Estudo: 28 países em África podiam enfrentar a escassez da água em 2050

Vinte e oito países em África podiam enfrentar o esforço ou a escassez da água em 2050, de acordo com a pesquisa conduzida pela faculdade na universidade de Binghamton, universidade estadual de New York.

Os geógrafos Emad Hasan e Aondover Tarhule da universidade de Binghamton previram que em 2050, sem a mudança em recursos hídricos disponíveis, 19 países em África enfrentarão a escassez da água, quando outros nove países água-serão forçados. Contudo, se as alterações climáticas diminuíram os recursos hídricos de África por 10 por cento, 85 por cento da população do continente experimentariam uma situação da escassez da água perigosa.

África precisa crìtica a informações exactas em seu estado da escassez da água. Como o segundo-mais continente povoado, África é projectada ter uma população de 2,4 bilhões em 2050, à população calculada corrente aproximadamente dobro.

Tal crescimento demográfico rápido exercerá o esforço considerável nos recursos hídricos disponíveis do continente, agravando a situação já aguda da escassez da água. Assim, avaliar os recursos hídricos potencial disponíveis é essencial para o futuro.”

Emad Hasan

Hasan disse que é importante determinar se uma região tem a suficiente água para satisfazer as necessidades de seus povos, mas é um processo complicado.

Para calcular a escassez e a disponibilidade da água em um país, os hydrologists constroem da “um orçamento água” que calcule toda a água que entra em um país, se seja dos rios, da precipitação, da água subterrânea ou das fontes sintéticas, e para subtrair então toda a água que sae do país.

Dividindo a água disponível pela população de uma região, os hydrologists podem determinar se há bastante água para encontrar necessidades de People's Daily.

De uma perspectiva global, um país experimentará a escassez da água se tem menos de 500.000 litros da água por pessoa pelo ano para encontrar o diário e necessidades agrícolas.

O processo do orçamento da água trabalha somente se há uns dados exactos para cada fonte de água, e Tarhule disse que em regiões se tornando goste de África, os dados exigidos é faltando ou inadequado, que levantam um problema enorme.

Usando centenas dos satélites de milhas no espaço, os pesquisadores mediram a escassez da água em África. Usaram publicamente - dados disponíveis de duas missões satélites, da missão de medição da precipitação tropical (TRMM), e dos satélites da experiência da recuperação e do clima (GRACE) da gravidade.

Combinando dados destes dois sistemas, os pesquisadores calcularam a água disponível potencial mensal para cada país em África. Então, dividiram o armazenamento disponível potencial da água pela população de cada país para desenvolver per capita uma medida nova do armazenamento disponível da água.

Os pesquisadores compararam seus resultados com os dados usados pela Organização para a Agricultura e a Alimentação de United Nations, que classifica países em uma de quatro categorias: água-suficiente, vulnerável, água-forçado ou água-escasso.

Fora de 48 países africanos estudados, seu método classificou 26 na mesma categoria que o método do U.N.

Hasan disse que embora a precisão de seu método novo pudesse ser enviesada pelo tamanho do país, ainda tem uma borda sobre outras aproximações desde que esclarece a água nas áreas aquíferas profundamente no subsolo.

“Geralmente, nós pensamos que nosso método tem diversas vantagens sobre métodos existentes. Contorna muitas das limitações relativas à indisponibilidade dos dados e confiança em África,” disse. “Os dados estão mais temporal e espacial contínuo, assim como mais fácil para que os pesquisadores alcancem. Em conseqüência, as avaliações da escassez da água podem ser realizadas muito mais ràpida para o continente inteiro.”

Tarhule disse espera que podem melhorar o método novo assim que pode avaliar a escassez da água em uma escala global.

Os “satélites recolherão dados novos nos próximos anos,” disse Tarhule. “Nós planeamos aproveitar-se de tais melhorias dos dados como se tornam disponíveis para refinar nosso método em termos da precisão e da avaliação da escassez da água a nível do secundário-país, não somente em África mas global.”

Source:
Journal reference:

Hasan, I. et al. (2019) Assessment of Physical Water Scarcity in Africa Using GRACE and TRMM Satellite Data. Remote Sensing. doi.org/10.3390/rs11080904.