Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A variação genética aumenta o risco de apego na presença do esforço da infância

Que faz com que alguns povos se transformem alcoólicos ou abusadores de droga quando enfrentado com esforço, mas não outro? Esta pergunta flagelou pesquisadores do apego por décadas. Agora, em um dos estudos os mais informativos que tratam o risco do apego, os pesquisadores da faculdade da OU da medicina encontraram que essa variação um específico do gene do methyltransferase do ‐ do ‐ O do catechol (COMT, Val158Met, rs4680) faz povos mais provavelmente para se tornar viciado na presença de uma história do esforço da infância.

O estudo envolveu 480 adultos novos, em um homem: relação fêmea do 1:1, tudo na boa saúde, que teve uma história de experiências fatigantes na vida adiantada em diferentes graus. A severidade deste factor, igualmente chamada adversidade da cedo-vida (ELA), foi classificada entre 0 e 2. Os participantes foram perguntados sobre o esforço na vida adiantada, o seu uso do álcool e outras drogas recreacionais, e testados para níveis salivares do cortisol em resposta ao discurso e a um factor de força (de fazer a aritmética mental) assim como para o polimorfismo de Val158Met do gene de COMT.

Crédito de imagem: Lightspring/Shutterstock
Crédito de imagem: Lightspring/Shutterstock

Os pesquisadores encontraram que nos povos que tiveram os alelos do gene encontrados/encontrado ou Val/encontrado, o ELA foram associados com a secreção de diminuição do cortisol, mas nos indivíduos que tiveram o genótipo de Val/Val, as respostas cresceram no valor progressivamente. Contudo, não havia nenhuma relação entre a resposta do cortisol a ELA e as possibilidades de usar drogas ou álcool.

A presença de ELA era igualmente com carácter de previsão de uma idade mais adiantada na primeira bebida, o mais marcado naquelas que levaram o alelo encontrado mas menor naqueles com o alelo de Val/Val. Os povos com estes genes igualmente mostraram efeitos similares quando veio à idade em que usaram primeiramente drogas recreacionais. Estas tendências são importantes porque beber antes da idade de 15 anos é um factor principal reconhecido no apego de álcool.

ELA pode ser de vários tipos, incluindo o divórcio ou faltando relacionamentos de família chegada. Tal esforço é segurado deficientemente por povos com o polimorfismo de COMT Val158Met, e tendem a dar dentro à tentação tentar drogas ou bebê-las antes da idade de 15. Assim, esta composição genética é ligada a um risco mais alto para o apego.

Uma explicação possível deste fenômeno pode ter que fazer com o comportamento da dopamina no cérebro. O gene de COMT é envolvido na divisão normal de um produto químico chamado a dopamina, que é associada com o feltro da euforia após uma bebida ou com determinadas drogas como anfetaminas. Este gene tem variações múltiplas, de que o polimorfismo de Val158Met é apenas um. O polimorfismo de COMT Val158Met muda a maneira que o gene funciona.

Há muitos bebedores constantes que nunca desenvolvem o apego, mas por outro lado há muitos povos que não podem segurar mesmo uma bebida sem o risco forte de apego. Esta diferença fez muitos cientistas riscar sua cabeça a respeito dos factores de risco envolvidos na revelação de um apego, a não ser a exposição e factores ambientais. O estudo novo mostra que há igualmente um componente genético a este problema.

Contudo, os focos actuais do estudo na interacção entre esta variação do gene e o resultado do esforço da infância no potencial do apego de uma pessoa. Tendo este gene faz-lhe um alcoólico destinado? Ou é o esforço que conduz o risco do apego? Nenhuns, de acordo com esta pesquisa. Um pouco, é a interacção de ambos estes factores que aumenta o risco que o indivíduo pode se tornar viciado, primeiramente reduzindo a idade em que o primeiro acoplamento com uma substância potencial aditiva ocorre.

O pesquisador William R. Lovallo diz, ““a adversidade da Cedo-vida não faz a todos um alcoólico.  Não há nenhuma coisa como um gene para o apego. Há os genes que respondem a nosso ambiente nas maneiras que nos põem em risco. Este estudo mostrou que os povos com esta mutação genética estão indo ter um risco mais alto para o apego quando tiveram uma vida fatigante crescer acima.”

A dobro-década precedente de Lovallo da pesquisa no campo do apego foi baseada primeiramente nos povos que tinham desenvolvido já um apego. O estudo actual indica sua determinação para ir mais profundo no que causa o apego, que ajudará a moldar melhores e maneiras mais poderosas do impedir.

Lovallo é justificàvel orgulhoso de sua realização, dizer, o “apego é um problema de saúde real, e fazer o progresso para a compreensão dele é uma das coisas que as mais emocionantes e as mais de valor eu fiz nunca.”

O estudo foi publicado o 31 de maio de 2019, no alcoolismo do jornal: Pesquisa clínica e experimental.

Journal reference:

Early‐Life Adversity and Blunted Stress Reactivity as Predictors of Alcohol and Drug use in Persons With COMT (rs4680) Val158Met Genotypes, William R. Lovallo  Andrew J. Cohoon  Kristen H. Sorocco  Andrea S. Vincent  Ashley Acheson  Colin A. Hodgkinson  David Goldman, First published: 31 May 2019 https://doi.org/10.1111/acer.14079, https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/acer.14079

Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2019, August 19). A variação genética aumenta o risco de apego na presença do esforço da infância. News-Medical. Retrieved on July 16, 2020 from https://www.news-medical.net/news/20190819/Genetic-variant-increases-risk-of-addiction-in-the-presence-of-childhood-stress.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "A variação genética aumenta o risco de apego na presença do esforço da infância". News-Medical. 16 July 2020. <https://www.news-medical.net/news/20190819/Genetic-variant-increases-risk-of-addiction-in-the-presence-of-childhood-stress.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "A variação genética aumenta o risco de apego na presença do esforço da infância". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20190819/Genetic-variant-increases-risk-of-addiction-in-the-presence-of-childhood-stress.aspx. (accessed July 16, 2020).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2019. A variação genética aumenta o risco de apego na presença do esforço da infância. News-Medical, viewed 16 July 2020, https://www.news-medical.net/news/20190819/Genetic-variant-increases-risk-of-addiction-in-the-presence-of-childhood-stress.aspx.