Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

COVID-19 contamina glóbulos periféricos?

A emergência da manifestação nova do coronavirus em dezembro de 2019 foi seguida por sua propagação em uma escala global incomparável nos últimos 100 anos. Presentemente, reivindicou sobre 322.000 vidas o mundo sobre, com sobre os 4,88 milhão casos que testam o positivo.

A seqüência do coronavirus 2 da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS-CoV-2) foi transferida ficheiros pela rede primeiramente ao princípio de 2020, mas a partir de agora, sobre 17.000 genomas foram arranjados em seqüência das tensões virais isoladas pelo mundo inteiro. Isto permite a selecção rápida do RNA em tecidos humanos assim como em amostras ambientais.

Coronavirus novo SARS-CoV-2: Esta imagem do microscópio de elétron da exploração mostra SARS-CoV-2 (objetos redondos do ouro) que emerge da superfície das pilhas cultivadas no laboratório. Crédito: NIAID-RML

Coronavirus novo SARS-CoV-2: Esta imagem do microscópio de elétron da exploração mostra SARS-CoV-2 (objetos redondos do ouro) que emerge da superfície das pilhas cultivadas no laboratório. SARS-CoV-2, igualmente conhecido como 2019-nCoV, é o vírus que causa COVID-19. O vírus mostrado foi isolado de um paciente no crédito dos E.U.: NIAID-RML

Detecção de vírus no sangue humano ou nos glóbulos

O estudo actual por pesquisadores no Cairo, Egipto, e publicado no medRxiv* do server da pré-impressão foi projectado testar para a presença do vírus no sangue humano ou nos todos os glóbulos, que poderiam permitir que o vírus esconda do sistema imunitário ou ser traficados a outros órgãos. É algum dado especialmente relevante (duvidoso) relata que o vírus poderia contaminar linfócitos.

Outros cientistas reivindicaram que o vírus talvez ataca a hemoglobina, ou que deve ser encontrado no sangue de pacientes contaminados, ou as pilhas mononuclear do sangue periférico (PMBCs), como é o caso com outros vírus infecciosos como a hepatite B, a hepatite C ou o VIH.

O estudo actual, usou conseqüentemente a análise computacional em três seqüências do genoma de PBMCs dos pacientes COVID-19 activos, de três do doador saudável PBMCs, e de dois do líquido de lavage broncoalveolar (BAL) dos pacientes. Encontraram que os traços e as grandes quantidades do RNA SARS-CoV-2 estiveram encontrados no PMBCs e no BAL, respectivamente.

Glóbulos brancos na mancha periférica do sangue. Crédito de imagem: Jarun Ontakrai/Shutterstock
Glóbulos brancos na mancha periférica do sangue. Crédito de imagem: Jarun Ontakrai/Shutterstock

RNA viral nos glóbulos

Os resultados mostraram que as amostras do BAL e do PBMC estiveram separadas extensamente, como esperado, quando o PBMCs de saudável e as amostras pacientes foram separadas ligeira geralmente. O RNA viral estou presente em todas as seqüências de BALF em 2,15% do total lê (número médio). O PBMC de um paciente igualmente mostrou que dois lêem que combinado a glicoproteína da proteína SAR-CoV-2 e da superfície.

Uns estudos mais adiantados mostraram aquele com o uso de RT-PCR, o CoV-RNA foi encontrado em amostras do plasma dos pacientes COVID-19, mas não confirmaram a presença de partículas virais infecciosas no sangue. Por este motivo, chamaram seu ` encontrando RNAemia' um pouco do que o viremia.

O relatório actual é, contudo, o primeiro para mostrar a presença de RNA viral em PBMC. De facto, um estudo prévio que examinasse o RNA isolado de PBMC fez claro que nenhuma seqüência viral estêve encontrada.

Os pesquisadores usaram a alto-produção que arranja em seqüência, que foi demonstrada para ser eficaz em identificar e em medir o número de partículas virais no sangue. Por este motivo, usaram este método para fazer agora uma busca detalhada para seqüências virais do RNA dentro do único conjunto de dados público disponível. Encontraram que o RNA viral estou presente dentro de todas as amostras do BAL, em uma concentração de 2,15% do RNA total. O RNA dois lê correspondido ao genoma SARS-CoV-2. Contudo, como esperado, o PBMC dos controles não conteve nenhum RNA.

Implicações

Embora a quantidade de RNA viral é pequena, é indubitàvelmente aquela do SARS-CoV-2. Um do lê codifica um polyprotein, que participem na transcrição viral e na réplica, e que seja o maior das proteínas do coronavirus. Outros codificaram a proteína do ponto, que é responsável para a entrada viral nas pilhas humanas que levam o receptor da molécula ACE2.

A possibilidade está sempre viva que o RNA viral lê é o resultado da contaminação colateral ou um código de barras que sangra em outro. Contudo, esta é uma possibilidade rara porque nenhumas das amostras de controle mostraram a correspondência similar. Além disso, poderiam ser o resultado da amostra do vírus por pilhas deapresentação, por pilhas especialmente dendrítico, ou por apresentação do vírus às pilhas de T, que fazem parte da população de PBMC.

Há uma terceira possibilidade, que possa ser analisada somente com um número muito maior de amostras. Isto é que o vírus pode ter sido tragado de propósito ou acidentalmente por um do PBMCs. Esta ocorrência poderia ser um mecanismo para a infecção SARS-CoV-2 crônica, mas a teoria deve ser testada rigorosa.

Uma hipótese que não é apoiada pela experiência actual é t cell que visa pelo vírus in vivo, que elevarou de uma experiência mais adiantada da cultura celular usando vírus pseudotyped.

A experiência actual ajudará a tomar a compreensão actual do progresso e da réplica da infecção SARS-CoV-2 nos seres humanos.

Observação *Important

o medRxiv publica os relatórios científicos preliminares que par-não são revistos e, não devem conseqüentemente ser considerados como conclusivos, guia a prática clínica/comportamento saúde-relacionado, ou tratado como a informação estabelecida.

Journal reference:
Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2020, May 19). COVID-19 contamina glóbulos periféricos?. News-Medical. Retrieved on March 07, 2021 from https://www.news-medical.net/news/20200519/Does-COVID-19-infect-peripheral-blood-cells.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "COVID-19 contamina glóbulos periféricos?". News-Medical. 07 March 2021. <https://www.news-medical.net/news/20200519/Does-COVID-19-infect-peripheral-blood-cells.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "COVID-19 contamina glóbulos periféricos?". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20200519/Does-COVID-19-infect-peripheral-blood-cells.aspx. (accessed March 07, 2021).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2020. COVID-19 contamina glóbulos periféricos?. News-Medical, viewed 07 March 2021, https://www.news-medical.net/news/20200519/Does-COVID-19-infect-peripheral-blood-cells.aspx.