Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

O sistema de visão de computador detecta a febre remotamente para ordenar para fora COVID-19

Os povos que aproximam a recepção no hospital judaico de Albert Einstein (HIAE) na cidade de São Paulo têm sua temperatura tomada remotamente por um sistema de visão de computador instalado em uma coluna próxima.

Consistindo em uma câmera térmica e armado com os algoritmos faciais do reconhecimento, o sistema faz a varredura da face do pessoa e mede sua temperatura automaticamente.

Se o sistema detecta uma febre, um dos sintomas de COVID-19, seu software da inteligência (AI) artificial envia um alerta do smartphone à enfermeira do dever, que activará rapidamente o protocolo da triagem do hospital, isolando a pessoa caso necessário para evitar a transmissão de SARS-CoV-2 no ambiente do hospital.

O sistema é chamado Fevver (com dois v mas evidente alusão à febre). Foi desenvolvido comum por duas partidas do AI baseadas no estado de São Paulo, de Hoobox e de Radsquare, ambo são apoiadas por Eretz.bio, uma incubadora startup dos cuidados médicos operada pela sociedade caritativa Judaico-Brasileira de Albert Einstein (SBIBAE).

Hoobox é apoiado igualmente pela fundação de pesquisa de São Paulo - pesquisa inovativa de FAPESP no programa da empresa de pequeno porte (TUBULAÇÃO).

Nós soubemos que se nós combinamos as tecnologias desenvolvidas por nós, nós poderíamos detectar a febre com um alto nível da precisão.”

Paulo Gurgel Pinheiro, CEO, Hoobox

A produção de Fevver está sendo actualmente ascendente ramped. É baseada em um método facial do reconhecimento desenvolvido por Hoobox como parte de um projecto apoiado por FAPESP através da TUBULAÇÃO (lida mais em: agencia.fapesp.br/29866).

Para detectar a febre, o sistema identifica primeiramente a face e extrai precisamente pontos dos cantos dos olhos, rejeitando o “ruído fisiológico” como o suor.

A temperatura de canto do olho é medida thermographically usando a tecnologia infravermelha da energia-detecção desenvolvida por Radsquare. Os cantos do olho são visados porque os canais de rasgo são encontrados lá.

Os canais de rasgo não têm nenhuns coberta da pele e nível relativamente estável da umidade. Em termos vasculares, são muito próximos ao cérebro, que controla a temperatura corporal. Todo o isto lhes faz o ideal para fins da temperatura de medição pelo thermography.”

Felipe Brunetto Tancredi, fundador e CSO de Radsquare

Tancredi era o investigador principal para um projecto apoiado por FAPESP no campo da ressonância magnética (MRI).

Se a febre é detectada, as imagens do sistema a pessoa e notificam a recepção ou a enfermeira do dever. “Mede as temperaturas de um grande número povos distante mais rapidamente do que métodos convencionais e não exige um operador,” Pinheiro disse. “Que é particularmente importante em uma situação como a pandemia COVID-19, com muitos pacientes que têm sintomas da doença que tem que ser importada com ao mesmo tempo.”

Os resultados foram tão positivos que HIAE decidiu instalar o sistema em outras partes do hospital de modo que a temperatura dos visitantes e do pessoal pudesse ser medida.

“A tecnologia é extremamente útil para a selecção rápida seguida pela triagem e isolamento se necessário, aumentando a segurança dos pacientes hospitalizados e do pessoal,” disse o Terra de José Cláudio Cyrineu, a cabeça de HIAE da inovação.

Os pesquisadores igualmente querem o sistema ser usados nos hospitais de campanha que têm sido abertos recentemente em várias partes de Brasil e em hospitais públicos regulares.

Contudo, o interesse no sistema é o mais forte de tudo das empresas industriais que querem monitorar a temperatura dos empregados em um esforço para reduzir o risco de transmissão do local de trabalho do vírus.

“O desafio que nós enfrentamos é agora fazer a tecnologia altamente escalável assim que pode ser usado em diversos sectores,” Pinheiro disse.