Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

O estudo pode ajudar a identificar pacientes em tem uma recaída o risco depois que tratamento para a desordem do uso da cocaína

Um estudo conduzido na universidade de São Paulo (USP) em Brasil e descrito em um artigo publicado na dependência da droga e do álcool do jornal pode ajudar trabalhadores dos cuidados médicos a identificar os pacientes que arriscam têm uma recaída após se ter submetido ao tratamento para a desordem do uso da cocaína.

De acordo com os autores, os resultados reforçam a necessidade de oferecer estratégias particularizadas do tratamento para estes casos, que são considerados severos.

O investigador principal para o estudo era Paulo Jannuzzi Cunha, um professor na universidade da Faculdade de Medicina de São Paulo (FM-USP), com uma bolsa de estudos pos-doctoral da pesquisa da fundação de pesquisa de São Paulo - FAPESP e apoio do Conselho Nacional para a revelação científica e tecnologico (CNPq).

Por 30 dias, os pesquisadores monitoraram 68 pacientes admitidos para o tratamento para a dependência da cocaína ao instituto do psiquiatria do hospital DAS Clínicas, ao general de FM-USP e ao hospital de ensino em São Paulo. Todos os pacientes se ofereceram para participar no estudo. Foram contactados três meses após a descarga para verificar sua abstinência. Todos com exceção de 14 relataram ter uma recaída, definidos como pelo menos um episódio do uso da cocaína durante o período.

Um dos objetivos do estudo era determinar se os 11 critérios para diagnosticar a dependência química estabelecida no DSM-5 eram igualmente eficazes em prever a resposta ao tratamento. DSM-5 é a edição a mais atrasada do diagnóstico e do manual estatístico dos transtornos mentais, publicados pela associação psiquiátrica americana (APA) e avaliados como a classificação padrão por profissionais de saúde mental em muitas partes do mundo.

Nossa hipótese era que estes critérios não ajudariam exactamente a prever têm uma recaída. Contudo, após ter terminado o estudo, nós reconhecemos que podem de facto ser úteis para prever a vulnerabilidade para ter uma recaída.”

Paulo Jannuzzi Cunha

Os critérios DSM-5 para diagnosticar uma desordem do uso da substância incluem a tomada da droga em quantidades maiores e/ou por uns períodos mais longos do que pretendidos; implorar, ou um desejo forte para usar a droga; dando acima actividades sociais, ocupacionais ou recreacionais devido ao uso da substância; uso continuado apesar de ter problemas sociais ou interpessoais persistentes causados ou agravados pelos efeitos da droga; tolerância (que precisa aumentando quantidades para conseguir o efeito desejado); e sintomas de retirada, entre outros.

De acordo com as directrizes DSM-5, uma desordem do uso da substância pode ser considerada suave se dois ou três dos 11 critérios estão encontrados para um ano, um moderado se quatro ou cinco estão encontrados por um ano, ou um severo se seis ou mais estão encontrados por um ano.

Nossos somente casos incluídos amostra classificados como severos. Nós observamos uma diferença clara entre os pacientes que encontraram seis a oito critérios e os aqueles que encontraram nove a 11. A taxa ter uma recaída era significativamente mais alta no último grupo.”

Danielle Ruiz Lima, primeiro autor do artigo

Os resultados sugeriram que as três categorias recomendadas por DSM-5 fossem revistas. “Parece haver grupo “ultra-severo um” assim como grupo “severo um”,” disse.

Refinando a análise

Uma outra hipótese investigada era que o teste padrão do uso da cocaína (contagem DSM-5 mais factores tais como a idade no início do uso e a intensidade do uso no mês antes da admissão de hospital) e o deficit cognitivo causado pela droga eram as variáveis relacionadas que poderiam ajudar a prever ter uma recaída após o tratamento.

Os pesquisadores usaram diversos testes para avaliar o desempenho dos participantes no funcionamento executivo, que incluem a memória de funcionamento (exigida para acções específicas, tais como aquelas de um garçom que tenha que associar pedidos com os clientes e os entregar correctamente), a atenção sustentada (a capacidade para focalizar para enquanto toma para terminar uma tarefa específica, tal como completar um formulário, sem ser confundida), e o controle inibitório (a capacidade controlar impulsos).

Os pesquisadores aplicaram os testes um a semana após a admissão em média, porque consideraram este tempo de espera suficiente para saber se a toxicologia da urina era negativa. O alvo deste procedimento era evitar efeitos agudos da droga no organismo.

Um dos testes usados para medir o período de memória exigiu o paciente repetir uma seqüência de ascensão dos números apresentados pelos pesquisadores. Pacientes que tinham feito o uso intensivo da cocaína no mês precedente antes que a admissão underperformed neste teste.

Em outros testes, neste caso usados para medir a atenção selectiva, a flexibilidade cognitiva e o controle inibitório, pacientes estiveram pedidos para repetir uma seqüência das cores e para nomear então a cor da tinta quando o nome de uma cor diferente é imprimido (a palavra “amarelo” impresso na tinta azul, por exemplo).

“A resposta automática é ler como necessário o que é escrita em vez de nomear a cor da tinta. O controle inibitório é essencial executar esta tarefa. Esta função é extremamente importante nas fases iniciais de reabilitação da dependência de droga, quando o paciente tem que tratar a ânsia e as situações que estimulam o desejo usar a droga,” Cunha disse.

A análise mostrou uma correlação entre resultados da análise do controle inibitório e a idade no início do uso da cocaína. “Mais adiantado o início, mais os erros que fizeram, de que poderia apontar a um risco mais alto têm uma recaída. A ideia é identificar os povos que têm dificuldades substanciais de modo que nós possamos dar certo estratégias particularizadas do tratamento,” Lima disseram.

O uso intenso da cocaína nos 30 dias que precedem a admissão igualmente correlacionou com a prestaçaõ inferior no teste de controle inibitório e no teste da memória de funcionamento, em que o paciente foi pedido para escutar uma seqüência dos números e para os repetir no ordem inversa, refletindo uma função importante para a manipulação da informação como base para a tomada de decisão.

De acordo com os pesquisadores, os estudos mostraram que as funções executivas podem ser restauradas após um período de abstinência, mas a que extensão e quanto tempo esta recuperação pode tomar seja desconhecido.

O grupo de investigação em FM-USP defende programas de reabilitação cognitivos para apoiar o processo de recuperação. “Nós temos uma proposta inspirador da xadrez que esteja sendo estudada agora,” Cunha dissemos. “Um terapeuta joga a xadrez com o paciente e discute então os movimentos, fazendo analogias com a vida do paciente na tentativa de transferir o conhecimento adquirido no jogo de xadrez à experiência do dia a dia e treinar o controle inibitório, o planeamento e a tomada de decisão saudável no mundo real.”

Em sua opinião, a avaliação de deficits cognitivos é importante para ambos que diagnosticam a desordem do uso da substância e prevendo ter uma recaída. “A dependência química é uma doença de cérebro, e estes testes neuropsychological oferecem uma regra de corrediça com que para o medir objetiva se o dano é suave, moderado ou severo, ao longo das linhas similares à classificação da demência,” disse.

De acordo com os pesquisadores, apesar da importância clínica de resultados da análise neuropsychological, não são parte dos critérios DSM-5, que são baseados unicamente em factores auto-relatados e em observações clínicas.

Nós esperamos que a sexta edição do DSM leva em conta estas revelações no reconhecimento da pesquisa feita por nós e de outros grupos mundiais.”

Paulo Jannuzzi Cunha

Source:

O à Pesquisa de Fundação de Amparo faz Estado de São Paulo

Referência do jornal:

Cunha, o P.J. e outros (2019) o papel do funcionamento neurocognitive, as variáveis do uso da substância e a escala da severidade DSM-5 na cocaína têm uma recaída: Um estudo em perspectiva. Dependência da droga e do álcool. doi.org/10.1016/j.drugalcdep.2019.01.013.