Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Inibidores de RAS e severidade COVID-19 em pacientes hypertensive

Um estudo novo publicado na cardiologia do JAMA do jornal relata em abril de 2020 que os pacientes com hipertensão que estão tomando as medicamentações chamadas os inibidores de ACE (ACEI) ou o ARBs não estão em um risco mais alto para a morte ou em uma doença mais severa com COVID-19. Esta conclusão apoia directrizes actuais para o tratamento da hipertensão durante esta pandemia.

Receptors COVID-19 e ACE2

Os pacientes com COVID-19 não são na maior parte muito doentes e não recuperam após uma doença delimitação. Contudo, em alguns pacientes com problemas médicos subjacentes, tais como a hipertensão e o diabetes mellitus, a doença torna-se severa e pode-se conduzir à morte.

Recentemente, a descoberta foi feita que a entrada dos ganhos do vírus na pilha através da molécula deconversão (ACE) da enzima 2 na superfície da pilha. O receptor do vírus é, conseqüentemente, a molécula ACE2. Isto igualmente significa que as pilhas que ACE2 expressos são vulneráveis à infecção COVID-19.

Coronaviruses que penetra na pilha humana. A ligação da proteína do ponto do coronavirus (vermelha) a um receptor ACE2 (azul) conduz à penetração do vírus na pilha. rendição 3d. PDB 6VSB, 6ACJ. Crédito de imagem: Juan Gaertner/Shutterstock
Coronaviruses que penetra na pilha humana. A ligação da proteína do ponto do coronavirus (vermelha) a um receptor ACE2 (azul) conduz à penetração do vírus na pilha. rendição 3d. PDB 6VSB, 6ACJ. Crédito de imagem: Juan Gaertner/Shutterstock

Por outro lado, os inibidores de ACE e os construtores do receptor do angiotensin (ARBs) são drogas vitais no controle da hipertensão e da sobrevivência após cardíaco de ataque. Não é claro se estas drogas alteram os níveis de ACE2 na superfície da pilha. Os baixos níveis de ACE2 podem aumentar o risco de edema pulmonar e de função pulmonar reduzida, que pode ser tratado pela administração de ACE2 de recombinação ou losartan.

As recomendações actuais das sociedades as mais médicas e as mais cardiológicas recomendam a continuação destas drogas se os pacientes estão já nelas a menos que houver uma outra indicação clínica as parar.

O estudo actual apontou explorar a possibilidade que os pacientes com hipertensão em inibidores de ACE e ARBs têm uma doença mais severa ou um risco aumentado de morte com infecção COVID-19. Estes dados ajudarão a determinar se tais pacientes devem ser comutados a outras drogas para o controle de sua pressão sanguínea.

Como o estudo foi feito?

Os pesquisadores incluíram 362 pacientes com o COVID-19 admitido ao hospital central, Wuhan, desde o 15 de janeiro de 2020, ao 15 de março de 2020, neste estudo retrospectivo. Todos os pacientes foram diagnosticados pela reacção em cadeia da polimerase do tempo real (rt-PCR).

Todos os pacientes foram classificados para a severidade da doença (pneumonia COVID-19) de acordo com critérios aceitados. A doença severa inclui a baixa saturação do oxigênio no sangue, tachypnea, e o pulmão infiltra sobre 50% dentro de 24-48 horas, de choque séptico, da falha respiratória, e da deficiência orgânica múltipla do órgão. Os pacientes sem nenhumas características da doença severa foram definidos como tendo uma doença não-severa.

A hipertensão foi definida neste estudo como sendo tido uma pressão sanguínea de 140/90 de milímetro hectograma ou mais, ou sendo na medicamentação do antihipertensivo. Sobre um terço do estudo actual a coorte era hypertensive, em 31%. Os pacientes foram definidos como sendo em ACEIs/ARBs se o usavam na admissão e durante seu período no hospital.

Os pesquisadores procuravam a correlação do uso de ACEIs/ARBs com severidade da doença e das taxas de mortalidade, assim como para características epidemiológicas, clínicas, e do laboratório dos pacientes.

Que o estudo mostrou?

Dos 362 pacientes no estudo, os homens e as mulheres estaram presente em números quase iguais. A maioria (72%) deles estavam acima da idade de 60 anos, e um terço deles (32%) estava em ACEIs/ARBs.

Aproximadamente um em cinco destes pacientes morreu no hospital. A predominância de outras doenças subjacentes era similar em ambos os grupos. As análises laboratoriais eram contagens de sangue similares e incluídas, testes para a inflamação, testes renal e do fígado de função, e biomarkers para a doença cardíaca isquêmica.

Ambos os grupos tiveram números iguais de pacientes que desenvolveram a doença severa, a síndrome de aflição respiratória aguda, e as taxas de mortalidade. A maioria de pacientes com hipertensão estavam em construtores do canal do cálcio, e não havia nenhuma correlação entre nenhumas droga/drogas usadas para controlar a pressão sanguínea e a severidade da doença ou da sobrevivência.

Especificamente, havia uma porcentagem similar da doença e da mortalidade severas em ambos os grupos, naqueles que estavam em ACEIs/ARBs, e naqueles que não eram.

A escolha do antihipertensivo é às vezes dependente dos outros problemas médicos que a pessoa sofre de. Contudo, mesmo quando o subconjunto dos pacientes nestas drogas foi classificado por condição subjacente do comorbid, tal como o curso, a doença cardíaca, o diabetes, a doença neurológica, e a doença renal crônica, não havia nenhuma diferença na incidência dos sintomas COVID-10 e de sinais severos, ou da morte, nos dois grupos.

Conclusão

O estudo apoia assim o conselho da maioria de corpos médicos profissionais que é seguro continuar ACEIs e jARBs a menos que houver uma outra boa razão comutar a outras medicamentações. Não havia nenhuma diferença notável entre o grupo nestas medicamentações e o grupo de controle, salvo que uma proporção mais alta do grupo anterior teve a doença cardíaca. Contudo, este estudo observacional deve ser confirmado por outras experimentações.

Journal reference:

Li, J., Wang, X., Chen, J., Zhang, H., and Deng, A. (2020). Association of Renin-Angiotensin System Inhibitors With Severity or Risk of Death in Patients With Hypertension Hospitalized for Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) Infection in Wuhan. JAMA Cardiology. doi:10.1001/jamacardio.2020.1624. https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/fullarticle/2765049

Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2020, April 23). Inibidores de RAS e severidade COVID-19 em pacientes hypertensive. News-Medical. Retrieved on August 05, 2020 from https://www.news-medical.net/news/20200423/RAS-inhibitors-and-COVID-19-severity-in-hypertensive-patients.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "Inibidores de RAS e severidade COVID-19 em pacientes hypertensive". News-Medical. 05 August 2020. <https://www.news-medical.net/news/20200423/RAS-inhibitors-and-COVID-19-severity-in-hypertensive-patients.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "Inibidores de RAS e severidade COVID-19 em pacientes hypertensive". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20200423/RAS-inhibitors-and-COVID-19-severity-in-hypertensive-patients.aspx. (accessed August 05, 2020).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2020. Inibidores de RAS e severidade COVID-19 em pacientes hypertensive. News-Medical, viewed 05 August 2020, https://www.news-medical.net/news/20200423/RAS-inhibitors-and-COVID-19-severity-in-hypertensive-patients.aspx.