, cabeça da “Sangue do seu projecto das Interacções do Pilha-Material Haste” do Grupo de Investigação Júnior no Instituto do JOGO de Relações Funcionais com “e Osso - Gêmeos Coligados na Saúde e na Doença: Analogs da Medula para Doenças Hematológicas e Osteomusculares.”

“Somente estudar o relacionamento e as interacções mútuas entre o sangue e o osso permitirá que nós compreendam como seu potencial da regeneração é perturbado na doença e como pode ser restaurado por métodos de tratamento novos,” o Lee-Thedieck explica. Dentro de seu projecto, o pesquisador desenvolve in vitro modelos da medula humana para estudar a iniciação e a revelação de doenças hematológicas e osteomusculares freqüentes, tais como a leucemia, o mieloma múltiplo, e a metástase do osso. O Lee-Thedieck de Cornelia aproveita-se de um modelo da medula desenvolvido previamente com seu grupo. Consiste nos matérias biológicos porosos carregados com as pilhas. Suas propriedades físicas, bioquímicas, e biológicas podem ser ajustadas especificamente. “Nesta base, nós desenvolveremos os modelos biomimetic novos que imitam estruturas biológicas de doenças da medula. Com a ajuda destes modelos, nós poderemos estudar como o equilíbrio regenerative na medula humana é mantido na saúde e como é perturbado na doença,” o cientista dizemos. “Compreender isto é uma condição prévia importante para a revelação de terapias regenerativas novas.” Os Agradecimentos a sua escalabilidade, os modelos da medula são seridos igualmente como em sistemas do vitro-teste para a selecção de drogas novas e de terapias.

Advertisement