Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A proteína da corrente pesada do Ferritin mostra a promessa como uma vacina ou um antiviral do potencial SARS-CoV-2

Um estudo novo publicou nos relatórios em linha do bioRxiv* do server da pré-impressão em maio de 2020 a construção e o teste de uma proteína ferritin-baseada nova do antígeno-rolamento que tivesse a actividade biológica para o receptor ACE2. Isto podia indicar seu potencial para a revelação como uma vacina ou um antiviral.

Quando a pandemia COVID-19 actual continuar a causar pelos milhares novos casos e mortes, os pesquisadores estão tentando compreender o vírus, seu mecanismo da patogénese, e como induz uma resposta imune no anfitrião. Os resultados podiam informar uma estratégia mais eficaz para a revelação de uma droga vacinal ou terapêutica, ajudando a controlar a manifestação.

A estrutura de SARS-CoV-2

O coronavirus 2 (SARS-CoV-2), que é o agente etiological da pandemia actual, é um vírus do RNA com um grande genoma, quatro estruturais, e 16 proteínas não-estruturais da Síndrome Respiratória Aguda Grave. Das quatro proteínas estruturais, um é uma proteína do ponto, responsáveis para o acessório do vírus a e a entrada nas pilhas de anfitrião. Os outro compreendem o envelope, a membrana, e as proteínas do nucleocapsid.

A proteína do ponto está sendo investigada como um alvo vacinal potencial. Os anticorpos que ligam à glicoproteína do ponto, especificamente seu domínio receptor-obrigatório (RBD), podem eficientemente neutralizar a infecção do vírus. Contudo, há pouca reactividade cruzada entre os anticorpos SARS-CoV-2 e SARS-CoV.

A entrada SARS-CoV-2 viral nas pilhas de anfitrião depende da existência de um receptor ACE2 funcional na pilha de anfitrião. A proteína viral do ponto liga ao receptor através de seu domínio receptor-obrigatório, como revelado pela microscopia do cryo-elétron. A proteína do ponto tem dois domínios, S1 e S2.

O local receptor-obrigatório no domínio S1 muda a conformação, com a dobradiça-como o local, da aleta-para baixo à conformação da aleta-acima, antes que possa ligar ao receptor ACE2. Se um anticorpo de neutralização pode visar este, a entrada do vírus poderia ser impedida. Isto, por sua vez, conduziu à pesquisa intensiva na disposição atômica deste estado, junto com a identificação do motivo receptor-obrigatório (RBM).

Ferritin - uma avenida nova

O Ferritin é uma proteína polimérico feita de 24 unidades, compreendendo as correntes pesadas e claras, formando a gaiola-como a estrutura similar àquela de SARS-CoV-2. Isto atraiu a atenção de muitos pesquisadores como uma plataforma atractiva para a indução da imunidade. É 12 nanômetro no diâmetro, que permite a penetração rápida em tecidos assim como a sua entrada nos nós de linfa regional.

A corrente pesada do ferritin é da baixa imunogenicidade e encontrou aplicações múltiplas em diagnósticos nanomedical e moleculars, incluindo vacinas antivirosas e anticancerosas.

O estudo actual examina assim a actividade biológica e a imunogenicidade de uma proteína fundida do ferritin-RBM como um precursor vacinal potencial.

A construção da proteína da fusão

Os pesquisadores incorporaram o RBM do vírus, contendo 72 ácidos aminados, na corrente pesada da molécula humana do ferritin (HFtn) para formar uma proteína da fusão denominada RBM-HFtn.

Os indicadores resultantes oito da proteína da fusão fundiram trimers da proteína com potencial aumentado para a indução da resposta imune. As subunidades de RBM são distantes colocado bastante de se que ainda permitem a formação da estrutura polimérico. Um peptide pequeno de RBM foi escolhido pela mesma razão, de modo que pudesse bem ser indicado na superfície da corrente pesada do ferritin.

A proteína da fusão transfected na tensão de Escherichia Coli BL21 para clonar e refolding. Foi caracterizada então pela microscopia físicos e métodos químicos, assim como de transmissão de elétron (TEM). A afinidade obrigatória de RBM-HFtn para o receptor ACE2 foi analisada igualmente por técnicas de ELISA.

Os pesquisadores encontraram que a proteína colhida da cultura bacteriana estava principalmente sob a forma dos corpos de inclusão em vez dentro de um formulário solúvel como esperado. Quando foi induzida ao refold, a proteína foi encontrada para ser aproximadamente 15 nanômetro, com uma forma redonda uniforme.

O ensaio da afinidade obrigatória mostrou que o RBD viral tem uma afinidade obrigatória mais baixa do que o RBM-HFtn da proteína da fusão. A afinidade obrigatória mais alta dos últimos pode ser devido ao gaiola-como a superfície da proteína da fusão, que pode carregar 24 cópias do RBM em sua superfície.

Representação esquemática da estrutura de RBM-HFtn com o ferritin como o andaime (azul) fundido com o RBM da glicoproteína do ponto SARS-CoV-2 (vermelha); O RBM-HFtn é capaz de complexing com ACE2 (verde) (a). As cópias do total 24 de RBM são apresentadas na superfície do ferritin, somente 14 cópias foram mostradas aqui para a representação simbólica. Dois caminhos hipotéticos do antivirus de RBM-HFtn induzindo anticorpos contra SARS-CoV-2 (B, caminho superior) e/ou obstruindo a entrada do vírus através do emperramento competitivo a ACE2 (B, mais baixo caminho).
A representação esquemática da estrutura de RBM-HFtn com o ferritin como o andaime (azul) fundiu com o RBM da glicoproteína do ponto SARS-CoV-2 (vermelha); O RBM-HFtn é capaz de complexing com ACE2 (verde) (a). As cópias do total 24 de RBM são apresentadas na superfície do ferritin, somente 14 cópias foram mostradas aqui para a representação simbólica. Dois caminhos hipotéticos do antivirus de RBM-HFtn induzindo anticorpos contra SARS-CoV-2 (B, caminho superior) e/ou obstruindo a entrada do vírus através do emperramento competitivo a ACE2 (B, mais baixo caminho).

O mecanismo da acção da proteína da fusão

A proteína RBM-HFtn da fusão pode actuar contra SARS-CoV-2 em duas maneiras diferentes. Uma, pode estimular a formação de anticorpo de neutralização dirigida contra o RBM da proteína do ponto, que pode permitir seu uso como uma vacina. O vírus neutralizado será cancelado então do corpo pelo sistema imunitário.

A pesquisa sobre as amostras COVID-19 pacientes mostrou a presença de dois anticorpos que inibem o emperramento RBD-ACE2 viral. As experiências animais mostraram que estas poderiam reduzir a carga viral nos pulmões de ratos contaminados. Isto conduz os pesquisadores teorizar que “correctamente apresentando a S-proteína RBD/RBM, o RBM-HFtn projetado tem o grande potencial como uma vacina anti-SARS-CoV-2.”

Um outro mecanismo possível da acção está obstruindo a entrada da pilha do vírus pelo emperramento da proteína da fusão de RBM-HFtn ao receptor ACE2, assim obstruindo a proliferação viral. Quando o primeiro mecanismo poderia impedir a infecção, o segundo pode reduzir a severidade da infecção contrariando sua acção no receptor.

O estudo relata assim a construção de uma proteína da fusão, que poderia ser isolada na pureza alta, com o tamanho e a forma como esperado. Era igualmente activo contra o receptor ACE2, como confirmado por ELISA.

Os resultados sugerem que “o RBM esteja apresentado correctamente na superfície do ferritin humano da corrente pesada e seja reconhecível pelo receptor ACE2. Seu potencial como a vacina SARS-CoV-2 e como um antagonista do receptor ACE2 é estudado mais nas experiências animais.”

Observação *Important

o bioRxiv publica os relatórios científicos preliminares que par-não são revistos e, não devem conseqüentemente ser considerados como conclusivos, guia a prática clínica/comportamento saúde-relacionado, ou tratado como a informação estabelecida.

Journal reference:
Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2020, May 28). A proteína da corrente pesada do Ferritin mostra a promessa como uma vacina ou um antiviral do potencial SARS-CoV-2. News-Medical. Retrieved on March 03, 2021 from https://www.news-medical.net/news/20200528/Ferritin-heavy-chain-protein-shows-promise-as-a-potential-SARS-CoV-2-vaccine-or-antiviral.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "A proteína da corrente pesada do Ferritin mostra a promessa como uma vacina ou um antiviral do potencial SARS-CoV-2". News-Medical. 03 March 2021. <https://www.news-medical.net/news/20200528/Ferritin-heavy-chain-protein-shows-promise-as-a-potential-SARS-CoV-2-vaccine-or-antiviral.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "A proteína da corrente pesada do Ferritin mostra a promessa como uma vacina ou um antiviral do potencial SARS-CoV-2". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20200528/Ferritin-heavy-chain-protein-shows-promise-as-a-potential-SARS-CoV-2-vaccine-or-antiviral.aspx. (accessed March 03, 2021).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2020. A proteína da corrente pesada do Ferritin mostra a promessa como uma vacina ou um antiviral do potencial SARS-CoV-2. News-Medical, viewed 03 March 2021, https://www.news-medical.net/news/20200528/Ferritin-heavy-chain-protein-shows-promise-as-a-potential-SARS-CoV-2-vaccine-or-antiviral.aspx.