Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

É aprovado para mulheres com lúpus obter grávido com os cuidados adequados, diz o estudo novo

Erythematosus de lúpus sistemático (SLE) é uma doença auto-imune que seja percebida historicamente confer inaceitàvel a um risco elevado à matriz e à criança durante a gravidez. Em conseqüência, a maioria de mulheres com a circunstância foram aconselhadas evitar a gravidez ou terminar sua gravidez. Contudo, este é já não o caso, porque um estudo novo publicado nos anais do jornal da medicina interna revela.

O estudo Bella Mehta autor diz, “mais pacientes do lúpus estão tentando a gravidez, a maioria dos médicos não estão recomendando contra ela, e as mulheres estão tendo entregas bem sucedidas.”

Crédito de imagem: EmiliaUngur/Shutterstock
Crédito de imagem: EmiliaUngur/Shutterstock

Influências de SLE aproximadamente 240 povos fora de cada 100.000 em America do Norte apenas. A maioria destes é mulheres no suporte de idade reprodutivo. As complicações de levar uma gravidez com SLE incluem as desordens hypertensive temidas da gravidez, do pre-eclampsia e do eclampsia, que põem em perigo a mulher e o feto. Contudo, nos anos entre 1960 e 2003, o estudo encontrou que as perdas da gravidez foram para baixo 40% a 17%. As taxas de outras complicações igualmente permanecem mais altamente do que em outras mulheres, mas a tendência de diminuição é encorajadora.

Quando os últimos 20 anos considerarem cientistas fazer descobertas no que causam exactamente as características de SLE, seu tratamento, e em como prever mais exactamente complicações, o estudo procurado encontrar como este conhecimento beneficiou mulheres com o SLE no que diz respeito à gravidez. Os pesquisadores de diversos centros médicos de New York City procurararam a base de dados nacional da amostra (NIS) da paciente internado para recuperar os registros de todas as mulheres gravidas adultas que tinham sido hospitalizadas, com ou sem SLE, desde 1998 até 2015. O NIS representa aproximadamente um quinto de todos os pacientes descarregados dos hospitais da comunidade nos E.U.

Os dados foram analisados então para a morte materna quando no hospital, a morte fetal, a ocorrência do pre-eclampsia e o eclampsia, a entrega da cesariana, as admissões nao relativas à entrega, e a duração da estada do hospital.

Os resultados importantes incluem uma gota íngreme no número de mulheres gravidas com SLE que morreu no hospital, de 442/100,000 nos anos 1998-2000, abaixo a 50/100,000 no período 2013-2015. As taxas correspondentes para pacientes do non-SLE eram 13 e 10 respectivamente. Isto significa que as mulheres com SLE eram aproximadamente 35 vezes mais provavelmente morrer durante a gravidez em conseqüência das complicações doença-relacionadas durante 1998-2000. 2013-2015, isto tinha caído a aproximadamente 5 vezes mais altas que pacientes do non-SLE. A diferença em taxas de mortalidade fetal era igualmente perceptível mas não conseguia o significado estatístico.

As taxas de pre-eclampsia e de eclampsia caíram em pacientes do lúpus de 9,5% a 9,1% quando aumentou em pacientes do não-lúpus, 3,3% a 4,1%. As estadas que do hospital as durações para mulheres com lúpus igualmente foram para baixo, de 4,3 dias em média a 3,8 dias, quando em mulheres do não-lúpus, ele foram acima ligeira 2,5 a 2,7 dias.

Somente aproximadamente 0,15% de todas as mulheres gravidas no hospital ou na entrega do sofrimento têm o lúpus, mas a porcentagem foi acima de aproximadamente 0,08% em ambos os grupos, mostrando que mais mulheres com esta circunstância se estão tornando agora grávidas e se estão entregando com sucesso seus bebês.

As razões para esta melhoria marcada são prováveis incluir o melhor diagnóstico da condição, com referência adiantada dos pacientes aos especialistas antes que a doença se torne severa; pacientes encorajadores a tornar-se grávidos quando a actividade da doença for baixa; e a emergência de melhores tratamentos para SLE e para suas complicações durante a gravidez. Isto igualmente inclui o uso preventivo do hydroxychloroquine na gravidez, e o uso de diluidores do sangue como a heparina e da baixo-dose aspirin nas mulheres que têm a síndrome do antifosfolípido (APS), uma complicação da gravidez mais comum em SLE e que leva um risco mais alto de perda adiantada e atrasada da gravidez.

Quando os riscos de gravidezes de SLE ainda permanecerem marcada mais altos do que nas gravidezes sem SLE, os avanços no diagnóstico e na gestão estão mostrando bons resultados. Quando mais melhoria for imperativa, a palavra final do estudo está, em palavras do Dr. Mehta: “Para os pacientes do lúpus que são novos e que estão pensando das gravidezes, devem saber que muitos outros pacientes com lúpus sobre as duas décadas passadas se tornaram com sucesso grávidos e entregados, e a mortalidade é mínima. Nos anos 80, havia os clínicos que recomendaram jovens mulheres com lúpus não obter grávidas porque eram se preocuparam assim sobre a mortalidade. O que este estudo prova é este é já não aplicável. É aprovado para mulheres com lúpus obter grávido, enquanto são sob os cuidados de uma obstetrícia do rheumatologist e do risco elevado.”

Journal reference:

Mehta B, Luo Y, Xu J, Sammaritano L, Salmon J, Lockshin M, et al. Trends in Maternal and Fetal Outcomes Among Pregnant Women With Systemic Lupus Erythematosus in the United States: A Cross-sectional Analysis. Ann Intern Med. [Epub ahead of print 9 July 2019] doi: 10.7326/M19-0120, https://annals.org/aim/article-abstract/2737824/trends-maternal-fetal-outcomes-among-pregnant-women-systemic-lupus-erythematosus?doi=10.7326%2fM19-0120

Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2019, July 10). É aprovado para mulheres com lúpus obter grávido com os cuidados adequados, diz o estudo novo. News-Medical. Retrieved on April 15, 2021 from https://www.news-medical.net/news/20190710/It-is-okay-for-women-with-lupus-to-get-pregnant-with-proper-care-says-new-study.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "É aprovado para mulheres com lúpus obter grávido com os cuidados adequados, diz o estudo novo". News-Medical. 15 April 2021. <https://www.news-medical.net/news/20190710/It-is-okay-for-women-with-lupus-to-get-pregnant-with-proper-care-says-new-study.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "É aprovado para mulheres com lúpus obter grávido com os cuidados adequados, diz o estudo novo". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20190710/It-is-okay-for-women-with-lupus-to-get-pregnant-with-proper-care-says-new-study.aspx. (accessed April 15, 2021).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2019. É aprovado para mulheres com lúpus obter grávido com os cuidados adequados, diz o estudo novo. News-Medical, viewed 15 April 2021, https://www.news-medical.net/news/20190710/It-is-okay-for-women-with-lupus-to-get-pregnant-with-proper-care-says-new-study.aspx.