Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A tomada de Pharma na conta da droga-fixação do preço de Pelosi: Aviso justo ou fearmongering?

E os fabricantes da droga reagem do modo completo do ataque.

Tome uma pesquisa farmacêutica recente e fabricantes da mensagem de propaganda encaixada no popular, do “boletim de notícias de América do PM do manual político” da dentro--Via de cintura externa.

Do “o plano da fixação do preço da droga de Pelosi orador extrairia com sifão o trilhão $1 ou mais dos inovadores biofarmaceuticos durante os próximos 10 anos,” leram o anúncio. De “a avaliação preliminar CBO encontrou que esta conta “conduziria a uma mais baixa despesa na investigação e desenvolvimento e reduziria assim a introdução de drogas novas. “”

A indicação da associação empresarial representa um argumento da droga-indústria do núcleo, distribuído sempre que os legisladores propor controlar em preços da droga: Os esforços para limitar que empresas farmacêuticas podem cobrar meios elas não terão os meios ou o incentivo desenvolver medicamentações salva-vidas. O argumento igualmente aparece nos anúncios como os pacientes deste um - das empresas biofarmaceuticos de América - esse destaque que dizem que dependem das medicamentações novas para manter circunstâncias crônicas no louro.

Mas muitos peritos contestam a relação entre preços da droga e o R&d. farmacêutico. Assim a citação de PhRMA do escritório do congresso do orçamento - uma agência governamental nonpartisan influente - travou nossa atenção. Nós decidimos olhar mais profundos.

O que o CBO diz

Um porta-voz de PhRMA aguçado nós a uma análise preliminar de CBO de H.R. 3. publicado o 11 de outubro, a letra não analisa a conta mas tentativas de Pelosi explicar em cursos largos que tipo do impacto econômico pôde ter.

“O trilhão $1” sobre 10 anos de estatística é a avaliação superior do CBO (a escala começa em $500 bilhões) do que a indústria pôde perder no rendimento se esta conta foi decretada. Mas as folhas da agência contorcem-se a sala, notando que esta é uma figura “preliminar” e que a agência não terminou analisar a conta completa ainda. Uma vez que faz, o trilhão $1 poderia mudar.

“Estão tentando fornecer algum sentido do impacto relativo na revelação da droga, mas eu não penso que nós temos bastante dados para fornecer isto,” disse Stacie Dusetzina, um professor adjunto da política sanitária na universidade de Vanderbilt. “Não é um facto. É uma avaliação preliminar que esteja na terra muito instável.”

Isso conduz à edição seguinte: Se os rendimentos farmacêuticos mergulham, menos drogas inovativas tornar-se-iam disponíveis?

Tècnica, tipo de. Mas há muito contexto importante que a afirmação de PhRMA negligencia.

O CBO calcula aquele, durante a próxima década, entre oito e 15 menos drogas viriam introduzir no mercado.

Mas as matérias grandes da imagem: Cada ano, Food and Drug Administration aprova 30 drogas novas, em média. Aquela é 300 drogas novas sobre 10 anos. Assim se você supor 15 menos drogas fora de 300 aprovações projetadas, aquela é uma perda de 5%.

Certamente isto é, como PhRMA argumentiu, uma redução. Mas nenhuns dos peritos que nós falamos com consideraram-na como um sopro à inovação. “Os preços mais baixos previstos pela conta [de Pelosi] retardariam mal a descoberta nova da droga de todo,” o Dr. argumentido Peter Bach, que dirige o laboratório da fixação do preço da droga no centro memorável do cancro de Sloan Kettering, em um op-ed para Bloomberg.

Não é claro da análise de CBO que tipo do valor clínico estas drogas abandonadas teriam - se representariam descobertas significativas ou melhorias marginais às medicamentações que já existem.

Nós pedimos PhRMA. A posição da organização é que o rendimento perdido poderia desanimar farmacêuticas de pesquisar tratamentos novos para doenças tais como Alzheimer, câncer pulmonar e doença da célula falciforme.

Mas o grupo não ofereceu muita evidência que explica como ou porque esta aconteceria, ou reconhecendo que envolveria pisar longe dos mercados potencial lucrativos. E os peritos disputam a ideia - Dusetzina chamado a linha da indústria “uma táctica do susto.”

De facto, disse, “há uma boa razão acreditar que as drogas que você perderia são aquelas que têm o benefício o menor e o preço o mais alto.”

Isto obtem em um outro ponto: Uma parcela substancial de investigação e desenvolvimento da droga não é feita realmente por farmacêuticas. As parcelas as mais arriscadas são conduzidas frequentemente em laboratórios financiados pelo governo, Dr. notável Aaron Kesselheim, um professor na Faculdade de Medicina de Harvard que estuda a política farmacêutica. As empresas farmacêuticas obtêm envolvidas muito mais tarde, fazendo a mesmo menos certa que uma perda no rendimento farmacêutico desanimaria significativa a inovação da droga da descoberta.

E toda a perda de drogas novas seria deslocada provavelmente pelo menos um tanto pela capacidade aumentada dos americanos para ter recursos para recentemente umas drogas mais baratas. Como o relatório de CBO a pôs: “O efeito total na saúde das famílias nos Estados Unidos que proviriam do uso aumentado dos medicamentos de venta com receita mas da disponibilidade diminuída de drogas novas é obscuro.”

Assim, em curto: A análise Nonpartisan sugere que H.R. 3 poderia conduzir a menos drogas que vêm introduzir no mercado. Mas é uma avaliação muito preliminar, e mesmo então, sugere somente um mergulho pequeno. O valor das drogas que não emergem são obscuras, demasiado. Todo este contexto importa muito.

As “centenas de biliões nas economias aos contribuintes, aos negócios e aos pacientes significariam um real mas a diminuição muito pequena na taxa em que os tratamentos novos são descobertos,” Bach escreveu.

Outros argumentos

PhRMA igualmente aguçado nós a um relatório do 3 de dezembro pôs para fora pelo Conselho branco da casa dos assessores económicos. Encontrou um impacto muito mais alto - argumentir esse H.R.3 conduziria ao “tanto como como 100 menos drogas” que incorporam o mercado americano aos próximos 10 anos.

Este relatório branco da casa vem depois que o presidente Donald Trump disse repetidamente que quer trabalhar com congresso para abaixar preços da droga.

O CEA numera restos em uma série de suposições. Primeiramente, calcula que uma droga nova custa $2 bilhões para se tornar. Igualmente supor que as empresas farmacêuticas gastam tipicamente pelo menos um quinto de seu rendimento na investigação e desenvolvimento. Conseqüentemente, se o rendimento companies vai para baixo pelo trilhão $1, a seguir a matemática sai a perder 100 drogas.

Mas os peritos chamaram este suspeito da análise o melhor possível.

, Bach disse-nos, figura $2 bilhões não é substanciada por um lado. Para outros, o CEA supor que “cada moeda de um centavo da despesa do R&D da empresa vai a inventar drogas novas.”

Que, adicionou, é de “absurdo total.”

Os peritos múltiplos notaram que o CEA supor que as companhias farmacéuticas cortariam seu R&D para combinar perfeitamente a proporção de rendimento que gastam actualmente.

Não há nenhuma razão supr que é verdadeira. As empresas farmacêuticas igualmente gastam muito no mercado, na administração e nos dividendos aos accionistas.

Dusetzina igualmente notou que a análise não considera as empresas farmacêuticas aumentadas do rendimento pôde experimentar de mais povos que podem ter recursos para drogas e conseqüentemente as comprar. E supor que as drogas que nunca fazem ele ao mercado seriam do elevado valor - sem evidência para apoiar isso.

“Esta não é uma análise séria da pergunta do comércio-offs destas política e inovação. Isto fearmongering,” Dusetzina disse.

Nosso ruling

Em sua propaganda, PhRMA menciona uma análise de CBO da conta Pelosi-suportada da droga-fixação do preço, H.R. 3. O anúncio sugere que a conta “extraia com sifão o trilhão $1 ou mais dos inovadores biofarmaceuticos durante os próximos 10 anos” e “reduza a introdução de drogas novas.”

Esta reivindicação falta lotes do contexto importante. A análise Do CBO é preliminar, e poderia mudar. O trilhão $1 no rendimento abandonado é o limite superior do que essa análise preliminar prevê.

E mesmo se você supor as empresas farmacêuticas perderiam este muito no rendimento, o número de drogas que não o fariam para introduzir no mercado constituiriam uma fracção pequena do que companhias farmacéuticas produzem tipicamente, disseram peritos. É mais obscuro que as drogas abandonadas teriam o valor clínico principal - pouca evidência sugere que necessariamente.

Outras análises PhRMA aguçado nós - que puderam ostensibly apoiar sua reivindicação - não estão até o exame minucioso.

Esta indicação tem-lhe alguma verdade mas omite-ao contexto crucial que daria uma impressão radicalmente diferente. Nós avaliamo-la na maior parte falsa.

Notícia da saúde de KaiserEste artigo foi reimprimido de khn.org com autorização da fundação de Henry J. Kaiser Família. A notícia da saúde de Kaiser, um serviço noticioso editorial independente, é um programa da fundação da família de Kaiser, uma organização de investigação nonpartisan da política dos cuidados médicos unaffiliated com Kaiser Permanente.