Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

Com as escolas que começam em linha, as vacinações dirigem para o rebaixo

Como o co-director de centros de saúde escola-baseados na rede dos cuidados médicos do Bassett, o pediatra vigia aproximadamente 21 clínicas de saúde escola-baseadas em toda a região - uma área deficiente, rural conhecida fabricando e aleijada pela epidemia do opiáceo.

Dos tornozelos torcidos durante o rebaixo às perguntas do controlo da natalidade, as clínicas servem como o fornecedor para muitas crianças ambos da atenção primária dentro e fora da sala de aula. O de grande importância na lista de afazeres está certificando-se que os cabritos são atualizados em vacinações exigidas, disseram Kjolhede.

Mas, em março, COVID erigiu o regime quando ele escolas forçadas para fechar-se.

“Estava como, santamente fuma,” disse, “o que está indo acontecer agora?”

As escolas jogam um papel essencial em esforços da vacinação dos E.U. As leis exigem crianças ter determinadas imunizações para registrar e atender a classes.

Mas este ano académico, para impedir que COVID-19 espalhe, muitos distritos escolares optaram para começar em linha classes. A decisão leva embora muita da força de alavanca da de volta-escola que empurra pais para ficar actual nos tiros das suas crianças, disse o Dr. Nathaniel Cerveja, membro do Conselho na saúde da escola para a academia americana da pediatria. Se educar não está acontecendo pessoalmente, disse as cervejas, que igualmente conduziram papéis múltiplos no sistema de escolas públicas do distrito de Columbia, “ele é mais duro de reforçar.”

Os responsáveis da Saúde públicos confiaram em escolas como meios controlar doenças vacina-evitáveis por sobre um século. As leis da vacinação que exigem imunizações entrar primeiramente na escola emergiram nos 1850s em Massachusetts como meios controlar a varíola, como os centros para o controlo e prevenção de enfermidades notaram.

Cada estado exige crianças receber determinadas vacinações contra doenças como a poliomielite, a papeira e o sarampo antes de incorporar a sala de aula ou um centro da puericultura, a menos que a criança tiver uma isenção médica. Alguns estados permitem que os povos optem crianças fora das vacinações para razões religiosas ou filosóficas, embora estas isenções sejam associadas com as manifestações de doenças de outra maneira bem-controladas como o sarampo.

“Se obtêm de trás ou não obtêm vacinas que específicas precisam, o jardim de infância é um ponto real da captura para obtê-las até a velocidade e para certificar-se das são atualizadas,” disse Claire Hannan, director executivo da associação de gerentes da imunização.

No nível local, a responsabilidade do seguimento se os estudantes são complacentes cai geralmente na enfermeira da escola. Se um não está actual, um trabalhador de escritório ou um administrador fazem o trabalho, disseram Linda Mendonca, presidente-elegem da associação nacional de enfermeiras da escola. Geralmente, os sistemas escolares enfrentam um fim do prazo para verificar o registro de cada criança e relatando a conformidade aos responsáveis da Saúde do governo, disse.

Como os distritos escolhem manter crianças noncompliant responsávéis varia, Cerveja disse. Algumas escolas trabalham com pais para estabelecer nomeações com um fornecedor. Alguns isolam crianças em uma sala de aula, disse ele, e alguns são tão restritos que “você pode nem sequer andar através da porta a menos que você for imunizado apropriadamente.”

A pandemia COVID-19 conduziu às diminuições íngremes nas vacinações. Em maio, um relatório do CDC mostrou uma queda brusca no número de pedidos submetidos às vacinas para o programa das crianças, uma iniciativa federal que comprasse vacinas para a metade das crianças na liberação dos EUA em segundo revelasse tendências similares - a cobertura da vacinação em Michigan diminuiu entre todas as idades do marco miliário, à excecpção das imunizações dadas no nascimento, quais são feitos geralmente em um hospital.

Fazendo planos alternativos

Em Pensilvânia, por exemplo, no departamento da saúde do estado suspendeu em julho exigências vacinais por dois meses após o começo do ano escolar. Além do que a causa atrasa nos escritórios dos doutores, o estado disse, a pandemia pode igualmente impedir que as enfermeiras da escola e de saúde pública guardarem clínicas da vacinação da “actualização” da em-escola.

“O departamento não pode forçar bastante que assim que as crianças puderem ser vacinadas, eles devem ser,” disse Nate Wardle, secretário de imprensa para o departamento da saúde do estado, em uma indicação redigida. Contudo, o pedido do lockdown alertou por COVID significado “que havia uns diversos período do mês em algumas partes do estado onde as visitas da bem-criança não estavam ocorrendo.”

Os membros da academia americana da pediatria, a associação nacional da escola nutrem e a associação de gerentes da imunização disse que os períodos de graça são uma etapa prudente para esclarecer o efeito da pandemia no cuidado pediatra. A maioria das crianças já tem alguma protecção das doenças das vacinas precedentes, disseram.

Adicionalmente, as cervejas reconheceram aquela escolas de fechamento - entre outras acções como o curso de limitação e grandes espaços de recolhimento shuttering - fazem crianças menos provavelmente para contratar ou espalhar as doenças que incubam tipicamente nas salas de aula. Por exemplo, de acordo com dados do CDC, o sarampo desapareceu essencialmente - 12 casos tinham sido relatados o 19 de agosto este ano, comparado com os 1.282 ao longo de 2019.

Contudo, educar recomeçará eventualmente pessoalmente, que igualmente trarão para trás os riscos de doenças que se movem através das salas de aula, Cerveja disse. E os sistemas escolares podem ser menos perdão das crianças que entram na sala de aula sem as vacinações necessários.

“O que seriam uma vergonha imensa é se as escolas reabrem pessoalmente e as crianças estão para trás junto e nós começamos obter manifestações de outras doenças que são evitáveis baseadas nas imunizações,” ele dissemos.

os centros de saúde Escola-baseados em New York estão contactando activamente pais sobre vacinações. Em Cooperstown, Kjolhede alcançou para fora a cada superintendente logo depois que o lockdown em março para perguntar se a clínica poderia permanecer aberta. Todos com exceção de um disseram não.

O pessoal então estabelece nomeações do telehealth e telefonou aos estudantes que necessário se importe pessoalmente para arranjar visitas - incluindo aqueles que necessário uma vacina antes do início deste ano escolar, disse. Felizmente, o centro de saúde que permaneceu aberto teve uma porta que permitisse que os pacientes entrassem na clínica sem andar através da escola.

Diversas horas ausentes, Dr. Lisa Handwerker estão lutando com como abordar o problema que as centenas de estudantes através de suas seis clínicas de saúde escola-baseadas em New York City faltaram uma vacina exigida.

O departamento da saúde da cidade deu-lhe uma lista de estudantes em seu cuidado que imunizações adicionais necessários, disse. Sobre 400 crianças faltavam a segunda dose para impedir a meningite meningococcal, dada geralmente aos adolescentes e às idades novas 16 23 dos adultos. Porque o departamento usou dados do último ano académico para compilar a lista, Handwerker não tem nenhuma informação sobre estudantes novos. Algumas famílias sairam da cidade devido à falta da renda e dos recursos causados pela pandemia.

“Nós tivemos a dificuldade com pelo menos metade dos cabritos em nossa lista vacinal,” Handwerker disse. “Então quando nós alcançamos famílias, eram relutantes sair de suas casas.”

Um tiro na normalidade

Aquela não era a caixa para o lobo de Tracey, uma matriz de dois quem visitou o doutor recentemente para obter seu filho Jordânia vacinado para o sarampo, a papeira, a rubéola e o HPV antes de começar a sétima categoria. Estará atendendo à escola secundária em Dunedin, Florida, pessoalmente, disse o lobo, 38.

Pareceu sem-sentido manter Jordânia, 13, de seus colegas quando já joga o basebol e o pendura para fora com seus amigos, disse. Suas categorias igualmente deslizaram a primavera passada quando a ameaça de COVID transformou sua sala de aula em um computador.

Igualmente tomou aos seus 6 Ethan mês-velho para suas imunizações. Quando perguntada se estava receosa de entrar no escritório do seu doutor, respondeu, “não mais do que indo à mercearia.”

Apesar de se uma criança começa a escola em casa ou na sala de aula, os peritos da imunização forçaram a importância de vacinar uma criança no tempo. As programações fatoram na fase de uma criança da revelação para maximizar a eficácia da vacina. Isso dito, é preferível que as crianças conseguem suas vacinas de seu doutor regular impedir registros perdidos da imunização e tiros adicionais, disse cervejas.

Contudo o 19 de agosto, o departamento da saúde e serviços humanos liberou uma indicação permitindo que os farmacêuticos forneçam imunizações da infância para as idades 3 18 das crianças.

Notícia da saúde de KaiserEste artigo foi reimprimido de khn.org com autorização da fundação de Henry J. Kaiser Família. A notícia da saúde de Kaiser, um serviço noticioso editorial independente, é um programa da fundação da família de Kaiser, uma organização de investigação nonpartisan da política dos cuidados médicos unaffiliated com Kaiser Permanente.