Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

O método novo que usa dados grandes utiliza ferramentas as mostras que prometem rotas para a pesquisa

Um grupo de pesquisadores afiliado à universidade de São Paulo (USP) - terreno Ribeirão Preto, Brasil, ferramentas grandes usadas dos dados tais como a mineração de dados e a análise de rede para desenvolver um método para ajudar cientistas e empresas a identificar rotas tecnologicos, tendências e parcerias em alguma área do conhecimento. Com esta finalidade, recolheu a informação das bases de dados da patente em todo o mundo.

Além do que o traço das patentes em uma área, este método novo identifica as rotas tecnologicos usadas por empresas e universidades em diversos países, assim como tendências emergentes e redes das parcerias entre as empresas e as instituições científicas activas no sector.

Descrito em um artigo publicado na biotecnologia da natureza, o método resultou da pesquisa pos-doctoral do biólogo Cristiano Gonçalves Pereira na universidade da escola do Ribeirão Preto de São Paulo da economia, da administração e da contabilidade (FEARP-USP), apoiadas por uma bolsa de estudos da fundação de pesquisa de São Paulo - FAPESP.

Pereira foi supervisionado por Geciane Silveira Porto, um professor em FEARP-USP e coordenador do centro para a pesquisa sobre a inovação, a gestão da tecnologia e a concorrência (InGTeC). As colaborações caracterizadas estudo de Virgínia Picanço-Castro e Dimas Tadeu Covas), respectivamente pesquisador e coordenador no centro para a terapia baseado em celulas (CTC), em um centro da pesquisa, da inovação e da disseminação (RIDC) financiado por FAPESP.

Os pesquisadores usaram a pesquisa de recombinação do factor VIII como um exemplo prático para desenvolver o método. O factor de recombinação VIII é uma proteína produzida sintètica das pilhas humanas para tratar os pacientes que sofrem da hemofilia A, uma desordem da coagulação de sangue causada por uma mutação genética na região do ADN do cromossoma de X que deve produzir o factor VIII.

A revelação dos estudos em rotas tecnologicos para o factor de recombinação VIII - assim como para a energia solar e os combustíveis biológicos - foi apoiada por FAPESP, que igualmente financiou o uso dos pesquisadores das solicitudes de patente e das concessões de uma coberta da base de dados processadas por serviços de patentes no mundo inteiro.

Avanços na pesquisa da hemofilia

Encontrar uma maneira de prolongar a acção do factor de recombinação VIII no organismo podia consideravelmente melhorar as vidas dos hemofílico. Empregar moléculas novas na combinação reservaria estender a meia-vida do factor de recombinação VIII, que por sua vez reduziria o número de aplicações da proteína e do custo de tratamento.

Analisando patentes relevantes, InGTeC e o CTC produziram o conhecimento que permitiu que os pesquisadores encontrassem uma molécula chamada XTEN, que pode ser considerado como meios altamente prometedores de estender a meia-vida do factor de recombinação VIII.

Pereira explicou porque o grupo escolheu o traço de patentes em vez dos artigos científicos. Da “as bases de dados patente são mais robustas e fornecem uma imagem mais exacta do último modelo no campo do interesse,” Pereira explicaram. “Além, as citações de artigos científicos são uma escolha: o pesquisador decide que referências a mencionar em um papel. No caso das patentes, o candidato é exigido mencionar todas as patentes usadas para desenvolver uma inovação mesmo se pertencem a um concorrente.”

Entre as tendências inovativas na investigação e desenvolvimento no factor de recombinação VIII detectado pelo estudo é a produção em grande escala com mais de alta qualidade.

“O foco para muito R&D neste campo está em adicionar suplementos ao factor de recombinação VIII de modo que seja mais concentrado, robusto e refinado. Nós igualmente observamos as tecnologias projetadas reduzir a imunogenicidade da proteína, significando sua capacidade para estimular uma resposta imune no paciente,” Pereira disse. A resposta imune é um problema a ser resolvido porque, embora de recombinação fatore VIII é produzido das pilhas humanas, pode ser rejeitado pelo organismo do paciente se o sistema imunitário o identifica como um corpo estrangeiro e o ataca.

Redes de cooperação

A mineração de dados para o projecto usou a inovação de Derwent, uma plataforma que cobre quase 100 serviços de patentes para jurisdições em todo o mundo, incluindo Brasil.

Os pesquisadores encontraram 3.424 patentes em relação ao factor de recombinação VIII para o período 1997-2016 (patentes neste campo tipicamente por último 20 anos). Os anos 2017 e 2018 não foram procurarados devido às regras do secretismo que governam solicitudes de patente neste período.

Terminando a avaliação, pesquisadores igualmente necessários para ler mais de 3.400 originais, que não seriam possíveis sem as ferramentas grandes dos dados tais como a mineração de dados.

Distribuíram métodos tais como a distribuição de freqüência da análise e da palavra do texto, assim como a análise de rede social, que usa recursos computacionais para estudar as interacções entre os povos, os grupos e as organizações em todo o campo dado.

“Nosso primeiro interesse era considerar como a cooperação ocorre e traça as redes de cooperação,” Pereira disse. “Nós identificamos então procuradores da patente, que está cooperando com quem, a interacção entre universidades, instituições e empresas de pesquisa, que é mais ou menos influente na rede, que precisa parcerias, e outros factores.”

O estudo mostrou, por exemplo, que os Estados Unidos são o país principal em termos da produção da patente neste campo; aquele lá é um grupo de empresas européias que colaboram intensa um com o otro e é conseqüentemente mais influente; e esse Brasil não caracteriza em nenhuma redes de cooperação, provavelmente porque a colaboração entre suas empresas e instituições de pesquisa é demasiado rara para que o método detecte.

O passo seguinte era uma análise da sondagem tecnologico para compreender nos últimos anos tendências emergentes e para detectar tendências do futuro.

“Para fazer isto, nós estudamos as citações da patente e os temas da patente, analisando títulos e minando os termos os mais freqüentes nos últimos 20 anos. Nós fizemos a mesma análise pelos últimos cinco anos para detectar tendências emergentes,” Pereira disse.

O método gerou dois mapas de rede, um para a cooperação que identificou os nós que ligam empresas e instituições de pesquisa, e outro para citações da patente. “O mapa de rede da citação da patente mostra como as ajudas de uma tecnologia constroem o outro e seguem os fluxos do conhecimento envolvidos,” notou o pesquisador FAPESP-apoiado.

Porque as inovações resultam tipicamente de uma combinação de diversas patentes, é possível concluir que mais frequentemente a combinação mencionada da patente indica uma tendência em rotas tecnologicos.

Para analisar citações e traçar rotas tecnologicos, Pereira adaptou um de encaixe desenvolvido por InGTeC para permitir o software de Gephi de calcular a contagem de relação do trajecto de busca, que é o número de épocas que a rota a mais freqüente foi usada.

O estudo não conduziu no software automaticamente aplicável ou a uma plataforma específica, mas de acordo com Pereira, o método pode ser reproduzido para procurarar todo o campo baseado nas explicações fornecidas no artigo publicado na biotecnologia da natureza.

Importância do mercado

O coordenador Silveira Porto de InGTeC forçou a importância de crescimento dada às patentes na academia agora que as universidades e as instituições de pesquisa estão colocando mais ênfase em números da aplicação.

“O traço tecnologico da rota pode ajudar pesquisadores a identificar tecnologias emergentes em seus campos,” disse. “Quando projectam um projecto de investigação, podem usar este conhecimento para propr os estudos que estão na fronteira científica e tecnologico.”

O traço tecnologico da rota é igualmente altamente útil para empresas. “O método pode dar um gerente ou um director de investigação, revelação e inovação uma vista geral das tecnologias emergentes no sector da empresa ou nos sectores em que está planeando investir. Pode igualmente ser usado para comparar a fase da maturidade tecnologico alcançada pela empresa com a maturidade das empresas que possuir as tecnologias principais nas rotas identificou pelo exercício de traço,” Porto adicionou.

Os “gerentes podem usar esta informação para levar a cabo parcerias tecnologicos e transferência tecnológica, ou mesmo para adquiri-los ou investi-los em uma partida. A contribuição do método para a inteligência estratégica corporativa é altamente significativa.”