As crianças expor ao fumo de segunda mão aumentaram o risco para a fibrilação atrial

As crianças dos pais que fumam tiveram uma possibilidade significativamente aumentada de desenvolver a fibrilação atrial mais tarde na vida, de acordo com um estudo publicado hoje no jornal da faculdade americana da cardiologia. Os resultados destacam uma associação nova entre a exposição do fumo de segunda mão e o risco da desordem do ritmo do coração.

A fibrilação Atrial (AFib), a desordem a mais comum do ritmo do coração, é esperada afectar 16 milhão americanos em 2050. O tabagismo permanece um dos factores de risco modificáveis superiores para a doença cardiovascular, com 14 por cento dos adultos dos E.U. que fumam actualmente apesar das campanhas de sensibilização públicas reduzir-se fumar. Fumando foi estabelecido como um factor de risco para a fibrilação atrial, com avaliações que 7 por cento de todo o AFib podem ser atribuídos ao fumo.

Usando dados de ambos o estudo do coração de Framingham do original e os estudos da prole do coração de Framingham, os pesquisadores analisaram um total de 5.124 participantes da coorte da prole sob a idade de 18 desde 1971 até 2014. Os pais foram avaliados por um médico cada dois a quatro anos, e as crianças foram avaliadas cada quatro a oito anos.

Fumar foi definido em ambos os estudos como os participantes que fumam mais de um cigarro diariamente durante o ano antes de seu exame do estudo. O estado de fumo foi calculado em termos dos blocos pelo dia, onde um bloco de cigarros representou 20 cigarros e um meio bloco representou 10 cigarros. A exposição do fumo de segunda mão foi definida como a presença de um pai que fuma qualquer coisa mais de zero embala pelo dia.

Os participantes foram considerados ter AFib com uma avaliação dos resultados dos informes médicos, dos monitores de ECGs e de Holter. Um total de 2.816 (55 por cento) das crianças na coorte da prole teve os dados de fumo parentais do estado disponíveis. A exposição do fumo de segunda mão foi experimentada por 82 por cento das crianças, e o estado de fumo parental calculou a média em 10 cigarros pelo dia.

Entre a coorte da prole, 14,3 por cento dos participantes desenvolveram AFib durante um período da continuação de 40,5 anos. Para cada bloco pelo aumento do dia no fumo parental, as crianças tiveram um aumento de 18 por cento em desenvolver AFib.

Nossas observações fornecem a informação nova pertinente à cessação de fumo, destacar prejudica que pode ser associado não somente “a outro, “mas para fechar-se e os membros os mais vulneráveis da família. Com a predominância de aumentação de AFib, é imperativo endereçar factores de risco modificáveis tais como o tabagismo para reduzir a carga global de AFib.”

Gregory M. Marcus, DM, MAS, professor na divisão da cardiologia na Universidade da California, San Francisco, e um dos autores superiores do estudo

Os pesquisadores igualmente encontraram que aquele 17 por cento das crianças dos pais que fumam eram mais prováveis eles mesmos fumar, sugerindo uma outra maneira que o fumo parental pudesse predispr crianças a AFib a longo prazo. As investigações precedentes igualmente confirmaram que um pai de fumo aumenta a probabilidade da possibilidade de uma criança do fumo mais tarde na vida. A cessação de fumo pelos pais pode conduzir a uma incidência de fumo diminuída para suas crianças.

“Embora algum do relacionamento entre o fumo parental e a prole AFib foi explicado pela prole que se fuma, os resultados deste estudo indicam que a exposição do fumo de segunda mão na infância é um factor de risco para a revelação futura de AFib,” disseram Alanna M. Chamberlain, PhD, MPH, um epidemiologista no departamento da pesquisa das ciências da saúde na clínica de Mayo em um comentário editorial de acompanhamento. “Este estudo vangloria-se de diversas vantagens originais, incluindo uma metodologia rigorosa para verificar diagnósticos do incidente de AFib na prole, tal como avaliações repetidas com ECGs e a fiscalização rotineira para resultados cardiovasculares.”

O estudo tem diversas limitações, incluindo uma falta de dados disponíveis para o estado de fumo parental em quase 45 por cento dos participantes da prole, assim como variações na exposição parental do fumo entre as crianças do separado, divorciadas, progenitores ou outros membros da família de fumo. A composição demográfica do estudo do coração de Framingham é uma coorte predominante branca em uma área geográfica. Contudo, os pesquisadores forçaram a importância de esforços continuados para a cessação de fumo e a prevenção da iniciação de fumo.