Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Os hydrogels recentemente projetados permitem a cultura das T-pilhas para o uso na imunoterapia do cancro

Uma equipe com a participação dos pesquisadores do Conselho de Pesquisa nacional espanhol (CSIC) projectou os hydrogels novos que permitem a cultura das T-pilhas ou dos T-linfócitos, as pilhas do sistema imunitário que são usadas na imunoterapia do cancro desde que têm a capacidade destruir pilhas do tumor. Estes hydrogels podem imitar os nós de linfa, onde as T-pilhas reproduzem e, fornecem conseqüentemente taxas altas de proliferação de pilha.

Os cientistas esperam poder trazer esta nova tecnologia, para que uma patente foi arquivada já no Ofício Europeu de Patentes, aos hospitais logo, e cujos os primeiros detalhes são publicados nos matérias biológicos do jornal. Os cientistas começaram um projecto que os alvos para imprimir estes hydrogels novos em 3D e para acelerar assim sua transferência ao mercado.

Os hydrogels 3D são feitos do glicol de polietileno (PEG), de um polímero biocompatible amplamente utilizado na biomedicina, e da heparina, um agente do anticoagulante. Neste caso, o polímero fornece a estrutura e as propriedades mecânicas necessárias para que as T-pilhas cresçam, quando a heparina for usada para ancorar biomoléculas diferentes do interesse, tais como o cytokine CCL21, uma proteína actual nos nós de linfa e que tem um maior protagonismo na migração e na proliferação da pilha.

Terapia de pilha adoptiva

A imunoterapia do cancro é baseada em usar e em reforçar o sistema imunitário dos pacientes de modo que reconheça e lute pilhas do tumor, sem danificar tecidos saudáveis. Um dos tratamentos possíveis, a terapia de pilha adoptiva assim chamada, consiste extrair as T-pilhas dos pacientes, alterá-los para fazê-los mais activos, fazer cópias numerosas deles e injetá-los de novo em pacientes.

Esta terapia personalizada, embora ainda muito nova, parece ter uns efeitos mais duráveis do que as terapias oncological actuais, agradecimentos a alguns T-linfócitos que são capazes da imunidade conferindo ao longo do tempo. Sua aplicação é limitada pelos media de cultura celular actuais, desde que não são eficazes bastante para a proliferação e o crescimento de uma quantidade relevante de T-pilhas terapêuticas em um curto período de tempo e em uma maneira economicamente viável.”

Judith Guasch, pesquisador, instituto da ciência de materiais de Barcelona (ICMAB-CSIC)

Transferência ao mercado

Para continuar o estudo e incentivar transferência desta tecnologia ao mercado, os pesquisadores Judith Guasch, do ICMAB, e de Elisabeth Engel, professor na universidade politécnica de Catalonia (UPC) no instituto da tecnologia biológica de Catalonia (IBEC), têm sido concedidos recentemente um projecto do atendimento para projectos de transferência e da valorização do centro biomedicável dos trabalhos em rede da pesquisa - a tecnologia biológica, os matérias biológicos e Nanomedicine (CIBER-BBN) 2020, execução visada projectam-se para grupos de CIBER-BBN com o interesse e o apoio das empresas.

O alvo do projecto é imprimir os grandes hydrogels 3D compatíveis com bioreactores clínicos, a fim expandir T-pilhas em mais maneira eficaz. Os pesquisadores desenvolverão o protótipo no laboratório e farão as primeiras experiências para a validação na fase clínica. Actualmente, o projecto está procurando os sócios industriais, principalmente biomedicáveis e as companhias farmacéuticas, e os accionistas interessados em criar uma empresa do derivado para transferir esta tecnologia e para fazê-la disponível nos hospitais.

O projecto conduzido por Guasch e por Engel tem a colaboração de Joaquín Arribas, do instituto do d'Hebron de Vall da oncologia (VHIO), e Miguel A. Mateos, da universidade internacional de Catalonia (UIC).

Source:
Journal reference:

Pérez del Río, E., et al. (2020) CCL21-loaded 3D hydrogels for T cell expansion and differentiation. Biomaterials. doi.org/10.1016/j.biomaterials.2020.120313.