O estudo mostra a associação entre o consumo do cogumelo e um mais baixo risco de cancro da próstata

Os resultados do primeiro estudo de coorte a longo prazo de mais de 36.000 homens japoneses sobre décadas sugerem uma associação entre comer cogumelos e um risco mais baixo de cancro da próstata.

Seus resultados foram publicados o 5 de setembro de 2019 no jornal internacional do cancro.

O cancro da próstata começar quando pilhas na glândula de próstata -- uma glândula noz-dada forma pequena encontrou somente nos homens, que produzisse o líquido que faz parte do sémen -- comece crescer fora do controle. É um dos formulários os mais comuns do cancro que afetam homens, com sobre os 1,2 milhão novos casos diagnosticados no mundo inteiro em 2018, o risco que aumenta com idade.

Os cogumelos são usados extensamente dentro em Ásia, para seus valor nutritivo e propriedades medicinais.

O tubo de ensaio estuda e os estudos conduzidos em organismos vivos mostraram que os cogumelos têm o potencial impedir o cancro da próstata.

Contudo, o relacionamento entre o consumo do cogumelo e o cancro da próstata do incidente nos seres humanos tem sido investigado nunca antes.

Para o melhor do nosso conhecimento, este é o primeiro estudo de coorte que indica o potencial cancro-preventivo da próstata dos cogumelos a nível da população. Embora nosso estudo sugira o consumo regular de cogumelos pode reduzir o risco de cancro da próstata, nós igualmente queremos sublinhar aquele que come um saudável e a dieta equilibrada é muito mais importante do que enchendo seu cesto de compras com os cogumelos.”

Shu Zhang, professor adjunto da epidemiologia no departamento da informática da saúde e da saúde pública na escola da universidade de Tohoku da saúde pública, na escola de medicina em Japão, e no autor principal do estudo

Para este estudo, os pesquisadores monitoraram duas coortes que consistem em um total de 36.499 homens entre as idades de 40 e 79 anos em Miyagi e Ohsaki, Japão, desde 1990 e 1994 respectivamente. A duração da continuação para a coorte de Miyagi estendeu do 1º de junho de 1990 ao 31 de dezembro de 2014 (24,5 anos), quando a duração da continuação para a coorte de Ohsaki estendeu do 1º de janeiro de 1995 ao 31 de março de 2008 (13,25 anos). Os homens foram pedidos para terminar um questionário relativo a suas escolhas do estilo de vida, tais como o cogumelo e o outro consumo de alimento, hábitos físicos da actividade, do fumo e beber, assim como fornecem a informação em sua educação, e na história do família e a médica.

O seguimento a longo prazo dos participantes indicou que isso cogumelos consumir reduz numa base regular o risco de cancro da próstata nos homens, e era especialmente significativo nos homens envelhecidos 50 e mais velho e nos homens cuja a dieta consistiu pela maior parte na carne e nos produtos lácteos, com consumo limitado de frutas e legumes. A análise estatística dos dados (que usam o modelo proporcional dos perigos de Cox) indicou que o consumo regular do cogumelo estêve relacionado a um risco mais baixo de cancro da próstata apesar de quanto frutas e legumes, ou a carne e os produtos lácteos foram consumidos. Dos participantes, 3,3% desenvolveram o cancro da próstata durante o período da continuação. Participantes que consumiram cogumelos tiveram uma ou duas vezes por semana um risco 8% mais baixo de desenvolver o cancro da próstata, comparado àqueles que comeram cogumelos menos de uma vez pela semana, quando aqueles que consumiram cogumelos três ou mais vezes pela semana tiveram um risco 17% mais baixo do que aqueles que comeram cogumelos menos do que uma vez por semana.

De acordo com Zhang, os “cogumelos são uma boa fonte de vitaminas, minerais e antioxidantes, especialmente L-ergothioneine” -- qual é acreditado abrandar contra o esforço oxidativo, um desequilíbrio celular resultando das escolhas da dieta e do estilo de vida dos pobres e a exposição às toxinas ambientais que podem conduzir à inflamação crônica que é responsável para doenças crónicas tais como o cancro.

“Os resultados de nosso estudo sugerem que os cogumelos possam ter um efeito sanitário positivo em seres humanos,” disse Zhang. “Baseou nestes resultados, promovem os estudos que fornecem mais informação na entrada dietética dos cogumelos em outras populações e os ajustes são exigidos para confirmar este relacionamento.”

“Considerando o americano médio consome menos de 5 relvados dos cogumelos pelo dia, que é mais baixo do que aquele consumido pelos participantes neste estudo (7,6 g/day) um esperaria que mesmo um aumento pequeno no consumo do cogumelo para oferecer benefícios de saúde potenciais,” disseram Zhang.

Source:
Journal reference:

Zhang, S. et al. (2019) Mushroom consumption and incident risk of prostate cancer in Japan: A pooled analysis of the Miyagi Cohort Study and the Ohsaki Cohort Study. International Journal of Cancer. doi.org/10.1002/ijc.32591.