A medicina nova pode revolucionar o tratamento de doenças inflamatórios e de cancro

Uma medicina está sendo desenvolvida em Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg (FAU) que controla a concentração de radicais do oxigênio em pilhas imunes, e poderia revolucionar o tratamento de doenças inflamatórios ou mesmo de cancro.

O projecto de “NeutroCure” recebeu o financiamento de aproximadamente três milhão euro da União Europeia como parte do programa do horizonte 2020.

As espécies reactivas do oxigênio (ROS), conhecidas mais comumente como radicais do oxigênio, são uma bênção e uma praga: em um organismo que saudável regulam o crescimento da pilha, modulam processos inflamatórios e ajuda para capturar e eliminar os micróbios patogénicos.

Em concentrações altas, contudo, o tecido de dano do explorador de saída de quadriculação, causa inflamação descontrolada e é envolvido em provocar o cancro e doenças auto-imunes.

Paradoxal, contudo, os radicais de amplificação do oxigênio podem certamente conduzir a uma cura. A fim tirar proveito deste efeito em aplicações clínicas, uma medicina nova inovativa está sendo desenvolvida em FAU.

Aumenta deliberadamente a concentração de explorador de saída de quadriculação nos neutrófilo, pilhas especiais no sistema imunitário congenital. Isto pode resolver a inflamação ou impulsionar a formação do sangue, combatendo desse modo a destruição das células estaminais na medula.

O projecto está sendo coordenado pelo prof. Dr. Andriy Mokhir (cadeira da química orgânica II). Departamento da medicina 3 - a reumatologia e a imunologia em Universitätsklinikum Erlangen (Dr. Markus Hoffmann do paládio, prof. Dr. Martin Herrmann e prof. Dr. Georg Schett) e em instituições de pesquisa em Grâ Bretanha, em França, em Suécia, em Espanha e na Ucrânia são envolvidas igualmente.