As pilhas originais do ancestral no pâncreas têm o potencial desenvolver beta pilhas glicose-responsivas

Os cientistas do instituto de investigação do diabetes na universidade da Faculdade de Medicina de Miami Miller confirmaram a existência de pilhas do ancestral dentro do pâncreas humano que pode ser estimulado para se tornar beta pilhas glicose-responsivas. Estes resultados significativos, publicados em relatórios da pilha, abrem a porta a desenvolver as terapias de pilha regenerativas para aquelas que vivem com o tipo - 1 diabetes, endereçando um desafio principal que esteja na maneira de descobrir uma cura biológica para a doença.

A noção que as pilhas do ancestral dos portos do pâncreas com o potencial regenerar ilhotas estiveram supor por décadas, mas demonstrado não conclusiva. Os cientistas de DRI têm podido agora identificar o lugar anatômico exacto destas células estaminais e validar seus potencial e capacidade proliferative transformar em beta pilhas glicose-responsivas.

“Nosso estudo detalhado destas células estaminais pancreáticos pode ajudar-nos a bater “banco” em uma fonte endógena da pilha para beta finalidades da regeneração da pilha e, a conduzir no futuro aos pedidos terapêuticos para os povos que vivem com o tipo - 1 diabetes,” disse Juan Domínguez-Bendala, Ph.D., director de DRI da revelação pancreático da célula estaminal para a pesquisa translational e o investigador co-principal do estudo ao lado do Dr. Ricardo Pastori, Ph.D., director da biologia molecular. “Junto com nossos resultados precedentes usando BMP-7 para estimular seu crescimento, nós acreditamos que nós podemos poder induzir estas células estaminais se transformar ilhotas funcionais.”

A equipe de DRI relatou previamente a esse osso a proteína morfogenética 7 (BMP-7), um factor de crescimento natural já aprovado por Food and Drug Administration (FDA) para o uso clínico, estimula ancestral-como pilhas dentro do tecido pancreático cultivado da não-glândula endócrina humana. No estudo o mais recente, os pesquisadores foram sobre demonstrar que aquelas células estaminais que respondem a BMP-7 residem dentro da rede ductal e glandular pancreático do órgão. Adicionalmente, as pilhas são caracterizadas pela expressão de PDX1, por uma proteína necessária para a beta revelação da pilha, e por ALK3, um receptor da superfície da pilha que seja associado com a regeneração de tecidos múltiplos. Usando “técnicas da pesca molecular”, podiam extrair selectivamente as pilhas que expressaram PDX1 e ALK3, os crescem em um prato e demonstram que podem proliferar na presença de BMP-7 e mais tarde se diferenciar em beta pilhas. Junto, os resultados combinados do estudo podem ajudar a mover pesquisadores mais perto de desenvolver terapias de pilha regenerativas para o tipo - 1, e dactilografe potencial - 2, diabetes.

No tipo - 1 diabetes, as pilhas deprodução do pâncreas foi destruído equivocadamente pelo sistema imunitário, exigindo pacientes controlar seu açúcar no sangue nivela com um regime diário da terapia da insulina. No tipo - 2 diabetes, pacientes podem produzir alguma insulina, mas suas beta pilhas podem tornar-se disfuncionais ao longo do tempo. A transplantação da ilhota permitiu alguns pacientes com tipo - 1 diabetes a viver sem a necessidade para injecções da insulina após ter recebido infusões das pilhas fornecedoras, porém não há bastante pilhas para tratar milhões de pacientes que podem se beneficiar. Até aqui, os esforços de pesquisa centraram-se primeiramente sobre a criação de umas pilhas mais pancreáticos para a transplantação das fontes como embrionárias (hESc), células estaminais (hPSc) pluripotent e adultas, e ilhotas suínos (do porco), entre outros. Uma solução mais eficiente e potencial mais segura podia encontrar-se em regenerar próprias pilhas deprodução de um paciente, em evitar a necessidade de transplantar completamente o tecido fornecedor e em eliminar outros cortes de estrada imune-relacionados.

“A capacidade para oferecer estratégias regenerativas da medicina restaurar a produção da insulina no pâncreas nativo podia um dia substituir a necessidade para a transplantação do pâncreas ou pilhas da insulina-produção. No tipo - 1 diabetes, este exigiria a ab-rogação da auto-imunidade evitar a destruição imune da insulina recentemente formada produzindo pilhas. Por este motivo nossos esforços actuais são convergentes na indução imune da tolerância sem a necessidade para drogas longas da anti-rejeção da vida,” disse Camillo Ricordi, M.D., director do instituto de investigação do diabetes e professor de Goodman da alegria de Stacy da cirurgia.