Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A nova tecnologia pode ser usada para a monitoração remota dos indivíduos com COVID-19 suspeitado

Agência FAPESP - Tornado por Biologix, uma partida sediada em São Paulo, em Brasil, em um diagnóstico da HOME da apnéia do sono e no sistema de vigilância baseados no Internet das coisas pode ser usada para a monitoração remota dos indivíduos com COVID-19 suspeitado ou sintomas suaves da doença. O sistema pode igualmente ser usado para recomendar transferência a um hospital se os sinais clínicos do paciente se agravam.

Dois hospitais privados em São Paulo, o epicentro da pandemia em Brasil, testarão a tecnologia. A revelação da inovação foi apoiada por FAPESP através de um projecto financiado sob o programa de PIPE/PAPPE Grant, uma parceria entre FINEP, a agência da inovação do governo brasileiro, e FAPESP através de sua pesquisa inovativa no programa da empresa de pequeno porte (TUBULAÇÃO).

Diversos dispositivos estão já disponíveis para monitorar pacientes com COVID-19 suspeitado ou sintomas suaves, mas são baseados nas respostas subjetivas do paciente. Não fazem monitoram sinais clínicos como nosso sistema faz.”

Tácito Mistrorigo de Almeida, CEO de Biologix

A parte física do sistema é um sensor portátil sem corda, que, quando colocado no indicador do paciente, capture a saturação do oxigênio e os dados da frequência cardíaca.

Os dados são recolhidos no tempo real por um smartphone livre app disponível para o andróide e plataformas do iOS. O programa envia automaticamente os dados à nuvem e a um painel de controle operado pela equipa médica responsável para monitorar cada paciente.

Se o sistema mostra uma gota na saturação do oxigênio, a equipa médica contacta a equipa de tratamento paciente ou no local. A baixa saturação do oxigênio é um dos sinais de aviso principais de uma circunstância de deterioração no caso de COVID-19 e de apnéia do sono, em que respirando repetidamente paradas e começos.

Equipe recomenda imediato hospitalização se, além do que os dados que mostram uma queda na saturação do oxigênio e na frequência cardíaca, o paciente ou a equipa de tratamento relatam a febre, uma tosse, a fadiga e a dificuldade respirando, que são sintomas típicos da infecção por SARS-CoV-2.

“O sistema permite o pessoal da monitoração de referir na hora certa a pacientes um hospital, abaixando o risco de contágio pela interacção com outro e, sobretudo, protegendo trabalhadores dos cuidados médicos,” Almeida disse.

A tecnologia pode igualmente ser usada por hospitais, por organizações da gestão em saúde e por seguradores para monitorar mais não somente pacientes com COVID-19 suspeitado ou sintomas suaves da doença mas igualmente uns povos mais idosos e uns outros membros dos grupos em risco de desenvolver um formulário severo da doença.

“Nos hospitais, o sistema pode ser usado para monitorar os pacientes COVID-19 noncritical e para deixar bases da unidade de cuidados intensivos livres para pacientes críticos,” Almeida disse.

Adaptação

Biologix é apoiado por Eretz.bio, por uma incubadora startup do healthtech operada por Albert Einstein que a sociedade caritativa Judaico-Brasileira (SBIBAE) essa igualmente ajuda a diversas empresas com as iniciativas financiadas por PIPE-FAPESP para desenvolver tecnologias para o diagnóstico COVID-19, pela monitoração e pelo tratamento.

Entre estes é Magnamed, que fornecerá 6.500 ventiladores mecânicos ao Ministério da Saúde de Brasil, e Hoobox, que, em parceria com Radsquare, desenvolveu um sistema que detectasse a febre remotamente.

“Este ecossistema de partidas do healthtech foi ágil, evidenciando uma capacidade reconfigurar ràpida a fim criar as soluções para a luta contra COVID-19, incluindo as tecnologias que podem ser usadas na triagem para identificar os pacientes que exigem um tratamento mais urgente,” disseram o Terra de José Cláudio Cyrineu, cabeça da inovação em SBIBAE.