Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Os pesquisadores brasileiros projectam os ventiladores mecânicos baratos

Um grupo de pesquisadores na universidade da escola de engenharia de São Paulo (POLI-USP) em Brasil desenvolveu um ventilador mecânico esse os custos somente aproximadamente 7% tanto quanto um ventilador convencional. Chamado inspire, ele tem uma patente aberta permitindo a fabricação direito-livre, embora como um dispositivo da manutenção das funções vitais, sua distribuição é controlado.

Um grupo piloto será produzido pela marinha brasileira para o uso nos ensaios clínicos. Vinte empresas estão interessadas em fazer o ventilador, que tem sido testado já nos animais e nos seres humanos.

Os ventiladores são essenciais para o tratamento dos pacientes com síndrome respiratória aguda, um dos resultados os mais severos de COVID-19.

Nosso ventilador é projectado ser usado nas emergências onde há uma falta dos ventiladores de ICU [unidade de cuidados intensivos], que são mais monitorados, mas têm toda a funcionalidade exigida por um paciente severo. Igualmente tem a vantagem de não segundo uma linha de ar comprimido, como os ventiladores convencionais fazem. Precisa somente uma tomada da energia eléctrica e um oxigênio conduzido [os O2] do hospital ou mesmo do O2 engarrafado.”

Raul Gonzalez Lima, professor em POLI-USP e investigador principal para o projecto

Lima tem trabalhado por aproximadamente 20 anos, com fundação de pesquisa de São Paulo - o apoio de FAPESP (id_pesquisador_exact%3A86942) %20AND%20 (*: *)), na revelação da tecnologia elétrica do tomografia (EIT) da impedância para monitorar e aperfeiçoar a ventilação mecânica em ICUs. Monitorar estes pacientes pode abrandar efeitos secundários, encurtar o processo desmamar e minimizar a duração da ventilação mecânica.

Do grupo de Lima vieram alguns dos pesquisadores que fundaram Timpel, um fabricante dos tomographs usados por hospitais em Brasil e no exterior. A partida foi apoiada por FAPESP através de sua pesquisa inovativa no programa da empresa de pequeno porte (TUBULAÇÃO) (lido mais em: agencia.fapesp.br/33000).

As entradas e as matérias primas para Inspire são adquiridas facilmente em Brasil. O dispositivo toma não mais de duas horas ao produto, para um custo de BRL 1.000 (actualmente aproximadamente USD 170), comparado com um custo médio de BRL 15.000 para os ventiladores convencionais.

Colaborações

Marcelo Knorich Zuffo, um professor em POLI-USP, igualmente está colaborando no projecto. Outros professores em POLI-USP e na Faculdade de Medicina da mesma universidade (FM-USP) e na escola da medicina veterinária e da ciência animal (FMVZ-USP) estão colaborando com a Lima e o Zuffo para executar os testes diferentes exigidos para o desenvolvimento de produtos e a aprovação.

Em desenvolver o ventilador, os pesquisadores necessários para analisar a escala de caudais e de níveis do oxigênio poderia oferecer pacientes. Com esta finalidade, simularam as várias freqüências de respiração dos pulmões humanos usando um medidor de fluxo do analisador de gás e do gás no laboratório avançado dos diagnósticos da combustão executado pelo centro de pesquisa de FAPESP-SHELL para a inovação do gás (RCGI). O RCGI é hospedado por POLI-USP sob o programa do centro de pesquisa da engenharia (ERC) de FAPESP. A cabeça do laboratório é Guenther Carlos Krieger Filho, também um professor em POLI-USP.

“Este tipo do equipamento tem que entregar uma mistura do ar-oxigênio aos pulmões do paciente, assim que nós projectamos um teste medir a relação entre o tempo onde a linha de oxigênio está aberta e a porcentagem do oxigênio misturou com o ar,” Lima disse.

O instrumento disponível no RCGI, contudo, foi desenvolvido para medir a combustão do combustível e pode detectar até 30% do oxigênio no ar. Um ventilador deve entregar perto de 100%. Os pesquisadores calcularam conseqüentemente a mistura indirectamente medindo outros gáss e pressupor o nível de oxigênio, que encontraram para ser adequados.

Os testes animais foram conduzidos sob a coordenação de Denise Tabacchi Fantoni e Aline Ambrósio, ambos quem são professores em FMVZ-USP.

Os testes foram executados no laboratório da anestesiologia de FM-USP (LIM08) sob a supervisão do júnior do professor José Otávio Costela Auler, em colaboração com Denise Aya Otsuki, de um pesquisador em LIM08.

As primeiras experimentações humanas envolveram quatro pacientes que submetem-se ao tratamento no instituto do coração de FM-USP (INCOR). Foram conduzidos pelo júnior de Auler, com a colaboração de galas de Filomena Regina Barbosa Gomes, do supervisor no ICU cirúrgico de INCOR, da enfermeira Suely Pereira Zeferino, e da costela Leme de Alcino do fisioterapeuta. Zeferino e Leme são igualmente pesquisadores em INCOR. Nenhuma complicação foi relatada nos pacientes intubated com inspira os ventiladores.

Os pesquisadores estão preparando agora um ensaio clínico com um número maior de pacientes. Esta será uma das últimas etapas antes que a produção do ventilador esteja aprovada por ANVISA, autoridade nacional do controlo sanitário de Brasil.