Os pesquisadores tomam a etapa importante para encontrar biomarkers da proteína durante a cirurgia do cancro

Isabelle Fournier e sua equipe está para fora mudar a oncologia cirúrgica.

A “melhor cirurgia é associada com o melhor prognóstico e sobrevivência mais alta,” disse Fournier, um professor na universidade de Lille e o co-director de um centro de INSERM, instituto do proteomics de saúde nacional francês. Seu laboratório trabalhou por diversos anos em um dispositivo que chamam o SpiderMass que permitirá cirurgiões de procurar marcadores do cancro no tecido de um paciente vivo, durante uma operação. Em um artigo em Proteomics molecular & celular, a equipe relata em uma etapa importante para encontrar biomarkers da proteína durante a cirurgia.

A cirurgia para remover um tumor preliminar envolve uma espera. Após o tumor e algum tecido circunvizinho saudável estão removidos, as pausas da equipe cirúrgica quando um patologista verificar as margens do tecido sob um microscópio. Embora este processo seja importante para impedir o retorno do cancro, pode adicionar acima a 45 actas arriscadas sob a anestesia.

Com o dispositivo novo, Fournier disse, “nós pensamos que é possível abrir in vivo a maneira ao proteomics do tempo real,” que poderiam ajudar cirurgiões a encontrar células cancerosas dispersas mais rápidas, talvez mesmo enquanto fazem incisão.

O dispositivo de Fournier usa a espectrometria em massa, que mede a massa das moléculas das misturas complexas. Mas transformar in vivo uma amostra de tecido em íons da fase de gás para medidas pode ser um desafio. Até aqui, ninguém soube extrair íons dos tecidos vivos sem fazer o dano.

Assim a equipe de Fournier obteve criativa. Riffing em MALDI, uma estratégia da ionização que usasse uma molécula do portador misturou com o analyte do interesse, eles decidiu usar a água que compo uma maioria do tecido humano como um portador para produzir uma dessorção água-ajudada/ionização do laser, ou WALDI. Se poderiam excitar a água em uma área minúscula, deve vaporizar, tomando moléculas orgânicas ionizadas com ela.

“Era uma ideia no início, e muitos povos pensaram que não trabalharia,” Fourier disseram. “Finalmente, nós temo-la trabalhar belamente.”

A equipe construiu um dispositivo da excitação do laser pulsado ajustado para aquecer precisamente a água causando a vibração na ligação do oxigênio-hidrogênio. Em um papel 2016, descreveram usar este laser para ionizar a camada ultraperiférica de tecido, penetrando menos do que o um-vigésimo de um milímetro. Os voluntários do ser humano relataram uma sensação formigando ligeira. Mas os íons que apareceram eram na maior parte as moléculas e os lipidos pequenos, que são mais aptos do que proteínas para adotar uma carga negativa. A equipe esperada medir também proteínas.

Neste papel novo, Fournier e os colegas relatam que rachou o enigma da proteína. Usando um espectrómetro em massa mais sensível e procurando positivamente em vez de negativamente - íons cobrados, encontraram picos representar proteínas que refinadas tinham introduzido em uma amostra do fígado da vaca. Agora que sabem as proteínas são detectáveis, o passo seguinte estará encontrando maneiras de amplificar o sinal da proteína sobre uns lipidos e uns metabolitos mais abundantes.

Entretanto, o dispositivo é já dentro uso para pacientes quadrúpedes. O laboratório de Fournier trabalhou com a pesquisa clínica de Oncovet da empresa veterinária de Biotech para executar uma experimentação piloto, comparando biópsias dos cães de estimação com o sarcoma aos tecidos saudáveis. A equipe desenvolveu um sistema metabolomics-baseado do lipidomics- e de classificação para identificar robusta tecidos saudáveis, necrotic e cancerígenos. Logo, introduzirão um protótipo em uma sala de operações veterinária. Se é bem sucedida lá, Fournier disse, ela espera alcançar as clínicas humanas, melhorando a cirurgia da remoção do tumor para dar melhor resultados da saúde dos pacientes.