Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Factores que determinam a mortalidade COVID-19

Um estudo novo potencial importante por pesquisadores do MIT e publicado no medRxiv* do server da pré-impressão mostra em junho de 2020 que as taxas de mortalidade COVID-19 em estados de E.U. correlacionam com diversos factores como a comutação a trabalhar, temperaturas, e lugar geográfico, mas não com bases, obesidade ou pobreza de ICU. Este trabalho, se validado, poderia ajudar a identificar os factores de contribuição reais que dão forma a taxas de mortalidade através dos EUA.

O papel da corrente centra-se sobre correlações entre as taxas de mortalidade COVID-19 pela população 1.000 a nível do condado com quatro variáveis importantes: estado sócio-económico (SES), modos, variáveis da saúde, e testes padrões de comutação do clima e da poluição.

O que faz e não correlaciona com as taxas de mortalidade COVID-19. Crédito de imagem: Espírito da foto
O que faz e não correlaciona com as taxas de mortalidade COVID-19. Crédito de imagem: Espírito da foto

Os factores examinados

SES inclui a proporção de afro-americanos e hispânicos, assim como brancos e outros grupos étnicos; pobreza; idade sobre 65; vida em casas auto-possuídas; e o valor home em termos financeiros.

O modo de comutação inclui a proporção de trabalhadores que conduzem, usa o transporte público, usa bicicletas, anda, trabalho da HOME, ou não as comuta de todo. As variáveis da saúde incluem a porcentagem dos diabéticos, os fumadores, e indivíduos obesos, assim como aqueles que faltam o seguro de saúde, e o número de bases de ICU per capita.

As variáveis do clima e do tempo incluem o verão do nível da poluição do ar, o médio e as temperaturas médios do inverno.

A correlação não é causa

Ao princípio, os pesquisadores advertem, “é importante compreender que esta pesquisa, e outras análises observacionais gostam d, simplesmente identifique correlações: estes relacionamentos não são necessariamente causais. Contudo, estas correlações podem ajudar responsáveis políticos a identificar as variáveis que podem potencial causal ser relacionadas às taxas de mortalidade COVID-19 e adotar políticas apropriadas após ter compreendido o relacionamento causal.”

As fontes de erro potenciais incluem diferenças na disponibilidade do teste e critérios para testar, que afectaria a capacidade para gravar todas as mortes. Contudo, os pesquisadores usaram um modelo analítico que permitisse que os relacionamentos sejam julgados como tal, e não como consequência de outros factores da confusão para que os ajustes têm sido feitos já.

O período do estudo realizava-se desde o 4 de abril de 2020, ao 27 de maio de 2020, mas os pesquisadores omitiram os cinco condados de New York City da análise principal.

Usando efeitos fixos do estado para a comparação de um estado a outro

Os pesquisadores igualmente usaram “efeitos fixados estado”, um tipo de variáveis de manequim que permitem a computação de taxas de mortalidade da linha de base para cada estado, ajustando para as variáveis comuns a todos os condados no mesmo estado. Isto significa que as taxas de mortalidade podem ser comparadas através dos estados independentemente das outras variáveis, dando uma ideia de como as taxas de mortalidade de todo o estado comparam com as aquelas de outro.

O uso de efeitos fixados estado igualmente permite correlações ser medido através dos condados no mesmo estado, mas sem seu uso, as correlações são medidas dentro de um estado e através dos estados. Os pesquisadores explicam que estas diferenças são importantes naquela se uma correlação é encontrada através dos estados mas não dentro de um estado, esta poderiam significar que o primeiro tipo de correlação é devido aos factores estado-relacionados específicos que não fizeram sua maneira no modelo.

Os afro-americanos têm uma taxa de mortalidade mais alta?

Antes de mais nada, os pesquisadores encontraram que sem se usar o estado fixou efeitos, as taxas de mortalidade eram mais altos quando a proporção de afro-americanos era mais alta; este efeito tornou-se insignificante mas restante quando os efeitos fixados estado eram no lugar. Por exemplo, um estado gosta de Louisiana, que tem uma proporção mais alta de afro-americanos, tem uma taxa de mortalidade mais alta do que uma como Tennesse, que não faz. Contudo, dentro de Louisiana próprio, os condados com mais afro-americanos e uma proporção mais baixa deles não mostram esta disparidade.

Por o exemplo, cotam uma taxa de mortalidade 1,262 mais altamente em um condado com todos os afro-americanos, comparados a um que tem zero. Em comparação, a taxa de mortalidade média a nível do condado é 0,119.

Mostram que as taxas de mortalidade entre dois condados onde um tem os afro-americanos zero, e uma em 87% (observado o mais altamente) variam por quase decuplamente, a 1,10.

Se os efeitos fixados estado são considerados agora, as taxas de mortalidade estão triplicadas, mas este aumento não é significativo anymore. Todavia, os pesquisadores dizem que “incentivam responsáveis políticos e pesquisadores investigar o relacionamento causal entre taxas de mortalidade e a parte de residentes afro-americanos.”

Outros factores correlacionados com as taxas de mortalidade mais altas

Controlando para factores óbvios da confusão, as correlações permitem que um grupo mais estreito de factores seja focalizado sobre para identificar os motivos reais para tais relações.

O diabetes está associado igualmente com uma taxa de mortalidade mais alta mas torna-se outra vez insignificante quando os efeitos fixados estado são no lugar. Uma população mais velha é significativa, se associado marginal com as taxas de mortalidade mais altas, como são uns valores home mais altos, uns climas mais quentes, e umas mais baixas temperaturas do inverno.

Transporte público e taxas de mortalidade

O relacionamento entre a taxa de mortalidade e o uso do transporte público é significativo e forte. Aproximadamente 0-0.26% dos povos através da amostra usam o transporte público, e se o uso do transporte público aumenta pelo sobre um aumento de 20 pontos percentuais, a taxa de mortalidade vão acima por quase 1,0, que é quase dez vezes a taxa de mortalidade média de 0,119 através de todos os condados.

Os pesquisadores indicam dois factos. Um é que o transporte público está ligado à taxa de mortalidade a mais alta, mas por outro lado, todos comutam modos diferentes de biking são relacionados a umas taxas de mortalidade mais altas do que o telecommuting. Dado isto, os pesquisadores especulam que este aumento é devido ao tipo de trânsito próprio e ao tipo de trabalho tais trabalhadores fazem. Esta última razão igualmente aplica-se aos povos que andam ou conduzem e podem igualmente explicar a taxa de mortalidade aumentada em seu caso - ambas estas classes podem ter os trabalhos que envolvem mais interacção com a outro.

A recomendação, seria conseqüentemente aumentar a segurança do transporte público e assegurar melhor afastar-se social no trabalho.

Por que são as taxas de mortalidade mais altas para aquelas que não comutam de todo? Os pesquisadores atribuem este à grande proporção de crianças e de desempregados neste segmento, que aponta à exposição mais alta possível assim como ao pedágio do desemprego.

O que são novo, e como ele importa

Os resultados novos são uma falta da correlação entre a poluição, obesidade, de base de ICU números, e pobreza, com taxas de mortalidade. Além disso, a comparação de mostra múltiplo-controlada das taxas de mortalidade são os mais altos nos estados do nordeste, e em Michigan, em Louisiana, em Iowa, em Indiana, e em Colorado, ao ser os mais baixos em Califórnia.

O estudo oferece uma vista geral preliminar de algumas correlações importantes. Pode adicionar à identificação pesquisa-baseada das variáveis que jogam possivelmente um papel causal nas taxas de mortalidade COVID-19, ajudando a dar forma apropriadamente a políticas e a reduzir assim o impacto da manifestação.

Observação *Important

o medRxiv publica os relatórios científicos preliminares que par-não são revistos e, não devem conseqüentemente ser considerados como conclusivos, guia a prática clínica/comportamento saúde-relacionado, ou tratado como a informação estabelecida.

Journal reference:
Dr. Liji Thomas

Written by

Dr. Liji Thomas

Dr. Liji Thomas is an OB-GYN, who graduated from the Government Medical College, University of Calicut, Kerala, in 2001. Liji practiced as a full-time consultant in obstetrics/gynecology in a private hospital for a few years following her graduation. She has counseled hundreds of patients facing issues from pregnancy-related problems and infertility, and has been in charge of over 2,000 deliveries, striving always to achieve a normal delivery rather than operative.

Citations

Please use one of the following formats to cite this article in your essay, paper or report:

  • APA

    Thomas, Liji. (2020, June 14). Factores que determinam a mortalidade COVID-19. News-Medical. Retrieved on September 19, 2020 from https://www.news-medical.net/news/20200614/Factors-that-determine-COVID-19-mortality.aspx.

  • MLA

    Thomas, Liji. "Factores que determinam a mortalidade COVID-19". News-Medical. 19 September 2020. <https://www.news-medical.net/news/20200614/Factors-that-determine-COVID-19-mortality.aspx>.

  • Chicago

    Thomas, Liji. "Factores que determinam a mortalidade COVID-19". News-Medical. https://www.news-medical.net/news/20200614/Factors-that-determine-COVID-19-mortality.aspx. (accessed September 19, 2020).

  • Harvard

    Thomas, Liji. 2020. Factores que determinam a mortalidade COVID-19. News-Medical, viewed 19 September 2020, https://www.news-medical.net/news/20200614/Factors-that-determine-COVID-19-mortality.aspx.