Aviso: Esta página é uma tradução automática da página original em inglês. Por favor note uma vez que as traduções são geradas por máquinas, não tradução tudo será perfeita. Este site e suas páginas da Web destinam-se a ler em inglês. Qualquer tradução deste site e suas páginas da Web pode ser imprecisas e imprecisos no todo ou em parte. Esta tradução é fornecida como uma conveniência.

A combinação de dois vírus mosquito-carregados pode ser um disparador para o curso

Uma combinação mortal de dois vírus mosquito-carregados pode ser um disparador para o curso, pesquisa nova publicada na neurologia de The Lancet encontrou.

A universidade de pesquisadores de Liverpool e os colaboradores brasileiros têm investigado a relação entre a doença neurológica e a infecção com os vírus Zika e o chikungunya. Estes vírus, que circulam na maior parte nos trópicos, manifestações da causa nas grandes de prurido e na febre nos lugares como Brasil e Índia. Zika é de conhecimento geral causar os danos cerebrais nos bebês depois da infecção na gravidez, mas as mostras que novas da pesquisa pode igualmente causar a doença de sistema nervoso nos adultos.

O estudo de 201 adultos com doença neurológica do início novo, tratado em Brasil durante o 2015Zika e as epidemias 2016 do chikungunya, é o maior de seu tipo para descrever as características neurológicas da infecção para diversas arbovírus que circulam ao mesmo tempo.

A pesquisa nova mostra que cada vírus pode causar uma escala de problemas neurológicos. Zika era especialmente provável causar a síndrome da Guillain-Barra, em que os nervos nos braços e nos pés são danificados. Chikungunya era mais provável causar a inflamação e o inchamento no cérebro (encefalite) e na medula espinal (myelitis). Contudo, o curso, que poderia ser causado por um ou outro vírus apenas, era mais provável ocorrer nos pacientes contaminados com os dois vírus junto.

O curso ocorre quando uma das artérias que fornecem o sangue ao cérebro se torna obstruída. O risco de curso é sabido para ser aumentado após alguns tipos de infecção viral, como o vírus do zoster do varicella, que causa a varicela e as telhas, e o VIH. O curso está sendo reconhecido igualmente cada vez mais como uma complicação de COVID-19. Isto tem implicações importantes para a investigação e a gestão dos pacientes com infecção viral, assim como para compreender os mecanismos da doença.

No total 1410 os pacientes foram seleccionados e 201 recrutados durante um período bienal no hospital a Dinamarca Restauração em Recife, Brasil. O teste do PCR detalhado e do anticorpo para vírus foi realizado em laboratórios de Fiocruz.

Dos 201 pacientes admitidos com doença neurológica suspeitada ligou a Zika, chikungunya ou ambos, 148 tiveram a confirmação da infecção no teste de laboratório, em torno de um terço de quem teve a infecção com o mais de um vírus.

A idade mediana dos pacientes era 48, e apenas sobre a metade os pacientes eram fêmeas. Os pacientes de somente ao redor 10% tinham recuperado inteiramente na descarga, com os muitos ter edições em curso como a fraqueza, apreensões, e os problemas no cérebro funcionam.

Dos pacientes do curso, que foram envelhecidos 67 em média, ao redor dois terços tiveram a infecção com o mais de um vírus. Muitos dos povos que tiveram um curso tiveram outros factores de risco do curso, tais como a hipertensão, indicando que o curso que segue a infecção viral de Zika e de chikungunya pode o mais frequentemente ser considerado naquelas que são já risco elevado.

O Dr. Maria Lúcia Brito Ferreira, neurologista e cabeça de departamento no hospital a Dinamarca Restauração, conduzindo a equipe brasileira disse: De “a infecção Zika causa o mais frequentemente uma síndrome do prurido e da febre sem muitas conseqüências a longo prazo, mas estas complicações neurológicas - embora raro - possa exigir o apoio no hospital, frequentemente o resultado dos cuidados intensivos na inabilidade, e possa causar a morte.”

Dr. Suzannah Lant, um research fellow clínico na universidade de Liverpool, que trabalhou no estudo explicado: “Nosso estudo destaca os efeitos potenciais da infecção viral no cérebro, com complicações como o curso. Isto é relevante a Zika e a chikungunya, mas igualmente a nossa compreensão de outros vírus, tais como COVID-19, que está sendo ligado cada vez mais às complicações neurológicas.”

Embora a atenção do mundo seja focalizada actualmente em COVID-19, outros vírus que emergiram recentemente, como Zika e chikungunya, está continuando a circular e causar problemas. Nós precisamos de compreender mais sobre porque alguns vírus provocam o curso, de modo que nós possamos tentar e impedir este que acontece no futuro.”

Professor Tom Solomon, autor superior, director do instituto nacional para a unidade de pesquisa da protecção sanitária da pesquisa da saúde em infecções emergentes e Zoonotic na universidade de Liverpool

Source:
Journal reference:

Ferreira, M.L.B., et al. (2020) Neurological disease in adults with Zika and chikungunya virus infection in Northeast Brazil: a prospective observational study. Lancet Neurology. doi.org/10.1016/S1474-4422(20)30232-5.