A vacina de Lyme no horizonte, diz o estudo novo

A doença de Lyme é uma doença temida causada pela mordida de um tiquetaque contaminado. A única maneira de impedi-la é não obtendo mordida pelo tiquetaque. Contudo, esta não é uma recomendação prática, desde que mesmo aproximadamente 300.000 mil povos são diagnosticados hoje com esta infecção, nos E.U. apenas, e sobre 100.000 em Europa, todos os anos.  Além disso, obter contaminada não faz uma vez confer imunidade contra uma infecção da repetição. Agora, um plano para identificar e acelerar a revelação da vacina a mais eficaz contra esta bactéria foi publicado nas doenças infecciosas clínicas do jornal o 17 de outubro de 2019.

Doença de Lyme

A doença de Lyme é uma condição potencial fatal causada pelo burgdorferi do Borrelia da bactéria, que é levado por determinados tiquetaques. Os sintomas os mais adiantados são febre e dor de cabeça, assim como um prurido de pele chamado migrans da eritema. Isto ocorre em até 80% de pacientes contaminados, começando em aproximadamente 3-7 dias em média (mas até 30 dias após a infecção), e espalhando para fora aproximadamente a um pé no diâmetro, mostrando às vezes aparência de um alvo clássico do `' da luz alternativa e de anéis escuros.

Bactérias da doença de Lyme, burgdorferi do Borrelia, transmitido pelo tiquetaque do Ixodes, crédito da ilustração 3D: Kateryna Kon/Shutterstock
Bactérias da doença de Lyme, burgdorferi do Borrelia, transmitido pelo tiquetaque do Ixodes, crédito da ilustração 3D: Kateryna Kon/Shutterstock

Os sinais e os sintomas atrasados ocorrem mais de 30 dias depois que infecção, e podem incluir pruridos adicionais, dores de cabeça severas com rigidez do pescoço, dor articular e inchamento, palpitação ou pulsação do coração irregular, vertigem, dificuldade de respiração, dor do nervo, inflamação do cérebro ou da medula espinal, e dores formigando ou de tiro nos membros.

A doença de Lyme pode ser tratada adequadamente se diagnosticado cedo, tomando os antibióticos direitos por algumas semanas. Contudo, os casos não tratados desenvolvem frequentemente complicações comum, assim como propagação da infecção ao coração e ao sistema nervoso.

Prevenção do contacto

Actualmente, a doença de Lyme é evitável somente mantendo a pele fora do contacto directo com os tiquetaques, como vestir o vestuário de protecção e o repelente de insectos, evitando áreas tiquetaque-infestadas, remoção alerta dos tiquetaques e reduzindo a relvado alta nas áreas usadas por seres humanos.

Prevenção pela vacinação: um pioneiro malogrado

Uma vacina muito eficaz de Lyme foi feita disponível em 1998 e apreciou o grande sucesso, com 1,5 milhão vendas desde 1998 ao agosto de 2000. Contudo, o relatório inclinado e fearmongering por peritos assim chamados asseguraram-se de que estivesse retirado do mercado logo depois.  Apesar de sua eficácia indubitável de 80%, e de um registro impressionante da segurança, os medos públicos infundados abasteceram-se por uma imprensa ruim conduzida a despencar vendas da vacina a aproximadamente 10.000 doses em apenas quatro anos, tendo por resultado sua descontinuação pelo fabricante em 2002.

a publicidade da Anti-vacina tinha ganhado, e tinha privado o público de uma ferramenta valiosa contra a doença de Lyme - apesar do facto que o sistema de relatórios adverso dos eventos da vacina do aberto-acesso (VAERS) somente recebido nunca aproximadamente 900 relatórios de qualquer tipo do evento adverso relacionou à vacina de Lyme, fora do as 1,5 milhão doses incríveis da vacina administradas durante este curto período.

As taxas de incidência da doença de Lyme têm dobrado desde então, porém - e não há nada deixado para impedi-lo, a menos que, naturalmente, você acontecer ser um cão. Uma vacina muito similar à vacina humana interrompida é ainda eficaz para cães em áreas tiquetaque-infestadas.

Agora, contudo, após um hiato de quase duas décadas, e de muitos esforços de revelação vacinal abandonados, um fabricante francês Valneva está indo bravamente adiante com uma experimentação da fase II de sua vacina multivalente.

Esperança nova

Recentemente, diversas discussões têm ocorrido já entre pesquisadores nesta área, uma reunião recente que está no centro de Banbury no laboratório frio do porto da mola. Estes têm conduzido já a um número de testes de diagnóstico que ganham a aprovação do FDA, que ajudará a estandardizar as taxas de infecção. As conferências continuadas ajudarão cientistas a decidir na estratégia direita levar a cabo para realizar seu objetivo de uma vacina eficaz.  Até este período, os peritos recomendaram um sangue teste-baseado diagnóstico, com um immunoassay inicial da enzima (EIA) seguido por um ensaio ocidental do immunoblot para a confirmação. A aprovação a mais atrasada do FDA permite agora que uma segunda AIA sensível seja usada como a segunda etapa no diagnóstico.

A pesquisa nova concentra-se nas duas tecnologias as mais prometedoras agora em desenvolvimento para criar uma vacina híbrida que seja dirigida contra a bactéria e o vector do tiquetaque, assim impedindo a doença de Lyme. O papel igualmente reflecte em como comunicar a necessidade para a vacina ao público, dada que a doença de Lyme não espalha de pessoal, e assim a imunização não impede a doença na sociedade no conjunto. Os pesquisadores dizem, ““a vacinação da doença de Lyme é a escolha pessoal de um indivíduo. O conceito da imunização pessoal deve ser parte do ensino público e da discussão.”

O papel actual apresenta a peritagem nas estratégias as mais favoráveis para a revelação vacinal de Lyme. Diz o perito Rebecca Leshan, de “a doença Lyme foi um assunto de retorno para nossas reuniões, e nós estamos vendo agora resultados significativos daquelas discussões. Eu espero que os conceitos apresentados no papel actual igualmente terão um impacto real e ajudam povos em risco da doença de Lyme.”

Journal reference:

Maria Gomes-Solecki, Paul M Arnaboldi, P Bryon Backenson, Jorge L Benach, Christopher L Cooper, Raymond J Dattwyler, Maria Diuk-Wasser, Erol Fikrig, J W Hovius, Will Laegreid, Urban Lundberg, Richard T Marconi, Adriana R Marques, Philip Molloy, Sukanya Narasimhan, Utpal Pal, Joao H F Pedra, Stanley Plotkin, Daniel L Rock, Patricia Rosa, Sam R Telford, Jean Tsao, X Frank Yang, Steven E Schutzer, Protective Immunity and New Vaccines for Lyme Disease, Clinical Infectious Diseases, https://doi.org/10.1093/cid/ciz872

Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2019, October 17). A vacina de Lyme no horizonte, diz o estudo novo. News-Medical. Retrieved on May 26, 2020 from https://www.news-medical.net/news/20191017/Lyme-vaccine-on-the-horizon-says-new-study.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "A vacina de Lyme no horizonte, diz o estudo novo". News-Medical. 26 May 2020. <https://www.news-medical.net/news/20191017/Lyme-vaccine-on-the-horizon-says-new-study.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "A vacina de Lyme no horizonte, diz o estudo novo". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20191017/Lyme-vaccine-on-the-horizon-says-new-study.aspx. (accessed May 26, 2020).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2019. A vacina de Lyme no horizonte, diz o estudo novo. News-Medical, viewed 26 May 2020, https://www.news-medical.net/news/20191017/Lyme-vaccine-on-the-horizon-says-new-study.aspx.