Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Uma entrada mais alta do fluoreto na gravidez está afectando o Q.I. dos cabritos?

Um estudo novo sugere que o consumo do fluoreto a níveis mais altos na gravidez poderia ser ligado a uma diminuição no Q.I. por alguns pontos nas crianças. Os peritos discordam na aceitabilidade deste encontrar, que agitou acima perguntas sobre a fluoretação de fontes de água potável públicas.

O fluoreto é um mineral encontrado na natureza, e é importante em impedir a cárie dental, ou a deterioração de dente. Sua adição à fonte de água potável foi comemorada consistentemente como entre a saúde superior de dez realizações em público. Aproximadamente 66% dos povos nos E.U. trataram com flúor a água potável, comparada a 38% em Canadá e a somente 3% em Europa. Em tais comunidades, até 80% da entrada diária do fluoreto é da água potável.

Crédito de imagem: Cristão/Shutterstock de Caruso
Crédito de imagem: Cristão/Shutterstock de Caruso

O estudo actual entrou ser depois que o pesquisador Christine até que encontrado uma falta da bom-qualidade estuda para apoiar a indicação que o consumo do fluoreto a níveis aprovados do fluoreto da água é seguro na gravidez.

O fluoreto foi defendido como um nutriente benéfico para todas as classes. Contudo, diversos estudos mostraram uma associação entre uma exposição mais alta do fluoreto da água potável e a inteligência reduzida nas crianças.  Estes estudos foram criticados sendo feito nas regiões com níveis anormalmente altos do fluoreto na água. Um estudo mexicano igualmente mostrou uma diminuição de 6 pontos no Q.I. entre crianças de idade escolar para cada aumento de 1 mg/L em níveis urinários maternos do fluoreto. Contudo, poucos estudos foram executados durante a gravidez.

Para endereçar este, o estudo actual olhou sobre 500 pares da matriz-criança em seis cidades canadenses. Aproximadamente 27% desta população do estudo viveu nas áreas onde a água potável foi tratada com flúor, e para o resto, não era. A equipe mediu então níveis urinários do fluoreto durante a gravidez, usando amostras arquivadas. Igualmente encontraram o consumo do fluoreto durante a gravidez dos níveis na fonte de água pública e o consumo recordado dos participantes no estudo. As crianças carregadas destas gravidezes foram testadas para um Q.I. entre 3 e 4 anos de idade, usando a escala preliminar e pré-escolar de Wechsler da Inteligência-IIi.

As concentrações urinárias do fluoreto e as entradas totais do fluoreto eram significativamente maiores nas mulheres que vivem nas áreas com a água potável tratada com flúor, comparada ao segundo grupo. As meninas testaram significativamente mais altamente para o Q.I. comparado aos meninos.

Quando analisaram então estes dados, encontraram que o Q.I. médio deixou cair por um par pontos sobre o espectro inteiro das crianças. Quando compararam as crianças carregadas àquelas com a exposição a mais alta do fluoreto, àqueles nascidos às mulheres com o menos, a diferença era mais marcada.

Quando veio ao fluoreto urinário materno, um aumento de 1 mg/mL foi associado com uma redução do Q.I. nos meninos por aproximadamente 4,5 pontos, mas não nas meninas. Para pôr esta na perspectiva, a concentração urinária materna média do fluoreto era 0,4 Mg/L. Contudo, a diferença entre os quartil os mais altos e mais baixos do fluoreto urinário (0,33 mg/L) são aproximadamente iguais àquele entre as mulheres que vivem em uma água tratada com flúor contra a comunidade não-tratada com flúor da água. Esta diferença é ligada a uma redução de 1,5 pontos do Q.I. nos meninos.

Quando a entrada materna foi acima por 1 mg/day, os meninos e as meninas mostraram uma diminuição mensurável no Q.I. de aproximadamente 3,5 pontos totais. A entrada mediana era 0,39 mg/day.

Os pesquisadores dizem que os efeitos adversos da exposição excessiva do fluoreto no cérebro se tornando podem aparecer diferentemente nos meninos, tantas como circunstâncias neurodevelopmental estão encontrados para se tornar em umas taxas mais altas nos meninos.

Os autores dizem, “nós sentiriam um impacto deste valor a nível da população, porque você teria milhões de mais crianças que caem na escala da inabilidade intelectual, ou um Q.I. de 70 inferiores, e que muitos menos cabritos na escala dotado.”

David Bellinger, um neurologista que escreva um editorial no estudo novo diga que a diminuição não é insignificante, mas é comparável no valor àquele visto nas crianças que foram expor ao saturnismo crônico. Além disso, indica que o fluoreto durante a gravidez não estêve relacionado primeiramente à entrada de água, mas às fontes tais como o fluoreto no chá preto, no dentífrico e no alimento. Adiciona, “mim pensa que é um erro para se centrar aqui demasiado sobre a parte da fluoretação da água.”

O estudo apareceu na pediatria do JAMA do jornal o 19 de agosto de 2019. O editor Dimitri Christakis admitiu que estêve inclinado negativamente sobre encontrar antes de ler o artigo. Disse que o artigo estêve controlado estrita para seu estilo da metodologia e da apresentação antes que estêve publicado, devido à natureza temporária do debate sobre a fluoretação da água.

Reacções a isto que encontra variado, predizìvel. Muitos médicos dentais e pediatras discordam, dizer continuarão a promover o consumo de água tratado com flúor na ausência das provas novas. A posição oficial Do CDC é: Da “a fluoretação da água comunidade é um do mais práticos, eficaz na redução de custos, equitativo, e as comunidades das medidas do cofre forte podem tomar para impedir a deterioração de dente e para melhorar sua saúde oral, e são o melhor método de entregar o fluoreto a todos os membros da comunidade, apesar da idade, da educação, do nível de renda, ou do acesso aos cuidados dentários rotineiros.” Contudo, em Europa com uma taxa desprezível da fluoretação de 3%, a deterioração dental diminuiu apenas tanto quanto em America do Norte alto-tratada com flúor.

Como Bellinger diz, este único estudo é pouco susceptível de deslocar significativamente a agulha. Todavia, o facto de que tal encontrar sobreviveu ao exame minucioso perito da equipe editorial deve assegurar sua contribuição para a evidência sobre o fluoreto.

Encontrar que as crianças carregadas às matrizes com exposição mais alta do fluoreto durante a gravidez do fluoreto dos níveis da mostra em contagens óptimas do Q.I. mais baixo devem certamente estimular o pensamento.  Uns estudos mais velhos têm sugerido já tal relação. Além disso, o bebê não é conhecido para tirar proveito em nenhuma maneira da entrada materna do fluoreto. Conseqüentemente, a conclusão seria, como até diz: “Nós recomendamos que as mulheres reduzem sua entrada do fluoreto durante a gravidez.”

Journal reference:

Association Between Maternal Fluoride Exposure During Pregnancy and IQ Scores in Offspring in Canada. Rivka Green, Bruce Lanphear, Richard Hornung, David Flora, E. Angeles Martinez-Mier, Raichel Neufeld, Pierre Ayotte, Gina Muckle, Christine Till. JAMA Pediatrics. August 19, 2019. doi:10.1001/jamapediatrics.2019.1729. https://jamanetwork.com/journals/jamapediatrics/fullarticle/2748634

Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2019, August 20). Uma entrada mais alta do fluoreto na gravidez está afectando o Q.I. dos cabritos?. News-Medical. Retrieved on September 16, 2021 from https://www.news-medical.net/news/20190820/Is-higher-fluoride-intake-in-pregnancy-affecting-kids-IQ.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "Uma entrada mais alta do fluoreto na gravidez está afectando o Q.I. dos cabritos?". News-Medical. 16 September 2021. <https://www.news-medical.net/news/20190820/Is-higher-fluoride-intake-in-pregnancy-affecting-kids-IQ.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "Uma entrada mais alta do fluoreto na gravidez está afectando o Q.I. dos cabritos?". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20190820/Is-higher-fluoride-intake-in-pregnancy-affecting-kids-IQ.aspx. (accessed September 16, 2021).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2019. Uma entrada mais alta do fluoreto na gravidez está afectando o Q.I. dos cabritos?. News-Medical, viewed 16 September 2021, https://www.news-medical.net/news/20190820/Is-higher-fluoride-intake-in-pregnancy-affecting-kids-IQ.aspx.